Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rua 23 de Maio

Residência de Antenor Guimarães

Tem início na antiga rua do Comércio (atual Florentino Avidos) e se prolonga até a Henrique Coutinho, atravessando-a a avenida Cleto Nunes, parte dela dando frente para o Parque Moscoso. Foi construída, após concluído o aterro do Campinho, no começo deste século. Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães, então um dos homens mais prósperos do Estado. Também aí residiu a família de Serafim Derenzi, italiano, a quem se devem importantes empreendimentos em benefício da cidade.

A rua contou com uma fábrica de gelo, a terceira (ou quarta?) de Vitória, da família Vivacqua. Essa fábrica mantinha uns dez homens, crioulos atléticos, que saíam à rua vendendo, em caixas de madeira, brancas, pintadas a óleo, que eles equilibravam, sobre rodinhas de estopa, na cabeça, - picolés e beijos-frios. Esses beijos-frios faziam a delícia de velhos, moços e crianças, mormente no verão. Eram uns bastõezinhos, envoltos em papel de seda, os mais procurados, feitos de coco, custando duzentos réis cada um. Os crioulos apregoavam: - Oia o beijo-frio! O beijo-frio... gente! Tá gelado, geladinho!, justamente num tempo em que, também outros pregões de vendedores ambulantes musicavam as ruas da cidade, tornando-a ainda mais poética na sua simplicidade provinciana...

Em galpão fazendo esquina com a rua do Comércio, a firma Hard & Hand estocava sacas de café, para exportação, sendo que, à chegada de caminhões vindos do interior, pessoas mais humildes se reuniam em volta para catar os grãos caídos das sacas, cada qual juntando o bastante para o café da manhã seguinte. Anos antes, nesse mesmo galpão, o Clube de regatas Álvares Cabral, então recém-fundado, guardava suas poucas embarcações, seus atletas, os mais madrugadores, ali se reunindo, após os banhos de mar no Porto dos Padres.

Paschoal Del Maestro e seu filho Francisco (Chiquinho) movimentavam, mais adiante, espaçosa garage de automóveis, onde, ao lado, o empresário Edgard Rocha, já da década de 50, construiu o cinema São Luís, então considerado dos melhores da cidade.

A denominação 23 de Maio refere-se à data do início da colonização do solo do Espírito Santo (23 de maio de 1535).

 

Fonte: Logradouros Antigos de Vitória, 1999
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2012 



GALERIA:

📷
📷


Bairros e Ruas

A cidade, a imagem:  Identidade e Cultura locais

A cidade, a imagem: Identidade e Cultura locais

Esses nomes puderam sobreviver por deterem forte significado simbólico e valor inerente ao processo cultural. Foi com esse espírito que o poeta apelidou Vitória de cidade presépio

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Rua da Alfândega (ex-travessa do Ouvidor)

Foi sempre movimentada, tendo ali funcionado, por muito tempo, o popular Restaurante Barão, onde se serviam as melhores moquecas de Vitória

Ver Artigo
Rua Dr. Azambuja (ex-ladeira do Carmo) - Por Elmo Elton

Residiram ali as famílias de Heródoto Leão Castelo, Jair Leão, pai da cantora Nara Leão, os Chaves, os Braconi, os Sucupira, entre outras 

Ver Artigo
Praça João Clímaco (ex-praça Afonso Brás) – Por Elmo Elton

Em 1910, Jerônimo Monteiro, quando o logradouro tinha o terreno inclinado, para aplainá-lo, construiu-se um muro de arrimo, coroado por balaustrada, fronteiro à atual Rua Nestor Gomes

Ver Artigo
Rua Caramuru (ex-Rua do Fogo) – Por Elmo Elton

Uma esquadra de onze barcos à vela fundeou, a 27 de outubro, na barra do porto, sob o comando do almirante Koin e do conselheiro Newland

Ver Artigo
Rua Dionísio Rezendo (ex-rua das Flores) – Por Elmo Elton

Até início da década de 30, quem descesse a ladeira da Matriz, hoje Rua Cerqueira Lima, cruzaria pela já então designada Rua Dionísio Rezendo

Ver Artigo