Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Renato Pacheco em literatura de cordel - Por Kátia Bobbio

Renato Pacheco e Kátia Bobbio

R E N A T O  P A C H E CO

 

Neste livreto apresento

Um ilustre professor,

 Doutor Renato Pacheco

Magistrado de valor,

 Renomado folclorista

Também historiador.

 

Vou falar num cidadão

Seu nome completo é:

Nasceu aqui em Vitória

Doutor Renato José

Também é Costa Pacheco

Estava sempre de pé.

 

Dezenove vinte oito (1928)

O ano que ele nasceu,

Em 16 de dezembro

Nesse dia apareceu,

 Para mostrar ao Estado

O valor do nome seu.

 

Seu pai senhor Filogônio

Sua mãe dona Valentina,

E a sua primeira mestra

A professora Argentina,

Depois do jardim de infância

Foi com a dona Izaltina.

 

No “Sagrado Coração

De Jesus” foi o colégio

Que começou a estudar

E sem nenhum sacrilégio

Com a professora Alcina

Ele teve privilégio.

 

Doutor Renato passou

Na rua Sete, a infância,

Brincando e jogando bola

Sempre na mesma constância,

 Pois no centro da cidade

Era tudo em abundância.

 

No terceiro ano vai

Para o colégio Filgueiras,

Fez todo ginasial

Cursou as séries inteiras,

Era um aluno aplicado

Não gostava de asneiras.

 

No ano de trinta e seis (1936)

Seguiu outra direção,

Agora a literatura

Abraçou seu coração,

Fez um conto de Natal

Com toda dedicação.

 

 Em quarenta ele inicia (1940)

No colégio Estadual,

Publica os primeiros textos

No jornalzinho local,

Que era datilografado

De maneira artesanal.

 

Concluiu o científico

Foi professor de história,

No Colégio Estadual

Da cidade de Vitória,

Foi redator e repórter

Homem de grande memória.

 

Na “ Tribuna” e na “Gazeta”

Em “O Diário” passou,

Numa revista importante

Sei que ele colaborou

Foi a “Vida Capixaba”

Que só saudade deixou.

 

Junto com outros colegas

Fundou uma Academia,

A "Capixaba dos Novos"

Do jeito que ele queria,

Era um grêmio literário

Com recitais de poesia.

 

Em quarenta e seis integra (1946)

No folclore estadual,

E onde houvesse folguedo

Da montanha ou litoral

Estava sempre presente

E fosse em qualquer local.

 

Ele sempre pesquisava

Todo festejo que havia,

Fazia os apontamentos

Que o próprio povo dizia,

E o primeiro boletim

Sobre o folclore nascia.

 

Com Guilherme Santos Neves

Andou pelo Estado inteiro,

Encontrou o mestre Hermógenes

Para ajudar no roteiro,

Apresentações, toadas

Casaca, tambor, pandeiro.

 

Desejava mapear

Todas as festas do Estado,

Com gravações, fotos, filmes

Para deixar registrado,

 Com fama nacional

De "Folclore" intitulado.

 

Novecentos e cinquenta (1950)

Doutor Renato casou,

Foi com a dona Clotilde

A mulher que muito amou,

E tiveram quatro filhos

Que eu agora citar vou.

 

Rodrigo o filho mais velho

Depois um casal de gêmeos,

 A Renata e o Guilherme

Para completar seus prêmios,

 Apareceu Ana Lúcia

Uma família de gênios.

 

No ano cinquenta e um (1951)

Bacharelou-se em direito,

Foi o orador da turma

Saindo tudo no jeito,

Ele também fez história

Com disciplina e respeito.

 

Foi mestre em ciências pela

Escola de Sociologia

E Política de São Paulo

Estudava todo dia,

Também foi livre docente

Na UFES fez o que podia.

 

Por mais de quarenta anos

Dedicou-se ao magistério,

 Na magistratura foi

Homem dedicado e sério,

Catedrático na história

Geral, sem fazer mistério.

 

Professor na faculdade

Esta de Filosofia,

Ciências e Letras, depois

"Centro de Estudos", surgia,

Foi diretor da Escola

De Magistratura, um guia.

 

Ainda nos anos cinquenta

Ele criou e dirigiu,

Também uma Editora

E Vitória toda viu,

"Edições Renato Pacheco"

Para ajudar ao Brasil.

 

Grande juiz de direito

Em São Mateus, Colatina,

Em Alegre e Guaçui

E em Santa Leopoldina,

 E em Conceição da Barra

Fez sua obra mais divina.

 

Sub Reitor Comunitário

Da UFES com grande glória,

Professor da Faculdade (FDV)

De Direito de Vitória,

E como bom magistrado

Ele fez sua trajetória.

 

Doutor Renato Pacheco

À cultura deu valor,

Na Fundação Cultural

Do Estado, foi diretor,

Que hoje é a SECULT

Fique sabendo leitor.

 

Pertenceu a Academia

De Letras aqui do Estado,

E no Instituto Histórico

Foi um presidente honrado,

E do Centro Cultural

De Pesquisa, associado.

 

Núcleo de Estudos, Pesquisas

Lecionou literatura,

No Programa de Mestrado

Da UFES, teve lisura,

De uma riqueza exemplar

Sua fonte de cultura.

 

Doutor Renato deixou

Muitas obras publicadas,

Poemas, contos, romances

Todas elas consagradas,

 Em várias bibliotecas

Elas estão espalhadas.

 

Muitos prêmios e homenagens

Recebeu doutor Renato,

Medalhas, troféus, diplomas

Valoroso literato.

Esse grande pesquisador

Deixou um grande relato.

 

Dia 18 de março

Foi o seu falecimento

No ano de 2004

Perdemos grande talento

Foi prosear lá no céu

O seu último aposento.

 

Fonte: Renato Pacheco
Autora: Kátia Bobbio (destaque em literatura de cordel no Espírito Santo)
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2014 

Folclore e Lendas Capixabas

A morte do Asceta - Por Maria Stella de Novaes

A morte do Asceta - Por Maria Stella de Novaes

E, lá, na ermida em que se deu o desenlace, ajoelhado ainda e mãos postas no altar, Frei Palácios parece, enlevado, a rezar!

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo