Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rua Graciano Neves (ex-rua do Reguinho)

Graciano Neves

Descia por essa artéria uma vala, formada por água da Fonte Grande, daí a denominação de Rua do Reguinho. A atual 7 de Setembro nunca foi chamada de Reguinho, conforme querem alguns, já que conhecida sempre, até 1922, como Rua da Várzea.

A canalização das águas da Fonte Grande teve início a 21 de março de 1899, sendo que o decreto n° 61, de 24 do mesmo mês, declarava de utilidade pública a desapropriação das matas que circundavam os mananciais da Fonte Grande, Lapa e Capixaba.

A Graciano Neves tomou seu traçado atual, depois de desapropriadas, no governo de Florentino Avidos, as chácaras do Vintém e Mulundum, em cujos terrenos se abriram novas ruas, todas tendo começo nessa artéria.

Com o incêndio ocorrido, em 1912, no Posto Policial, na rua Duque de Caxias, quando morreram quatro detentos, visto que o carcereiro não pôde abrir as prisões, além de uma senhora, esposa do proprietário da loja, que funcionava no andar térreo, o Posto, já agora transformado em Delegacia de Polícia, se instalou na Graciano Neves, em prédio dando frente para a ladeira de São Bento.

O patrono da artéria, Graciano dos Santos Neves, nasceu em São Mateus, ES, a 12 de junho de 1868. Formou-se médico pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1889. Político, fez parte da Junta Governativa do Estado em 1891. Foi eleito presidente do Estado em 1896, cargo a que renunciou no ano seguinte. Publicou, entre demais trabalhos. A doutrina do engrossamento, tratado irônico da bajulação (1a edição, Laemmart, Rio, 1901; 2a edição, Flores & Mano, Rio, 1935, com prefácio de Madeira de Freitas; 3a edição. Artenova, Rio, 1978). Faleceu em 1922.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2017

Bairros e Ruas

Rua Santos Pinto – Por Elmo Elton

Rua Santos Pinto – Por Elmo Elton

Rua Santos Pinto, essa artéria, desaparecida quando da abertura da Rua Nestor Gomes, situava-se onde se construiu o jardim fronteiro à Praça João Clímaco

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praça João Clímaco (ex-praça Afonso Brás) – Por Elmo Elton

Em 1910, Jerônimo Monteiro, quando o logradouro tinha o terreno inclinado, para aplainá-lo, construiu-se um muro de arrimo, coroado por balaustrada, fronteiro à atual Rua Nestor Gomes

Ver Artigo
Como nasceu a Vitória – Por Areobaldo Lellis

Circundada por montanhas desabitadas, os seus extremos eram ligados, a partir das Pedreiras, hoje Barão Monjardim

Ver Artigo
Rua 13 de Maio (ex-rua do Piolho) – Por Elmo Elton

Esse caminho, sinuoso passou a ser a Rua do Piolho, que, já neste século, trocaria de nome para rua Treze de Maio

Ver Artigo
Rua 23 de Maio

Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães

Ver Artigo
Ponta da Fruta – Por Edward Athayde D’Alcântara

Até os anos 40 era pequena e conhecida ainda como vila de pescadores e era considerada área rural do município

Ver Artigo