Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rua Solo de Castro (ex-rua da Imprensa) – Por Elmo Elton

Rua Sólon de Castro, beco entrando a direita na foto - Fonte: Google Street View, 2012

Chamou-se, primitivamente, Rua do Colégio, situa-se ao fundo do Palácio Anchieta, ligando a Rua Francisco Araújo à Duarte Carneiro. Quando das instalações da Imprensa Oficial no Palácio, na área antes ocupada pela igreja de São Tiago, onde fora sepultado o padre José de Anchieta, em 1597, a artéria passou a se chamar da Imprensa, residindo aí, no começo do século, a família de Ricardo Pereira de Faria, em casa cuja construção datava da ultima década do século passado. Tinha fachada dando frente para a Rua Francisco Araújo, com três janelões, as sacadas com grades de ferro batido, possuía jardim, murado, com plantas que já não vejo nos canteiros de agora, magnólias, jasmins do Pará (estrelas), pés de murta, roseiras, além de árvores, frutíferas. Esse imóvel foi desapropriado no governo do capitão João Punaro Bley, e demolido quando governador o Dr. Jones dos Santos Neves construindo-se, no local, a sede da Legião Brasileira de Assistência, inaugurada, em 1952, com a presença de Dona Darcy Vargas, fundadora da benemérita entidade. Até a construção da sede da LBA, a rua tinha terreno elevado, tanto que, para alcançá-la pela Francisco Araújo, teria que se subir uma escada de dez a quinze degraus, o calçamento pé-de-moleque.

A rua assistiu a dois incêndios: — o primeiro, a 28 de setembro de 1796, quando o fogo destruiu os altares da igreja de São Tiago, e o segundo em 1938, quando, no mesmo local, onde antes existira o templo, as labaredas, devoraram todos os documentos das secretarias de Estado ali instaladas, — incêndio a que assisti de perto, já que morando vizinho ao Palácio.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2017

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praça João Clímaco (ex-praça Afonso Brás) – Por Elmo Elton

Em 1910, Jerônimo Monteiro, quando o logradouro tinha o terreno inclinado, para aplainá-lo, construiu-se um muro de arrimo, coroado por balaustrada, fronteiro à atual Rua Nestor Gomes

Ver Artigo
Como nasceu a Vitória – Por Areobaldo Lellis

Circundada por montanhas desabitadas, os seus extremos eram ligados, a partir das Pedreiras, hoje Barão Monjardim

Ver Artigo
Rua 13 de Maio (ex-rua do Piolho) – Por Elmo Elton

Esse caminho, sinuoso passou a ser a Rua do Piolho, que, já neste século, trocaria de nome para rua Treze de Maio

Ver Artigo
Rua 23 de Maio

Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães

Ver Artigo
Ponta da Fruta – Por Edward Athayde D’Alcântara

Até os anos 40 era pequena e conhecida ainda como vila de pescadores e era considerada área rural do município

Ver Artigo