Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Sempre Sonhador, Sempre Feliz

Capa do Livro: Era uma Vez... Hermógenes Lima Fonseca Um Anjo bom que passou por aqui, 1997

Minha convivência com ele foi ótima. Tinha uma filosofia e experiência de vida muito boa. Era humano. Foi um espírito de luz em minha vida que, aliás, Deus colocou no meu caminho e tirou, mas estou feliz e conformada porque ele foi atender o chamado de Deus.

Foi um grande companheiro, o amigo de fé, entre nós não havia segredo, desconfiança ou hipocrisia. Amigo das horas certas e incertas, gostava de ler e escrever à noite. Dizia que, à noite, vinha tudo em sua mente. Às vezes ficava deitado, quietinho, imóvel, e eu perguntava: Crioulo, está sentindo alguma coisa? Ele respondia: Não estou dentro de mim.

Era quando eu sabia que estava querendo escrever, ele tinha muita sensibilidade, principalmente com suas poesias. Gostava muito de ler o livro Civilização e Cultura, do Luiz Câmara Cascudo. Lia e relia várias vezes.

Sua maior felicidade era quando seu sobrinho, "Dom Ivo" (assim ele o chamava), chegava aqui em casa. Ficava horas e horas conversando e tomando cafezinho com beijú, e dividindo o cigarrinho para fumar menos, porque o médico tinha proibido.

Outra felicidade maior ainda era quando Rogério Medeiros chegava aqui em casa. Do portão ele gritava: Príncipe vamos para Itaúnas! Ele ria e chorava ao mesmo tempo, cheio de alegria e felicidade. O carinho por ele era muito grande. Amigo, irmão e compadre. Adorava Apoena, Bete e os seus.

Hermógenes tinha uma filha adotiva, Laura Maria da Silva, por quem tinha muita ternura. Ela não gostava, ficava irritada quando alguém falava mal dele ou o usava.

Era um homem cheio de sonhos voltados para Conceição da Barra, da qual idealizava fazer um dia uma cidade-jardim, bonita e perfumada pelos jasmins. Um sonho.

Certo dia recebeu convite para trabalhar no Sindicato dos Ferroviários (Vitória), precisava ganhar dinheiro para nossa sobrevivência, porque em Conceição da Barra não estava bom, e mudamos para Vila Velha. Assim quis o destino, para ele foi um sofrimento, ficou triste e deprimido, o que ele queria mesmo era não ter saído da Barra. E trabalhou no Sindicato durante cinco anos. Um dia ele disse: Minha Nossa Senhora, eu não posso ficar aqui respirando este ar. Vou largar essa joça e voltar p'ra Conceição da Barra, onde meu povo precisa de mim. Quero sentir o cheiro das flores dos cajueiros, mangueiras, pitangueiras e cambucás. Disse ainda: Denize, minha querida, se eu lhe pedir uma coisa você faz? Eu não quero atrapalhar sua vida, sei que está trabalhando e fazendo curso no SESI. E com uma carinha de menino pidão, falou: Volta comigo p'ra Conceição da Barra? Respondi: Sim, crioulo, é claro que volto correndo, estarei sempre a seu lado, conte comigo sempre.

Voltou e chegou cheio de sonhos, em 1989, na gestão do prefeito Humberto Serra, para fazer a "Casa d Memória Barrense", estrada de ferro Barra-Itaúnas, levando turistas para um passeio ecológico. Queria também fazer uma chalana para passear com turistas no rio Cricaré, do Pontal do Sul até Barreiras e Meleiras. Nada, porém, se realizou. Começou aí sua tristeza, a de ver seu sonhos irem por água abaixo.

Grande defensor da ecologia, queria também criar a "Brigada Ecológica" com meninos do lugar, no objetivo de proteger a natureza de qualquer depredação, sentimento que defendia com todas as suas forças. Amante dos pássaros preocupava-se em colocar arroz cozido em cima do muro para eles comerem. Ficava horas e horas sentado em sua cadeira de balanço, na varanda, olhando do os pássaros na papouleira, na aroeira, e dizia: Isso aqui é um paraíso, é uma delícia, não tem dinheiro que pague essa gostosura. Apaixonado pela cultura popular, Pastorinhas, Alardo, Reis-de-Boi, Jongo, Ticumbi do Bongado, falava do Baile de Congo de São Benedito com seu orgulho maior. Falava com o mestre Tertolino Balbino, 'seo' Terto, homem de fibra que não vai deixar a brincadeira acabar.

Fazia Hermógenes um apelo, o de que o folclore, a cultura popular, o artesanato local, não se acabem, que fiquem vivos em Conceição da Barra e em todo o Espírito Santo, passando de geração a geração. Este é meu maior desejo, minha vontade — dizia.

Ele não tinha inimigos, só amigos. Tinha um coração de todo tamanho, adorava conversar com os crioulos de Sant'Ana. Sentia-se realizado quando sentava-se à porta de Sinhá Miúda e Tem Remédio para contar e ouvir estórias e "causos". Eu como sua companheira, posso dizer que ele se dava com todas as pessoas, velhos, jovens, crianças, tinha assunto para cada um. E o que restou de nossa convivência foram muito boas lembranças, recordações felizes e saudades, que guardo para o resto de minha vida.

 

Fonte: Era uma Vez... Hermógenes Lima Fonseca Um Anjo bom que passou por aqui, 1997
Autor: Adelice Machado Pereira
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2014

Escritores Capixabas

Movimentos Religiosos ou Caritas Nunquam Excedit

Movimentos Religiosos ou Caritas Nunquam Excedit

Algum tempo atrás fiz amizade com um velho professor, que terminou seus dias em confortável casa na Praia da Costa assistido por familiares

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As Associações ou fac et spera – Por Fernando Achiamé

O Lions e as domadoras. 'Está para o Rotary como a Pepsi para a Coca-Cola'

Ver Artigo
Os outros todos ou et coetera ou sursum corda – Por Fernando Achiamé

Na Seção de Obras Raras da Biblioteca Pública Estadual foram localizadas quatro pastas com recortes de jornais de Vitória e alguns do Rio de Janeiro contendo notícias da cidade referentes às décadas de 30 a 60

Ver Artigo
Os movimentos comunitários ou honi soit qui mal y pense – Por Fernando Achiamé

Em destaque estão a Associação de Moradores da Ilha de Santa Maria e Monte Belo e a Associação de Moradores da Praia do Canto. Escreve sobre os fatores do aparecimento destas associações

Ver Artigo
Movimento Sindical – Por Fernando Achiamé

Naquela época ficavam encostados junto dos armazéns do porto pelo lado da avenida Getúlio Vargas vários canos de ferro muito grossos que estavam sendo enterrados para aumentar o volume do abastecimento d'água de Vitória

Ver Artigo