Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rua Cosme Rolim – Por Elmo Elton

Capa do Livro: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura

Começa ao lado da igreja de São Gonçalo e termina na Rua Francisco Araújo. Por muito tempo não teve calçamento, o terreno era enladeirado e pedregoso, com o mato (capim e muxinga) crescendo por toda a área. Hoje tem calçamento de paralelepípedos, a rampa atual possibilitando mais fácil acesso ao referido templo, na parte que lhe dá fundos, embora poucos os que por ali transitam.

O patrono, Cosme Rolim de Moura, tem seu nome ligado à história do Espírito Santo pela razão seguinte:

Manuel Garcia Pimentel era filho e herdeiro do donatário Francisco Gil de Araújo, que governou a capitania durante algum tempo, dela se afastando em 1682, após ter promovido catorze entradas à Serra das Esmeraldas, pelo Rio Doce. Faleceu na Bahia, a 24 de dezembro de 1686. Era homem de grande reputação na época, louvado pelos intelectuais, tanto que o padre Simão de Vasconcelos, em 1672, dedica-lhe a Vida do Venerável Padre Anchieta.

Manuel Garcia Pimentel não veio para a Capitania, ficando a mesma governada pelo capitão-mor João Velasco Molina, um dos primeiros povoadores dos sertões espírito-santenses. Em alvará de 18 de agosto de 1716, obteve uma légua de largo e três de comprimento, para os lados do rio Jucu. Falecida essa autoridade, em 1711, sem deixar descendentes, a Capitania tornou-se devoluta, razão por que Sua Majestade, em carta régia de 19 do mesmo ano, ordenou ao governador da Bahia, Pedro Vasconcelos, que a seqüestrasse, incorporando-a aos bens reais. A ordem foi executada a 15 de outubro de 1712. Acontece que a sentença da Relação da Bahia reconheceu o direito de Cosme Rolim de Moura, por ser este primo e cunhado de Manuel Garcia Pimentel. Cosme Rolim não veio para o Espírito Santo, vendendo a capitania à Coroa Portuguesa, por quarenta mil cruzados, sendo a escritura lavrada a 6 de abril de 1718.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novemnbro/2017

Bairros e Ruas

Largo Padre Inácio (desaparecido) – Por Elmo Elton

Largo Padre Inácio (desaparecido) – Por Elmo Elton

Área fronteira ao Colégio dos Jesuítas, hoje Palácio Anchieta. Chamou-se também dos Correios

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Vila Rubim

A Cidade de palha, sítio do Dr. Leopoldo Cunha, era composta de casas de sapé. Talvez a primeira favela de Vitória

Ver Artigo
Rua 23 de Maio

Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães

Ver Artigo
Rua Cais de São Francisco (ex-cais de São Francisco)

Quem passa hoje, pela rua Cais de São Francisco, fica intrigado com esta denominação. Ora, por que tal nome, se não há ali cais algum?

Ver Artigo
Rua Sete de Setembro (ex-rua da Várzea)

Partia da Prainha (largo da Conceição) e terminava na rua da Capelinha (atual Coronel Monjardim), hoje se alongando até a Fonte Grande

Ver Artigo
Rua Wilson Freitas (ex-ladeira Pernambuco)

Tem início na rua do Rosário. A antiga ladeira, que ganhou calçamento no governo de Florentino Avidos, servia de acesso aos terrenos da Capixaba, antes da total urbanização dessa área

Ver Artigo