Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Roteiros de Anchieta

Placa de bronze existente no busto do Padre José de Anchieta, em frente a Igreja Nossa Senhora da Assunção na cidade de Anchieta, ES

Roteiro das Águas

Anchieta é muito conhecida por suas belas praias. A maioria guarda um ar bucólico e é freqüentada por famílias em busca de tranqüilidade. A Praia de Parati, de mar calmo, com grande concentração de algas e corais, é indicada para a prática de pesca de arremesso e windsurfe. A Praia Maimbá, recortada por falésias, é ideal para caminhadas. A Lagoa de Maimbá é um convite para os aventureiros que gostam de praticar esportes náuticos e pesca. A Lagoa do Ubu oferece uma tranqüila área para lazer. Uma boa infra-estrutura aguarda os visitantes na Praia do Ubu. Possui calçadão com quiosques, hotéis, pousadas e restaurantes. Iriri possui três pequenas enseadas: Areia Preta, Costa Azul e Namorados. O cenário na Praia da Areia Preta tem a imensidão do mar azul emoldurada pelo lendário Monte Aghá, que, solitário, serve de marco à navegação. A Praia da Costa Azul, a mais central, tem formato de uma meia-lua. Já a Praia dos Namorados é um recanto bucólico, com ondas mais fortes, ideal para o surfe. A Praia dos Castelhanos é possível avistar a imensidão do mar em um ângulo de 180 graus. Tem areias brancas e águas claras. Logo à frente fica a Praia de Guanabara, de mar aberto e poucas residências. Nesta praia, todos os anos, as tartarugas marinhas de espécie caretta-caretta desovam – por volta de fevereiro acontece a eclosão de mais de oito mil ovos.

Roteiro Histórico

Além das praias, enseadas e lagoas, os turistas podem visitar o Santuário do Beato José de Anchieta, constituído pela Igreja Nossa Senhora da Assunção e pelo Museu Nacional de Anchieta, localizado na Praça da Matriz, no centro. Lá estão guardadas peças de valor sacro e histórico que pertenceram ao beato. As ruínas Jesuíticas, uma salina construída no século XVII, podem ser visitadas durante um passeio ao parque fluvial. O parque é um estatuário do Rio Benevente. Nos manguezais, caranguejos, garças e socós. A Igreja Matriz Nossa Senhora da Assunção e a antiga residência do “Apóstolo do Brasil”, hoje Museu Nacional de Anchieta, foram construídas no século XVI pelo beato e pelos índios tupi-guaranis catequizados. São construções feitas com pedras e blocos de recifes e com argamassa de cal de mariscos e óleo de baleia. O museu abriga móveis antigos, peças arqueológicas, roupas e a cela do beato. Reúne peças de alto valor histórico e sacro, como o altar com uma imagem barroca.

Roteiro Ecológico

O Projeto Tamar abriga desde 2003 uma base definitiva em Anchieta, com sede na Praia de Guanabara. São 34 quilômetros de praias monitoradas. Cerca de 80% das desovas ocorrem em um trecho de 3,4 quilômetros da Praia da Guanabara, hoje área de Proteção Ambiental (APA). Abriga um Centro de Visitantes com atividades educacionais e loja de produtos Tamar durante as férias de verão e de julho. Oferece material com informações sobre as tartarugas, documentários para crianças e adultos. Os biólogos dão informações sobre o trabalho de preservação e o visitante pode até acompanhar a soltura de filhotes, que acontece na praia em frente à base. Na loja são vendidos camisas, acessórios, brinquedos e artigos de papelaria. O dinheiro arrecadado com a venda é destinado às comunidades onde o Tamar está inserido e às pesquisas.

Roteiro Manguezal

Os manguezais de Anchieta estão entre os mais bem preservados do Espírito Santo. É possível fazer passeios ecológicos no local através do projeto “Conhecendo o Benevente”, que leva o turista até as ruínas do século XVI, onde o beato Anchieta preparava o sal. Durante o percurso, preste atenção nas garças, socós e marrecos. O passeio de barco é melhor na parte da tarde. Partindo do cais da Colônia dos Pescadores, o barco percorre o manguezal do Rio Benevente. O passeio segue pelo Rio Salinas, até alcançar o sítio histórico das Ruínas Jesuíticas, um conjunto de 32 colunas no meio de um bosque, que teria sido uma antiga salina clandestina. Próximo das ruínas fica um cemitério indígena e vestígios da sede de uma das maiores aldeias indígenas do país, a Aldeia de São Pedro, que na época da chegada dos portugueses reunia cerca de nove mil índios. Na volta, se tiver sorte, poderá ver o pouso das garças brancas em um recanto do manguezal ou contemplar a reunião barulhenta de milhares de papagaios em uma das ilhas. 

 

Fonte: Jornal A Gazeta, Caderno de Turismo, 26/01/2005

Matérias Especiais

Intervenções de Gil Vellozo - Câmara Federal

Intervenções de Gil Vellozo - Câmara Federal

Mesmo integrando uma bancada modesta como a capixaba, Antônio Gil Vellozo se destacava em plenário e foi logo convidado a participar de comissões técnicas. Jornalista comprometido com a profissão, presidiu a Comissão de Inquérito que apurava a infiltração do capital estrangeiro na imprensa brasileira

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Ruínas em Anchieta

As ruínas do Rio Salinas ficam na cidade histórica de Anchieta, litoral sul do Espírito Santo. Conta-se na região que o local provavelmente abrigou uma salina clandestina

Ver Artigo
Ruínas dos Jesuítas

As ruínas estão localizadas onde era a grande Fazenda Araçatiba, que se estendia da primeira cachoeira do Rio Jucu, em Viana até a foz na Barra do Jucu, chegando na Ponta da Fruta

Ver Artigo
Histórias fabulosas

A Companhia de Jesus não foi a única ordem religiosa a exercer atividade na Capitania do Espírito Santo, no período colonial. A obra dos jesuítas será complementada pela ação missionária dos franciscanos, capuchinhos, carmelitas e beneditinos...

Ver Artigo
Cuidados com a saúde nos Passos de Anchieta

Anote essas dicas e vá em frente nos Passos de Anchieta  

Ver Artigo
Os Passos de Anchieta - 10ª Edição

A partida será no dia 07 de junho, às 7h, na Catedral Metropolitana de Vitória. São 4 dias de caminhada, com paradas na Barra do Jucu, Setiba, Meaípe, com chegada na Igreja Matriz de Anchieta, na tarde do dia 10 de junho

Ver Artigo
Padre, poeta, pré-barroco

Anchieta viveu 44 anos no Brasil, dos quais oito foram dedicados ao Espírito Santo, onde morreu no dia 9 de junho de 1597, aos 63 anos

Ver Artigo