Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rua Graciano Neves (ex-rua do Reguinho)

Graciano Neves

Descia por essa artéria uma vala, formada por água da Fonte Grande, daí a denominação de Rua do Reguinho. A atual 7 de Setembro nunca foi chamada de Reguinho, conforme querem alguns, já que conhecida sempre, até 1922, como Rua da Várzea.

A canalização das águas da Fonte Grande teve início a 21 de março de 1899, sendo que o decreto n° 61, de 24 do mesmo mês, declarava de utilidade pública a desapropriação das matas que circundavam os mananciais da Fonte Grande, Lapa e Capixaba.

A Graciano Neves tomou seu traçado atual, depois de desapropriadas, no governo de Florentino Avidos, as chácaras do Vintém e Mulundum, em cujos terrenos se abriram novas ruas, todas tendo começo nessa artéria.

Com o incêndio ocorrido, em 1912, no Posto Policial, na rua Duque de Caxias, quando morreram quatro detentos, visto que o carcereiro não pôde abrir as prisões, além de uma senhora, esposa do proprietário da loja, que funcionava no andar térreo, o Posto, já agora transformado em Delegacia de Polícia, se instalou na Graciano Neves, em prédio dando frente para a ladeira de São Bento.

O patrono da artéria, Graciano dos Santos Neves, nasceu em São Mateus, ES, a 12 de junho de 1868. Formou-se médico pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1889. Político, fez parte da Junta Governativa do Estado em 1891. Foi eleito presidente do Estado em 1896, cargo a que renunciou no ano seguinte. Publicou, entre demais trabalhos. A doutrina do engrossamento, tratado irônico da bajulação (1a edição, Laemmart, Rio, 1901; 2a edição, Flores & Mano, Rio, 1935, com prefácio de Madeira de Freitas; 3a edição. Artenova, Rio, 1978). Faleceu em 1922.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2017

Bairros e Ruas

Rua da Alfândega  (ex-travessa do Ouvidor)

Rua da Alfândega (ex-travessa do Ouvidor)

Foi sempre movimentada, tendo ali funcionado, por muito tempo, o popular Restaurante Barão, onde se serviam as melhores moquecas de Vitória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ponte da Fruta – Por Edward Athayde D’Alcântara

Até os anos 40 era pequena e conhecida ainda como vila de pescadores e era considerada área rural do município

Ver Artigo
Cercadinho – Por Edward Athayde D’Alcântara

Ao arredor, encosta do Morro Jaburuna (morro da caixa d’água), ficava o Cercadinho

Ver Artigo
Bairro Glória – Por Edward Athayde D’Alcântara

O Bairro Glória era conhecido como “A Fábrica” por ter ali recebido a transferência da fábrica de bombons Garoto

Ver Artigo
A História da Praia do Suá - Por José Carlos Mattedi

A Praia do Suá era lugar de muita areia, água, lama e mosquito. A antiga vila tinha casinhas de estuque, construídas à beira mar, cobertas com palha ou zinco

Ver Artigo
O Suá hoje - José Carlos Mattedi

Há, ainda, outros endereços de peso na região, como o Terminal de Pesca Alvarenga, que centraliza a atividade pesqueira

Ver Artigo