Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Preservar a memória – Por Sebastião Pimentel

Imóveis preservados que acolheram as instalações da Casa da Memória de V.Velha e do Museu Homero Massena

Em 1995, fui eleito membro titular da Câmara de Patrimônio Cultural e tomei assento no Conselho Municipal de Cultura de Vitória.

Durante o tempo em que participei das reuniões (pena que, desde dezembro de 1995, nunca mais o Conselho foi convocado), pude, em importantes discussões com os demais integrantes do Conselho, conhecer melhor o patrimônio cultural de nossa cidade.

Juntamente com os outros integrantes da Câmara de Patrimônio Cultural (Carlos Benevides Lima Júnior, Clenir Regina Pela Meneghel, Maria Cristina Coelho Duarte), apresentamos um levantamento, referente a imóveis localizados na cidade de Vitória, propondo o seu tombamento, respaldados na importância da preservação de significativo conjunto arquitetônico existente em nossa cidade.

O tempo é fugaz e extremamente veloz, fazendo com que o passado seja freqüentemente relegado ao esquecimento, contribuindo dessa forma para que lentamente percamos nossas referências.

A memória faz parte de nossa vida, e por isso, precisamos urgentemente recuperá-la. Neste sentido concordamos com Bunel quando afirma que uma vida sem memória, não é vida. Segundo este autor, "nossa memória é nossa razão, nossa ação, nosso sentimento. Sem ela não somos nada".

Quando nos referimos à importância de se preservar a memória da nossa cidade, não visamos apenas a conservar elementos da nossa cultura material estranhos ao tempo e à história que nos envolve, por sua beleza estética, raridade ou singularidade, mas também a permitir que o resgate possibilite o confronto entre o passado e o presente.

Vitória é uma das mais antigas cidades do Brasil, e poucos exemplos arquitetônicos existem atualmente para atestar nossa antigüidade. Nos últimos anos, foram postas abaixo ou destruídas verdadeiras preciosidades: O calçamento "pé de moleque" da Rua Duque de Caxias, o "castelinho" da rua Cel. Monjardim, o casario da Cidade Alta (poucas se mantêm erguidas), e a antiga sede da Prefeitura, entre tantas outras.

A falta de planejamento urbano contribui para a descaracterização de nossas paisagens e horizontes visuais. Assim, perdemos a Praia Comprida, a Praia do Barracão, a Praia do Suá, a Praia de Santa Helena, a beleza rural da estrada do Contorno.

Todo o casario da Cidade Alta, inclusive o palácio do governo, o prédio da assembléia legislativa, a igreja de São Gonçalo e a Igreja do Rosário, está perdido no meio de edifícios.

A Prefeitura de Vitória tem procurado, num esforço elogiável, revitalizar o centro da cidade, incentivando a recuperação visual de antigos prédios, mas os esforços não têm conseguido sensibilizar a maioria dos proprietários. Os tapumes continuam vedando a visibilidade de velhas edificações do início do século, perdendo esteticamente a nova cidade diante da destruição suas antigas características.

A cidade de Vitória precisa pois, urgentemente, resgatar a sua memória, antes que percamos definitivamente os resquícios dela existentes.

Monumentos arquitetônicos devem ser tombados e preservados, no sentido de serem colocados a salvo da cobiça e ignorância do homem de hoje.

Imóveis cuja importância histórico-social ou beleza arquitetônica sejam consideradas imprescindíveis à memória da sociedade não podem ser destruídos, desfigurados ou modificados.

Depoimentos de significativas personalidades — políticos, esportistas, artistas, educadores, líderes comunitários, juristas, comunicadores — devem ser coletados objetivando-se preservar pela oralidade a história de nossa cidade. Museus, casas de cultura, bibliotecas, arquivos, devem ser instalados e organizados no sentido de familiarizar o público da cidade com a história regional.

No entanto, gostaríamos de ressaltar que não basta apenas a preservação da memória como uma iniciativa do governo municipal. É preciso que o povo, a sociedade como um todo, compreenda a razão da preservação. Caso contrário, a não compreensão da importância desta resultará em que a sociedade não valorize, os nossos bens culturais.

 

Fonte: Você – Revista da Secretaria de Produção e Difusão Cultural/UFES – ano V – nº 42 – set/1996
Autor: Sebastião Pimentel
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2015

Monumentos

Prainha: 400 Anos

Prainha: 400 Anos

Ao longo dos séculos, Vila Velha ficou praticamente à sombra da capital. Abandonada à própria sorte, sobreviveu aos traumas dos primeiros anos, quando a maior parte de sua população fugiu para Vitória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Ex-Escadaria Maria Ortiz - Por Gabriel Bittencourt

A obra, contratada pelo Serviço de Melhoramentos de Vitória, foi inaugurada a 15 de novembro de 1924, em comemoração ao aniversário da República

Ver Artigo
Praça Oito de Setembro

O cronista Eugênio Sette, dizia que "... a Praça Oito parece uma mulher dama muito vivida, muito experimentada, que não arrepia carreira, nem se encabula com uma piada mais grosseira. Já viu tudo. E, por isso, aguenta firme, consciente do seu papel."

Ver Artigo
Forte São Francisco Xavier – Por Seu Dedê

No dia 23 de maio de 1535, o Capitão-mor Vasco Fernandes Coutinho desembarcou em Vila Velha e construiu uma paliçada para defesa dos ataques dos senhores destas paragens

Ver Artigo
Palácio Anchieta

No início da colonização do Espírito Santo os jesuítas começaram a erguer uma igreja e sua residência provisória na Cidade Alta, imediações onde se localiza hoje o Palácio Anchieta

Ver Artigo
A História do Morro do Moreno – Por Seu Dedê

O sítio natural conhecido como Morro do Moreno foi palco de vários eventos importantes da história do Espírito Santo

Ver Artigo