Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Roteiro Cinematográfico - Prefácio de Orlando Bomfim

Capa do Livro - Guia Prático do Roteiro Cinematográfico de Jovany Sales Rey

Quem não conhece Jovany não sabe, mas se vier a conhecê-lo, saberá: o motivo principal que o levou a escrever este livro foi a sua conhecida generosidade. E muita competência.

Desde o início do que se concebeu chamar de “retomada” do cinema brasileiro, quase todas as oficinas realizadas incluem o roteiro como parte das técnicas a serem estudadas. Essa grande curiosidade se deve a duas questões conhecidas. A primeira é que, nos anos 60, 70 e 80, os que queriam atacar o cinema brasileiro costumavam dizer que os filmes não tinham roteiristas; a segunda é que, na retomada, alguns novos diretores e entidades iniciaram um movimento trazendo roteiristas, fazendo seminários – inclusive com o pessoal do Sundance Festival -, levando a questão para as escolas e espalhando as oficinas pelos Estados e pelos festivais de cinema. Apesar disso, ou, até mesmo por isso, o roteiro ficou sendo uma peça em destaque, constando inclusive de editais de incentivo do Ministério da Cultura para sua formatação e desenvolvimento.

Nesse meio tempo, nosso amigo Jovany, morando quietinho aqui no Espírito Santo, já era roteirista conhecido, E conhecido até fora do Brasil. Pois é. Além disso, é dentista por formação, teatrólogo por amor à arte e inquietação constante, historiador e pesquisador (interessado principalmente nas entrelinhas dos fatos narrados), contador de causos por natureza e sorte nossa. Mas, mesmo com tanta atividade era desconhecido do pessoal do audiovisual local. Essa distância só se dissipou nos anos 90, com a notícia de que seria realizada no Estado uma superprodução cinematográfica com a direção do notável Walter Avancini e nesse momento descobrimos que o roteirista da epopeia intitulada “O Donatário” era nada mais nada menos do que ele, Jovany Sales Rey.

A partir dessa revelação, nosso amigo não teve mais sossego e virou uma espécie de consultor geral informal de todos que queriam ou pensavam em algum dia fazer um filme ou vídeo. Assolado por um mar de dúvidas e problemas que lhe eram incessantemente trazidos, começou a perceber que mesmo com tanta gente falando e discutindo roteiros, ainda não havia no mercado editorial brasileiro um manual voltado exclusivamente para o roteiro cinematográfico, nada parecido com um guia prático que pudesse facilitar a vida de quem precisasse ou estivesse interessado no assunto, pois os poucos autores nacionais que se aventuraram no tema produziram obras híbridas, com enfoque maior na televisão. Assim, mergulhou nessas águas profundas com a mesma garra e disposição de sempre, determinado a recuperar o tempo perdido.

Jovany escreve na primeira pessoa, colocando sua marca mesmo nos detalhes mais técnicos e insossos, incentivando a criatividade e transformando o que poderia ser mera informação sem alma em matéria para estudo e reflexão. Não bastasse todo esse trabalho bravamente esmiuçado, ele nos brinda, alicerçando a estrutura do livro com vários apêndices fartos e bem elaborados, São janelas que abrem perspectivas em cachoeira para quem quiser ampliar seus conhecimentos sobre o universo da arte do cinema.

É por isso que afirmamos, desde o primeiro parágrafo, que a sua principal característica é a generosidade. Sua abnegação pessoa, a solidariedade e a vontade de contribuir com todos, sejam conhecidos ou não, é que permitiram e fizeram com que ele se entregasse tanto na construção desta obra que tem a marca do que é fundamental e que precisava ser feito, encontrando nele a expressão, a força e a competência necessárias para vir á luz.

Esse é o espaço do artista, daquele que é imprescindível.

 


Prefácio do livro: Orlando Bomfim
Título: O Papel do Cinema – Guia prático do roteiro cinematográfico, 2005

Autor: Jovany Sales Rey
Ilustrações: Milson Henriques
Capa e Projeto Visual: Gabriel Diaz
Produção: Luciano Simões
Revisão: Vanessa Lopes Andrade
Supervisão Técnica: Merenice Merhej
Patrocínio: Lei Rubem Braga
Apoio: Vale do Rio Doce
 

 

Nota do Site:  Por David Benincá, agosto/2012

O Donatário, texto de Jovany Sales Rey, originalmente concebido como roteiro de longa metragem, fazia parte de uma série de 
5 longas metragens comemorativos dos 500 anos de descobrimento do Brasil. 
O projeto, no entanto, não foi concretizado, e por muitos anos o texto ficou parado. Hoje, aproximadamente 12 anos depois, 
o texto seguiu outro rumo. Neste momento, Jovany dedica seu tempo a concepção do romance derivado de "O Donatário". Estamos todos ansiosos...
Abraço!
David

 

 

Variedades

O Samba Corre Nessas Veias – Por José Carlos Mattedi

O Samba Corre Nessas Veias – Por José Carlos Mattedi

Mais antigo puxador de samba-enredo de Vitória, Lajota, lembra seus 35 anos de carnaval, o aprendizado com os grandes mestres, como Cartola, da Mangueira

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1588 e 1589 - Por Basílio Daemon

A viúva, D. Luíza Grinalda, continuou a residir em sua fazenda na então Vila Velha, a qual era junto ao monte Moreno

Ver Artigo
Anos de 1575,1576,1577,1578,1580,1582 e 1584 - Por Basílio Daemon

O padre José de Anchieta, que estava nesta então capitania, e já promovia a fundação de outras casas religiosas, como a de Benevente, Reritiba, em 1569

Ver Artigo
500 Anos de Cantoria

Provavelmente entre 1549 e 1551, Francisco De Vaccas, o chefe da Alfândega do donatário Vasco Fernandes Coutinho, destacou-se entre os nativos pelo seu talento musical

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo X

O Presidente do Estado, Jerônimo Monteiro e correligionários após a entrega do cemitério de Santo Antônio à Prefeitura Municipal de Vitória (1912). APEES — Coleção Jerônim o Monteiro

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo VII

No Anchieta. O Presidente Jerônimo Monteiro despacha com o Diretor de Agricultura, Terras e Obras, Antônio Francisco de Athayde, e o Secretário Geral de Estado, Ubaldo Ramalhete Maia, 1912

Ver Artigo