Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rua Marcelino Duarte – Por Elmo Elton

Galeria do Ed. Palácio do Café e loja Elmo, localizadas a frente da Rua Marcelino Duarte, anos 70

Começa onde antes funcionou o Eden-Parque. sendo mais conhecida como rua do Teatro Glória, estendendo-se até a Barão de Itapemirim, sendo cortada ao meio pela avenida Jerônimo Monteiro. Das casas comerciais de que dispunha esta artéria citam-se a Casa Madame Prado, de modas, o Café Avenida, a Casa Busato, de móveis, também o Clube de Regatas Álvares Cabral, todos dando frente para a Praça Costa Pereira, tendo existido, em dependência térrea do Teatro Glória, o Café Glória, sempre muito procurado, embora sem cadeiras para os freqüentadores, novidade na época.

A artéria surgiu com a abertura da Avenida Capixaba, em decorrência da demolição dos prédios que formavam a Rua Pereira Pinto. (Pereira Pinto tem seu nome batizando outra artéria da cidade, nos terrenos da antiga Chácara do Moniz.)

O patrono, Marcelino Pinto Ribeiro Duarte, foi, na opinião de Afonso Cláudio. "o primeiro e mais notável dos poetas espírito-santenses, no decurso da primeira metade do século XIX". Nasceu na vila da Serra (ES), a 18 de junho de 1788, falecendo em Niterói (RJ), a 7 de junho de 1860.

Ordenou-se padre, sem ter nenhuma vocação para o exercício religioso, conforme bem o comprovam as suas atitudes, ao longo da vida. Deixou o Espírito Santo, por questões políticas, já que inimigo ferrenho do governador Francisco Alberto Rubim, a quem satirizou, difamando-o sempre. O Imperador Pedro II agraciou-o com o grau de cavaleiro das Ordens de Cristo e da Rosa e, quando de seu falecimento, a municipalidade de Niterói deu-lhe o nome a uma das ruas dessa cidade. Patrono da cadeira n° 1 da Academia Espírito-santense de Letras.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2017

Bairros e Ruas

Rua Thiers Veloso (ex-rua da Lapa)

Rua Thiers Veloso (ex-rua da Lapa)

Quando conheci a antiga rua da Lapa já a mesma se chamava Thiers Veloso. Não tinha, porém, o aspecto de hoje, era estreita, com várias construções fora do alinhamento 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praça D. Luiz Scortegagna (ex-largo da Matriz) – Por Elmo Elton

O largo da Matriz não tinha calçamento, era de chão batido. Desaparecidas as ruas 2 de Dezembro e Domingos Martins, a área, antes exígua, se ampliou 

Ver Artigo
Primeiros moradores do Farol de Santa Luzia

Os primeiros moradores da região do Farol de Santa Luzia, na Praia da Costa, Vila Velha, foram...

Ver Artigo
Rua Dois de Dezembro (ex-rua do Beco) – Por Elmo Elton

Tinha começo em frente à Loja Maçônica Ordem e Progresso, onde se construíra um chafariz, e terminava no largo da Matriz, quase paralela à José Marcelino

Ver Artigo
Rua Cristóvão Colombo (desaparecida) – Por Elmo Elton

Da antiga Cristóvão Colombo resta um trechinho de nada, ao lado da Barão de Monjardim, sendo que uma escadaria, ao término da extinta rua, tem, agora, o nome do descobridor. A escadaria, estreita, em rampa íngreme, dá subida para o morro do Vigia

Ver Artigo
Movimento que desenha a cidade – Jardim da Penha

Desse modo, são menos comuns os movimentos urbanos que refletem sobre a qualidade da paisagem urbana, o desenho, o volume das construções

Ver Artigo