Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Quantas montanhas...

E lá fui eu, abraçada ao meu “Reino das Palavras”, instalar o meu reino literário na cidade de Pancas, a 180 quilômetros de Vitória. Logo na chegada, me deparei com o parque natural das exuberantes montanhas: Camelo, Pontões, Agulha, Pedra da Rita... Após a palestra e a visita a Secretaria de Educação e autógrafos dos livros, fui conhecer e descobrir os encantos e recantos bucólicos da região...

Pancas desperta para o turismo de aventura. Lá já existe a Associação de Vôo Livre (www.avip.com.br). Campeonatos esportivos estaduais e municipais são realizados na cidade. Seguindo o serpentear do Rio Pancas, avistei os cafezais esverdeando a esperança, as cachoeiras, os rios, os animais e as trilhas que alavancam o turismo esportivo do lugar.

O município está investindo na educação ambiental, envolvendo alunos, objetivando a necessidade de preservar a natureza. Por entre montanhas, pedra preciosas e o delicioso café (conilon e arábica), o soberano sustentáculo da economia local, relembro que Pancas possui uma história que remonta ao ano de 1914, com forte influência pomerana (em Vila Verde e Lajinha).

A língua pomerana foi oficializada e existe até um dicionário pomerano/ português. O garimpo foi explorado e por lá encontraram-se as maiores águas marinhas: a Xuxa e a Marta Rocha.

As cachoeiras do Bassani e a fazenda Breda refrescam o calor intenso do clima tropical da região. Já na cidade, o calçadão, as lojinhas, o artesanato, a casa do mel, as quadras de esportes, as feiras de doces caseiros, o brote (broa), a lingüiça e a folia de reis, registram a identidade cultural e folclórica de Pancas.

Já a Igreja de Santa Luzia ergue-se imponente e protetora, bem no centro da cidade. Elevo até ela minhas preces de agradecimento, pelo carinho, pelo povo acolhedor e simpático que refletem em cada olhar a certeza de que vou voltar para participar dos festejos da cidade, para me aconchegar na Pousada do Ninho de Águia e de lá estender minhas mãos e alcançar a lua que brinca de se esconder atrás das montanhas verdejantes.

Vou entender minhas mãos e tocar a poesia de um azul olhar, que me parece luar e mar, onde eternamente gostaria de morar... Vou voltar a Pancas e rever os recantos e encantos da nobre cidade do Espírito Santo. E você, já foi lá? Não!!! Pois então vá!

Fonte: Valsema Rodrigues – escritora e historiadora
Publicado em A Gazeta (15/04/2009)



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

Nas trilhas do Mestre Álvaro

Nas trilhas do Mestre Álvaro

Ele está lá, imponente, e pode ser visto de qualquer lugar da Serra. É o Mestre Álvaro, o grande anfitrião do município. E como é bonito vê-lo ao entardecer, quando o sol se põe e forma atrás da montanha aquele vermelho-alaranjado. Imagine então, ver esse cenário do seu topo. Sim, é maravilhoso (mas só suba com um guia).

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1534 – Por Basílio Daemon

No dia 1º de junho de 1534 deste ano faz el-rei D. João III doação a Vasco Fernandes Coutinho da capitania do Espírito Santo 

Ver Artigo
Ano de 1508 e 1526 – Por Basílio Daemon

Cristóvão Jaques: o descobridor da costa do Espíto Santo que deu nome a praça, hoje conhecida como Praça do Cauê

Ver Artigo
Estórias de Boêmios - Por Hélio de Oliveira Santos

Este livro não tem pretensões literárias. Aviso logo, de antemão ao Dr. Austregésilo de Athaíde, presidente da Academia Brasileira de Letras, que não me convide para concorrer a uma cadeira 

Ver Artigo
Dia da Mulher - Origem

O dia 8 de Março é, desde 1975, comemorado pelas Nações Unidas como Dia Internacional da Mulher!

Ver Artigo
Dia Internacional da Mulher

Queremos registrar aqui o nosso agradecimento a todas as mulheres que contribuem com este site, seja enviando fotos especiais e antigas, textos, ou sugerindo matérias através do nosso Fale Conosco

Ver Artigo