Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Semana Santa – Por Edward Athayde D’Alcântara

Igreja do Rosário, 2017 - Foto: Monica Boiteux

Domingo de Ramos. Início da Semana Santa. Vila Velha se prepara em abstinência, com orações durante as cerimônias da Páscoa: Lava-pés, Trevas, Aleluia e Ressurreição. Em volta da Igreja do Rosário os fiéis com ramos comemoram a chegada de Jesus a Jerusalém.

Quarta- Feira, o Lava e Beija-pés. Um grupo de doze meninos nervosos, inclusive eu, à espera da cerimônia. Enquanto esperam, os meninos a todo instante examinam se os pés estão limpos, alguns trazem folhas de alecrim para esfregar nos dedos dos pés.

Quinta- Feira, saem da Igreja do Rosário, em procissão, as Filhas de Maria conduzindo o andor de Nossa Senhora das Dores. Deixando livre o centro da rua, vão em frente seguidas pelas irmandades do Sagrado Coração de Jesus e de Nossa Senhora do Rosário.

Em outro sentido segue a procissão dos homens carregando o andor de Nosso Senhor dos Passos, em formação idêntica às das mulheres.

Completando o roteiro pré-estabelecido, as duas procissões retornam e se encontram no adro da Igreja. O padre Barros, em prédicas emocionantes, provoca o choro em muitos fiéis.

Sexta-feira da Paixão, procissão do Senhor Morto. A Verônica e as Três Maria, seguem à frente do cortejo fúnebre e no final do mesmo a banda do 3º BC executa músicas fúnebres. Uma grande emoção invade o coração dos fiéis.

Neste dia se guardava o luto na residência dos católicos. Havia família que nem varria a casa e tudo era silêncio. O pai avisava: “Olha! Todo mundo bem comportado porque vamos respeitar a Paixão de Cristo”. Se houvesse desobediência o castigo seria dado no sábado após a Aleluia. As crianças respeitavam e não lembro se algum dia nossos pais realizaram tal castigo prometido.

Sábado de Aleluia. O povo está triste e as crianças querem malhar o Judas, o traidor! Como demorava dar dez horas! Armados de paus e cabos de vassouras esperam o repicar do sino da Penha. Dá a hora, alguém sobe no poste e retira o Judas e põe fogo; as pauladas começam e um dos meninos sai correndo pela rua arrastando o Judas e os outros acompanhando, batendo até destroçá-lo.

 

Fonte: Memória do Menino...e de sua Velha Vila, 2014
Autor: Edward Athayde D’Alcântara
Produção: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2020

Variedades

Fontes e Epidemias - Período Provincial no ES

Fontes e Epidemias - Período Provincial no ES

De Vitória, a situação era puramente lastimável. Verdadeira contradição à frase bombástica de Lord Disraeli, quando disse no parlamento inglês: “Saúde pública é o fundamento sobre o qual repousam a felicidade do povo e o poder do Estado”

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Último Dia – Por Betty Feliz

Fomos passear na Lanchonete Sete e copiar alguns modelos do verão nas vitrinas da Doll Sport, que era o must da moda capixaba em 1968 

Ver Artigo
Nascida em 23 de maio - Por Terê Thomazini

Dia 23 de maio de 1970 foi meu nascimento aqui na cidade de Vila Velha. Na verdade dez anos antes, na cidade de São Gabriel da Palha Dona Lacy Thomazini dava a luz a uma menina que seria a primeira dos seus seis filhos

Ver Artigo
O Titânio na Costa do Espírito Santo – Por Archimimo Mattos

Os depósitos litorâneos de Benevente, Guarapari, Itapemirim  são de fácil exploração comercial, como, aliás, já foi feito com as areias monazíticas

Ver Artigo
A origem do nome Morro da Manteigueira

A Casa da Manteigueira, um antigo solar que tinha fama de ser assombrado pelos espíritos de dois amantes...

Ver Artigo
Sítio da Família Batalha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Constituído de uma pequena gleba de terras de um pouco mais de três alqueires e meio (173.400,00 m²), fica localizado às margens do Rio da Costa

Ver Artigo