Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Quatro rios - Riacho, Piraqueaçu, Reis Magos e Jacaraípe

Rio Piraqueaçu - Fonte: IEMA

O berçário natural de desovada tartaruga de couro, no rio Riacho; a biodiversidade do manguezal formado na foz do rio Piraqueaçu; o belo visual do Mestre Álvares, na bacia do rio Jacaraípe; e a história dos primeiros colonizadores na bacia dos Reis Magos são cenários que foram unidos com um mesmo propósito: assegurar os recursos hídricos da região.

Em busca de políticas públicas e investimentos privados que melhorem a qualidade de vida das 450 mil pessoas que vivem nos oito municípios que formam as quatro bacias hidrográficas, poder público, usuários de água e sociedade civil criaram o que se convencionou chamar inicialmente de Unidade Hidrográfica Litorânea Central.

Numa reunião realizada no último dia 27, em Aracruz, foi constituído o Comitê da Bacia Hidrográfica (CBH) dos rios Riacho, Piraqueaçu, Jacaraípe e Reis Magos, com a eleição da diretoria provisória.

Os municípios de Fundão, Serra, Santa Leopoldina, Santa Teresa, Ibiraçu, João Neiva, Aracruz e Linhares – que compõem as quatro bacias – indicaram três representantes cada um para que possam atuar na gestão dos recursos hídricos da região.

Com a decisão, a bacia do rio Jacaraípe – única a possuir comitê formado – terá o seu decreto de criação revogado.

“Com a eleição da diretoria provisória do novo comitê, queremos possibilitar o crescimento sustentável dos municípios envolvidos, por meio de ações conjuntas, assegurando o uso racional dos recursos hídricos e a manutenção de água potável às futuras gerações”, discursou a presidente eleita da diretoria provisória do comitê, a bióloga Olga Anita Ventorim.

Todo o processo de mobilização e incentivo à criação do novo comitê contou com a participação do Instituto Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), por meio da equipe formada pelos analistas Robson Monteiro e Viviane da Silva Paes, do subgerente de Planejamento de Bacias Hidrográficas e Apoio a Comitês, Cláudio de Almeida, e do gerente de Recursos Hídricos, Fábio Ahnert.

Por que criar um comitê?

1º – Ao trabalhar a região como todo é possível envolver mais municípios, usuários de água e ONG’s nesse processo. Um número maior de prefeituras pode ficar responsável em canalizar energia para que toda a região receba os investimentos.

2º – Os rios que fazem parte das quatro bacias hidrográficas têm características semelhantes em termos de tamanho e volume de água.

3º – Os rios são alvos de projetos importantes do Ministério do Meio Ambiente, que focam a região como um todo. Isso significa que qualquer ação voltada para um deles pode trazer conseqüências para os demais.

Fonte: Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos.

Diretoria provisória do comitê

Presidente: Olga Anita Ventorim Lisboa Santos (Poder público – Sesa-Serra)

Vice-presidente: Patrick Bertolo Lucas (Usuário de água – Cesan)

Secretário-executivo: Iberê Sassi (Sociedade civil – Instituto Goaimum)

Coordenadorias

Mobilização: Adilmer Tonon Nunes (Saae – Aracruz), Odauri Vicenti Della Valentina (Saae – Ibiraçu), Antônio Vitor Andrade Pignaton (secretário de Meio Ambiente – Ibiraçu)

Técnica: Celso Feu Correaq (Secretaria de Agricultura de João Neiva), Sebastião Atílio (Aprofes), Luiz Antônio do Nascimento (SAAE – João Neiva) e Nilton Broseghini (Semma – Santa Teresa).

Jurídica: Adwalter Lima (Pesca), Antonio Vitor Pignaton (Secretaria de Meio Ambiente de Ibiraçu) e José Nelson Acopel (Adomani)

Fonte: Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema).

