Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rua Coronel Monjardim (ex-rua da Capelinha) - Por Elmo Elton

Rua Coronel Monjardim, 1928

Chamou-se, a princípio, Rua da Capelinha, visto que, ali, se erguia a capela da Ordem Terceira do Carmo. Era estreito caminho que, do pé da ladeira do Convento de São Francisco, ia ter à Fonte Grande. Foi nivelada e calçada em 1889, quando intendente o coronel Joaquim Corrêa de Lyrio. Nesse antigo caminho, já por volta de 1760, existia um amado Palácio dos Capitães-mores ou Casa das Portas Vermelhas, uma parte dando para o Pelames, a outra para a Rua da Capelinha, construção demolida no primeiro meado deste século. No referido imóvel residiram vários capitães-mores e, mais tarde, o coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim, cujo nome veio a ser dado ao logradouro, por decisão da Câmara, a 27 de fevereiro de 1881. Sabe-se que Monjardim é corruptela, ou melhor, forma aportuguesada do nome de família Mongeardino, de origem italiana, sendo que o coronel Inácio João Mongeardino, pai do atual patrono da rua, foi capitão-mor-governador do Espírito Santo, empossado no cargo em 1782.

Inaugurou-se, nessa artéria, a 16 de dezembro de 1877, o Café do Carmo, localizado em meio a pequeno parque, aliás o primeiro da cidade. "ponto de reunião elegante das famílias vitorienses".

O prefeito Moacyr Avidos providenciou, no final da década de 20, novo recuo da Cel. Monjardim, assim como já o fizera, na mesma ocasião, com outros logradouros centrais da cidade.

A 13 de fevereiro de 1930, na Praça do Carmo (atual Praça Irmã Josepha Hozanah), que fica defronte da Coronel Monjardim, registrou-se grande tiroteio, quando ali se realizava um comício promovido pela Aliança Liberal. Na ocasião, ficaram feridas várias pessoas, com alguns mortos, inclusive o ajudante de ordens do Secretário da justiça, que, recostado ao portão de sua casa, na Coronel Monjardim, fora atingido por um balaço.

Residiram, aí, pessoas de destaque na vida social e cultural de Vitória, tais como: — Dr. Antônio Francisco de Athayde, engenheiro, político, administrador e fundador do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, Drs. Afonso Schwab e Dório Silva, médicos conceituadíssimos, Demócrito Silva, a parteira Augusta Mendes, o poeta Hilário Soneghet, Fernando Osório de Miranda, os Neves, os Calhaus, os Serrat, a historiadora Maria Stella de Novaes, no número 53, onde mantinha precioso orquidário, depois vendido ao Estado.

O coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim, falecido a 24 de janeiro de 1884, teve vida inteiramente consagrada ao Espíritos Santo. Membro da Junta do Governo Provisório, representou a província na coroação do imperador D. Pedro I, sendo sua figura focalizada no célebre quadro de Debret. Colaborou na fundação de Viana. Comandante da Guarda Nacional, foi vice-presidente da província, em períodos diversos.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2017

Bairros e Ruas

Rua Professor Baltazar (ex-ladeira da Várzea)

Rua Professor Baltazar (ex-ladeira da Várzea)

Rescala, pintor de talento, expondo em Vitória em 1938, teve a oportunidade de retratar fielmente a ladeira, estando esse seu trabalho no Palácio Anchieta

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Rua 23 de Maio

Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães

Ver Artigo
Rua Cais de São Francisco (ex-cais de São Francisco)

Quem passa hoje, pela rua Cais de São Francisco, fica intrigado com esta denominação. Ora, por que tal nome, se não há ali cais algum?

Ver Artigo
Rua Sete de Setembro (ex-rua da Várzea)

Partia da Prainha (largo da Conceição) e terminava na rua da Capelinha (atual Coronel Monjardim), hoje se alongando até a Fonte Grande

Ver Artigo
Rua Wilson Freitas (ex-ladeira Pernambuco)

Tem início na rua do Rosário. A antiga ladeira, que ganhou calçamento no governo de Florentino Avidos, servia de acesso aos terrenos da Capixaba, antes da total urbanização dessa área

Ver Artigo
Iluminação das ruas de Vitória no século XIX

No começo da escadaria de acesso à igreja do Rosário, viam-se até pouco tempo passado, ainda, arcos de gambiarra desse sistema de iluminação

Ver Artigo