Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Reminiscência 1ª Parte – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

Renato Pacheco.Foto do seu livro

1 – 1936 A. D. 

O chique era andar de bonde Circular à tarde. Em frente à Assembléia o bondinho virava os bancos e ia para o Parque Moscoso. Nos fundos da Casa Verde (Armarinhos, tecidos e miudezas) eu apanhava pequenos caranguejos que guardava numa caixa de fósforo. Íamos à Praia de Santa Helena, casa de uma tia, e quando voltávamos, à noite, na reta do Constantino, o bonde fingia ser um túnel de luz em meio à escuridão; dos mangues de Bento Ferreira voavam maruins e um chiclete ficou preso no bolso de meu capote.

Na Feira do IV Centenário da Colonização meu pai expunha Sal do Mossoró, e dava-o, ao visitante, em pequenos saquinhos carimbados. “Seu” Campos Pinha mostrava os últimos avanços dos anúncios de gás neon e dizia entusiasmado: - No Rio há uma garrafa de água Caxambu que enche um copo de luz e sonho!”

João Horta Aguirre era o melhor aluno de D. Izaltina Paolielo, e na escola do Filgueiras Dona Nenzinha dava reguadas nos relapsos. Argentina, minha tia, me ensinou a ler e escrever e eu ingressei no mundo maravilhoso da palavra impressa.

Navios davam notícias do mundo e as velhas casas das ruas Duque de Caxias e General Osório abrigavam prostitutas. No Parque Moscoso moravam as famílias ricas. No Morro Moscoso moravam as famílias pobres. Na Pedra da Cotia havia fios de alta tensão e uma caveira na lata avisava:

- Perigo!

“Seu Antônio Jacob da Libanesa vendia tecidos. Comprávamos cadernos e lápis na Tipografia Gentil e remédios na Farmácia Popular. Os secos e molhados no armazém de “Seu” João Pinheiro, que pegou fogo. As cervejas Teotônia e o vinho único vinham do Bar e Café Estrela. As bananas e a fezinha no bicho eram feitas na Quitanda de “Seu” Alípio.

No Carnaval fantasiaram-me de Conquistador de Corações e fiquei furioso quando me passaram rouge e baton. A enchente trouxe, da Fonte Grande, penicos e troncos de bananeiras e um gato morto. Rogério, meu irmão, conhecia todo o Morro e todas as jaqueiras e um dia desceu da casa da Nana com a língua pendurada. Comíamos Torta Capixaba, na Semana Santa, e Muxá nas tardes de domingo.

Meu pai me levava às regatas e torcia para o Álvares Cabral. Secretamente éramos saldanhistas. Natal, as invejas recíprocas se espalhavam pela Rua Sete, e os brinquedos alemães de pilha – carrinhos, orquestras, e até um palhaço que virava cambalhotas – ganhavam a liça. Minha mãe fazia bordados matizados que encantavam a vizinhança e relembrava o pai dela. Dr. José Horácio Costa, magistrado, abolicionista e republicano, que morreu tão cedo. Vitória sem ônibus e com poucos carros, respirávamos a brisa do mar e não sabíamos.

 

Nota do Site: O Termo A.D. juridicamente significa: A.D. perpetuam rei memoriam - Diligências requeridas e promovidas com caráter perpétuo, quando haja receio de que a prova possa desaparecer; para a perpétua memória da coisa.

 

Autor: Renato Pacheco
Fonte: Escritos de Vitória, 1- Crônicas, Vitória-ES, 1993
Compilação: Walter de Aguiar Filho,junho/2011

Parabéns, Vitória (desde 8 de setembro de 1551)

Praça Oito de Setembro (ex-praça Santos Dumont)

Praça Oito de Setembro (ex-praça Santos Dumont)

Em 1935, nas comemorações do IV Centenário do Espírito Santo, num de verdadeira amizade à nossa terra, a família Oliveira Santos doou à cidade artístico obelisco

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Reminiscência 5ª Parte (última) – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

Aos sábados bebemos Martini no Bar Sagres. Temos uma turma de almoços mensais e Zé Leão frusta Paulo Vellozo: - Não gosto de lazanha. E repete, três vezes, o delicioso prato feito pela Clara.

Ver Artigo
Reminiscência 4ª Parte – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

A pacatez vira poluição e é difícil agora recriar aquela pequenina cidade, cujo  centro era a Praça 8 e onde todos se conheciam e se cumprimentavam.

Ver Artigo
Reminiscência 3ª Parte – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

Dezoito anos e já professor do Colégio Estadual? Sim, graças a Guilherme Santos Neves...

Ver Artigo
Reminiscência 2ª Parte – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

Nesse ano meu pai tirou um prêmio na Capitalização, fez uma garagem e comprou um carro Opel Olímpia

Ver Artigo