Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rumo ao Forno Grande

Parque de Forno Grande - Foto: Messias de Barros

Com protetor solar, algumas frutas, barra de cereal, sanduíches e água na mochila, vá rumo ao Parque Estadual de Forno Grande, em Castelo, seguindo pela BR 206, no limite entre os municípios de Domingos Marins e Venda Nova do Imigrante, entrando à esquerda, seguindo pela estrada da terra do tomate, são 25 quilômetros até oo local.

Os primeiros 9 quilômetros são asfaltados, mas depois da Igreja Nossa Senhora do Bom Parto, em Alto Caxixe, começa a aventura, pois o percurso é de terra batida, ou melhor, de terra esburacada pela ação das chuvas. O desconforto sobre quatro rodas é recompensado pela paisagem, que margeia a estrada assim que se chega ao patrimônio natural.

De câmera na mão, não há como resistir e não clicar as belezas dos paredões, da Pedra Azul, que ficaram para trás, e das montanhas de Mata Atlântica. Por entre sítios e fazendas, está incrustado o parque, que preserva a fauna e flora local. Tem relevo montanhoso, que varia de 1.200 a 2.039 metros, culminando no Pico de Forno Grande, que recebeu esse nome devido à semelhança com um forno de assar pães.

Chegando ao portal do parque, um funcionário educadamente recepciona os visitantes. Voltando o olhar para trás, podemos contemplar, como um quadro ao longe, a majestosa Pedra Azul, impossível não registrar o cenário com uma máquina fotográfica. A visão é espetacular!

O local, que é mantido pelo Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IEMA), possui um ponto de apoio ao visitante com auditório, coleções de fauna e flora, sanitários, água potável, sistemas de trilhas e mapas para pesquisadores.

Vai fazer o passeio completo pelas trilhas? Então, abuse do protetor solar e coloque roupa de banho, pois no caminho você encontrará os poços amarelos, que ficam a cerca de 1300 metros de altitude.

São piscinas naturais de água amareladas devido à quantidade de ferro existente na composição. Tempo para o banho. Conquiste o guia e não saia antes dos 30 minutos, pois é hora de relaxar e fazer um lanchinho básico com sanduíches leves, frutas, barras de cereal e água, que ajudam a repor as energias para completar o passeio até o mirante, que fica a 1500 metros de altitude do nível do mar, o que equivale a 1.800 metros de caminhada.

Chegando ao ponto máximo, avista-se a Pedra Azul, o Pico da Bandeira, o Parque de Itabira e a Pedra do Frade e a Freira. O percurso de ida e volta dura em média de 3h30 e 4 horas. Os passeios devem ser agendados pelo telefone (27) 3248-1156 ou pelo site (www.iema.es.gov.br). Os horários de saídas são às 9h e às 13h30. Aventure-se pela estrada, chegue ao parque e aproveite o que a natureza nos deu.

 

Fonte: Messias de Barros – escritor e fotógrafo.
Publicado em A Gazeta (8/04/2009).

Matérias Especiais

Dia do Livro Infantil

Dia do Livro Infantil

O Dia Nacional do Livro Infantil é comemorado em 18 de abril porque foi nessa data, no ano de 1882, que nasceu Monteiro Lobato, criador da literatura infantil no Brasil. São dele as obras Reinações de Narizinho, Emília no país da gramática, O saci, Viagem ao céu. Nesses e em outros livros, as conhecidas e queridas personagens do Sítio do Picapau Amarelo...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Madrugada Chuvosa – Por Areobaldo Lellis Horta

Falava-se, à boca pequena, haver o comandante do 3° Batalhão de Infantaria, recebido ordem para depor o presidente do Estado e ocupar o Palácio

Ver Artigo
Quantas montanhas...

E lá fui eu, abraçada ao meu “Reino das Palavras”, instalar o meu reino literário na cidade de Pancas, a 180 quilômetros de Vitória

Ver Artigo
Abastecimento de água em Vitória – Por Areobaldo Lellis Horta

Além desse chafariz, existiam ainda os do Largo de Santa Luzia, em frente ao atual Ginásio São Vicente

Ver Artigo
A Limpeza Pública e a Domiciliar – Por Areobaldo Lellis Horta

Os quibungos (“tigres”), eram lançados ao mar, nos vários cais, às caladas da noite, quando adormecida a cidade

Ver Artigo
Britz - Por Milson Henriques

De qualquer modo vamos ao agradável labor de rememorar os que eu freqüentava, lembrando que havia também as boates Buteko, Cave, Aux Chandelles, Porão 214,...

Ver Artigo