O que eles dizem

 

“A união faz a força”

“Nesse caso, vale a pena aplicar aquela velha frase conhecida: ‘a união faz a força’. São quatro rios relativamente pequenos que se forem tratados isoladamente acabam perdendo força. É fundamental o planejamento integrado.”

Fábio Ahnert, gerente de Recursos Hídricos do Iema

“Somos coadjuvantes”

“Se dentro dessa unidade houver a mobilização de que o rio é nosso e por isso lutamos para melhorar a qualidade da sua água, não vai haver redução de recursos. Não existe essa história de que o nosso rio vai ficar esquecido porque a região é ampla. O melhor de tudo é que somos coadjuvantes. Nosso papel foi o de fomentar, facilitar, catalisar todo esse anseio.”

Cláudio de Almeida, subgerente do Iema de Planejamento de Bacias Hidrográficas e Apoio a Comitês

“Um comitê é importante”

“É importante a formação de um comitê que possa desenvolver atividades sistemáticas para melhoria dos recursos hídricos de toda a região. O comitê é onde se discute quais alternativas serão adotadas para se tomar medidas eficazes em relação ao tratamento de esgoto.”

Antônio Sérgio Ferreira Mendonça, membro do Conselho Estadual dos Recursos Hídricos

“Reforça a tomada de atitudes”

“O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Jacaraípe optou por essa junção. Acredito que com a unidade será possível viabilizar ações concretas para toda a região. Na nova metodologia, há o agrupamento das bacias subseqüentes, o que reforça a tomada de atitudes.”

Danielle Aquino, bióloga da Secretaria Municipal de Meio Ambiente da Serra

 

Fonte: A Tribuna, Suplemento Especial Navegando os Rios Capixabas – Rios Riacho, Rio Piraqueaçu, Rio Reis Magos, Rio Jacaraípe - 12/08/2007
Expediente: Joel Soprani
Subeditor: Gleberson Nascimento
Colaborador de texto: Anderson Cacilhas
Diagramação: Carlos Marciel Pinheiro
Edição de fotografia: Lucia Zumash
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2016

Rios do ES

A Bacia do Rio Itapemirim

A Bacia do Rio Itapemirim

A Bacia do Rio Itapemirim está localizada entre o mar e a montanha e abastece 17 municípios capixabas e Lajinha, em Minas Gerais

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Rio Reis Magos, opção de abastecimento

A escassez de água no Santa Maria e no Jucu coloca o rio como alternativa direta para o abastecimento da Grande Vitória

Ver Artigo
Rio Jacaraípe tem “vida urbana”

A bacia do rio, por estar dentro da cidade, sofre um maior impacto de esgotos

Ver Artigo
Comunidades defendem o Rio Jacaraípe

Descidas ecológicas ajudam a mostrar o interesse da população pela preservação dos rios e das lagoas

Ver Artigo
Berçário para as tartarugas marinhas – Rio Riacho

Região da bacia hidrográfica do rio Riacho é uma das áreas preferidas para a desova dos animais, que estão ameaçados de extinção

Ver Artigo
Predomínio de eucalipto e indústrias – Quatro Rios

Na região que envolve os rios Riacho, Piraqueaçu, Reis Magos e Jacaraípe, a cultura do eucalipto se sobressai. Há também pólos industriais

Ver Artigo
Um manguezal diferente – Rio Piraqueaçu

O estuário do rio Piraqueaçu, localizado numa fenda geológica, é rodeado de morros e atrai riqueza animal inigualável

Ver Artigo
Rio Piraqueaçu tem estudo inédito

Uma pesquisa, que inclui o Jacaraípe, vai mostrar como é a relação de interferência entre o rio e o mar

Ver Artigo
Cesan participa ativamente - Santa Teresa, Fundão e Serra

A companhia investe em tratamento de esgoto em Santa Teresa, Fundão e Serra

Ver Artigo
Santa Cruz, a vila dos imigrantes

A vila de Santa Cruz, em Aracruz, foi o primeiro ponto no litoral a receber italianos que chegaram ao País em busca de dias melhores

Ver Artigo