Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Saque do Convento da Penha pelos holandeses

Capela Convento Foto - Edson Quintaes

Era ainda Superior do Santuário da Penha e trabalhava ativamente em levar por diante a construção do Convento o Irmão leigo Frei Francisco da Madre de Deus, quando o Santuário foi saqueado pelos holandeses, que desde longos anos infestavam as costas do Brasil e conseguiram estabelecer-se no norte do país. Na sua última investida contra o Espírito Santo, em 1653, deu-se a pilhagem sacrílega do Santuário da Penha, que vamos narrar segundo Jaboatão.

Andavam os holandeses pelas costas do sul, guiados por um português. Por este foram avisados que no Santuário havia muitas preciosidades, em ouro, prata e ornamentos. Foi o que atiçou a cobiça dos hereges.

Certa madrugada, estando Frei Francisco da Madre de Deus em devota oração diante do altar da Senhora e com as portas do Santuário abertas, os soldados invadiram todo o terreno. Alguns Religiosos fugiram, outros foram presos junto com oito escravos. Frei Francisco ficara imóvel, embora ouvisse o estrondo das armas. Aproximando-se os inimigos, roubaram todas as preciosidades da sacristia e do altar, sem entretanto, molestar o devoto Religioso. Quando, porém, tentaram tirar a coroa e manto da Imagem, levantou-se, pedindo que não cometessem a profanação, que ele mesmo os tiraria. E assim fez, entregando a coroa e manto aos soldados, com muitas lágrimas e sentimento de seu coração. Contra a força não há resistência.

Um dos holandeses tentou tirar o anel precioso do dedo de Nossa Senhora, mas não o conseguiu, como tão pouco cortar o dedo e a própria mão. Teve de desistir. O português, porém, atreveu-se a apossar-se do Menino Deus. Contra isto protestou Frei Francisco, dizendo que o deixasse ou levasse também a ele. Ao que o malvado retorquiu que levaria o Menino para Recife, para brincar com outro que lá tinha, e com ar de mofa acrescentou que o frade podia ficar para acabar a obra de construção, pois tudo estava muito bonito. A isto tornou o Religioso: Vai-te embora e lá verás os brincos que te hão de custar caro; e este será o último atrevimento dos teus companheiros no Brasil, porque só isto faltava por teus pecados para castigo teu e dos mais.

Os holandeses partiram, carregando todas as preciosidades e os escravos; os Religiosos, porém, deixaram livres. Dirigiram-se em seguida a Cabo Frio, onde tentaram abastecer-se de gado, que estava na praia. Mas nisso foram impedidos pelos índios e alguns deles mortos. Fugiram então com toda a pressa. Poucos dias depois de chegarem ao Recife, foi restaurada a praça (27 de janeiro de 1654) e com isto acabou o domínio dos holandeses no Brasil.

Na entrega da praça esteve presente o Custódio Frei Daniel de S. Francisco. Foram-lhe restituídos os escravos e no mesmo ano levou-os para a Penha, junto com outras alfaias, ornamentos e esmolas com que recuperou o perdido.

 

Fonte: O Convento de N. Senhora da Penha do Espírito Santo, ano 1965
Autor 1: Frei Basílio Rower
Autor 2: Frei Alfredo W. Setaro
Compilação: Walter der Aguiar Filho, março/2015

Convento da Penha

A Origem do Culto de Nossa Senhora da Penha

A Origem do Culto de Nossa Senhora da Penha

Do livro O RELICÁRIO DE UM POVO – Santuário de Nossa Senhora da Penha (1958, 2ª Edição), da autora Maria Stella de Novaes

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Saque Holandês – Por Norbertino Bahiense

Conta ainda Frei Basílio, citando Jaboatão, que "um dos holandeses tentou tirar o anel precioso do dedo de Nossa Senhora

Ver Artigo
Fonte Milagrosa do Convento da Penha

Localizada no terraço inferior do Convento de Nossa Senhora da Penha

Ver Artigo
O Convento da Penha – Por Maria Stella de Novaes

Peregrino, contempla o augusto monumento  da terra capixaba. Ali, vive a rezar, em hosanas de glória, ou rudez do tormento, o coração de um povo!

Ver Artigo
Visão dos Holandeses (Poesia) - Por Orminda Escobar Gomes

De além se divisava a linda capelinha, /Erguida sobre a rocha. Esplêndida moldura /O céu azul turquesa... Excêntrica, a estrutura /Do monte-matagal a florescer... Na linha

Ver Artigo
Radiosa - Por Orminda Escobar Gomes

Vitória, és joia rara! /Realças entre as demais! /Teus campos e tuas praias, /Tão lindas, não têm rivais!

Ver Artigo