Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Primeira greve operária e Governo Marcondes Alves de Sousa

Marcondes Alves de Sousa

Em novembro de 1908, Cachoeiro de Itapemirim foi palco de acontecimento que assinala a presença, viva e palpitante, de numerosa classe operária no território capixaba. Entraram em greve os trabalhadores da construção da Estrada de Ferro Sul do Espírito Santo, por atraso do pagamento dos salários. O movimento explodiu nas cercanias da cidade e – segundo o depoimento d’O Cachoeirano – conseguiu empolgar cerca de oitocentos trabalhadores, que estiveram acampados ali, durante dois ou três dias, batendo-se pacificamente pelos seus direitos, afinal satisfeitos em parte, com o pagamento de uma fração do que lhes era devido.

Como era natural, a atitude dos operários preocupou o governo estadual que, cautelosamente, solicitou o auxílio de forças federais. De pronto, foi mandado um contingente do 20.º Batalhão de Infantaria, do Rio de Janeiro, que se limitou a umas escaramuças, nas estradas, com pequenos grupos de grevistas, já de regresso aos seus barracões.

Reforma da Constituição – Lutas políticas – Durante o governo de Marcondes Alves de Sousa – que sucedeu a Jerônimo Monteiro – o Congresso Estadual submeteu a Constituição a uma reforma cujo objetivo principal era atender a interesse político eventual.

Preocupado em conhecer pessoalmente os problemas locais de cada região, Alves de Sousa visitou todos os municípios do Estado, em 1913.

Ao fim de seu governo – quando da propaganda eleitoral para a sucessão presidencial – o Estado conheceu, novamente, dias de luto e tristeza, provocados por tremenda luta política.

O Espírito Santo dividiu-se entre os partidários de José Gomes Pinheiro Júnior e Bernardino Monteiro. Reconhecida, oficialmente, a vitória do último, os partidários daquele tentaram estabelecer um segundo governo, com sede em Colatina.(37)

 

NOTAS

(37) 37 - O episódio é conhecido pelo nome de Revolta do Xandoca, devido a Alexandre Calmon. Esse político, a princípio companheiro de chapa de Bernardino Monteiro, como candidato à vice-presidência, rompeu com os antigos correligionários, aliando-se a Pinheiro Júnior. Realizadas as eleições, os partidários do último instalaram um Congresso Legislativo, em Vitória, sob a presidência de Joaquim Guimarães. A vinte e três de maio de 1916, Pinheiro Júnior instalou seu governo em Colatina, proclamada capital do Estado, e embarcou, em seguida, para o Rio de Janeiro, de regresso a Teresópolis, onde clinicava. Alexandre Calmon, na qualidade de vice-presidente, manteve-se ali até o dia vinte e nove de junho de 1916, data em que se internou no território mineiro, seguido de um grupo de companheiros solidários com a sorte do chefe vencido.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, setembro/2017

História do ES

Breves notícias sobre o Contestado

Breves notícias sobre o Contestado

A Comissão Geográfica do Exército iniciou os trabalhos demarcatórios do Contestado, acompanhada pelo engenheiro Cícero Moraes pelo Espírito Santo e Benedito Quintino por Minas Gerais

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Victória – Cidade Presépio, 1937

A linda capital do Espírito Santo. A cidade de Vitória está situada numa ilha banhada por águas do oceano Atlântico

Ver Artigo
Os cônsules no Espírito Santo

São representantes junto ao Governo do Estado, com residência nesta capital

Ver Artigo
Corpo de Bombeiros e Polícia Militar do ES

A Polícia Militar do Espírito Santo é uma das mais eficientes do Brasil. Também o é assim o Corpo de Bombeiros de Vitória

Ver Artigo
Movimento Natural da População do Espírito Santo em 1937

Empenhados em que sejam conhecidos, com a maior rapidez, os resultados do movimento natural da população do Estado (movimento do registro civil), durante o ano de 1937, organizamos as tabelas que se seguem

Ver Artigo
A Penitenciária do ES – Governo Punaro Bley

Turmas de convictos passaram a trabalhar no cultivo das terras adjacentes nos limites da Penitenciária, ou nas suas pedreiras, 

Ver Artigo