Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Subsídios para entender o capixaba – Por Miguel A. Kill

O capixaba é alegre. Não, é triste. Nada disso: é tímido, reservado. Admira o carioca, mas no fundo é parecido com o mineiro, os europeus... Há muitas versões sobre o tipo nativo do Espírito Santo. Poucas foram colocadas no papel. Aqui estão três visões diferentes, algumas já antigas, sobre quem é ou terá sido o capixaba. Discordâncias à parte, não há dúvida de que ele existe e está mais vivo do que nunca.

Miguel A. Kill é natural de Domingos Martins, tem 48 anos, é professor de Prática de Ensino de Geografia da Ufes, Mestre em Educação, autor de livros didáticos sobre o Estado e membro do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo

Caracterizar uma pessoa é difícil. Muito mais é caracterizar a população de um Estado, principalmente sem se valer de uma boa pesquisa. Mas, contando apenas com a vivência e com a observação, quem pode negar que o capixaba, de um modo geral, urbano ou rural, não é, em boa parte, reservado, meio tímido, observador, hospitaleiro, mas meio desconfiado, ligado à família, meio tranqüilo, mas trabalhador, voltado para um futuro melhor?

Etnicamente, porém, não há dúvidas. Assim como o brasileiro, é resultado de uma mistura de raças (branca + negra + amarela). Uma boa e feliz mistura. Vemos como foi surgindo o capixaba de hoje e se há como fundamentar parte do seu perfil.

O Espírito Santo, desde o século XVI, teve uma pequena população, em uma área também pequena. O português colonizador, descendentes e a população escrava permaneceram no litoral por quase 300 anos.

Os mineiros, no século XVIII, começaram a descer para o Espírito Santo, através da bacia do rio Itapemirim e até meados do século XX ocuparam todo o Oeste do Estado, até a bacia do São Mateus, no Norte. No Sul, chegaram para cultivar café, principalmente. Aquele que "trabalha em silêncio" foi o que mais povoou o Oeste capixaba, mas sem deixar de ser mineiro, pois foi para terras despovoadas. Fluminenses e paulistas, em pequeno número, também no século XVIII, dirigiram-se para o Sul, para a bacia do Itabapoana. A população negra, escrava, no Sul, em 1856, chegava a 1659 pessoas. Em 1876, chegava a mais de 11000. Sua descendência é bem visível, hoje.

Os imigrantes europeus, principalmente italianos e alemães, chegaram na 2ª metade do século passado. Mais do que os mineiros, eram reservados e trabalhadores. Muito religiosos e sistemáticos. Culturalmente muito distintos. Foram verdadeiros heróis ao ocuparem terras cobertas de matas das zonas serranas do Centro e do Sul. Junto com os mineiros, ocuparam o interior do Sul do rio Doce, cultivando principalmente café. Descendentes de ambos, hoje, ocupam todo o interior do Norte do Estado.

Os baianos ocupariam, neste século, mais os municípios do extremo Norte, tanto no interior como no litoral (S. Mateus, Montanha, Mucurici, etc.). Sua influência lá é expressiva. Ao Sul do rio Doce é nula. No Estado, em geral, não houve baianização do capixaba.

Aos poucos, do Norte ao Sul, no século XX, começou a miscigenação entre todos os tipos de elementos vindos para o Estado, dando inicio ao surgimento do verdadeiro e atual capixaba, pois, antes da grande fusão, seus filhos mantinham as características dos pais. Com a mistura, diminuíam as diferenças; aumentavam as semelhanças entre todas as gerações futuras.

O capixaba original e único, até então, era tido como o nascido na Ilha de Vitória, mais de origem portuguesa. Os primeiros a serem assim chamados, segundo a tradição, foram alguns índios pacificados que viviam próximo ao atual Clube Saldanha da Gama, onde possuíam uma pequena plantação de milho e feijão. O local, em uma planta da cidade de Vitória, de 1805, já se chamava "Bairro da Capixaba". Mais tarde o termo se estendeu a todos os nascidos no Estado. Tal nome, tradicionalmente, significa "roça, pequeno estabelecimento agrícola".

O capixaba genuíno, o da Ilha de vitória, logo também, já no final do século passado, começou a receber a presença de migrantes e imigrantes. Quanto mais Vitória crescia, mais aumentava a mistura para surgir o novo capixaba.

Durante todo o processo de "mutação" do capixaba, ele foi vendo seus vizinhos do Sudeste cresceram econômica e populacionalmente de modo rápido, por motivos distintos, principalmente a partir do século XVIII. Enquanto isso, "até poucos dias" (década de 1980), via seu Estado se desenvolver pouco e lentamente, sem expressão política, etc. Inconscientemente, isso sempre o incomodou. Estar rodeado de Estados fortes econômica e politicamente, sem poder medir forças com eles, nunca o agradou. Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo tornaram-se gigantes do lado dele. A capital paulista, logo ali, depois do Rio, recebe mais visitas do capixaba do que Belo Horizonte, muito mais próxima.

Será que isso teria levado o capixaba a se complexar, a se desanimar, a se acomodar ou, inconscientemente, a ter um desejo de lutar, de vencer, de mostrar que também é capaz? Parece que a história mostra que sempre foi um lutador.

Os cariocas sempre influenciaram o capixaba, porém mais pelas idas dele ao Rio do que pela vinda deles ao Estado, a não ser pela televisão. Comenta-se que Vitória e o Sul do Estado sempre foram um subúrbio do Rio. Sempre recebeu mais influência dos cariocas, mineiros e paulistas, inclusive como turistas, atraídos pelas praias. Por isso o capixaba é típico do Sudeste.

O capixaba que mais pode ter se descaracterizado é o da Grande Vitória, com a implantação de grandes indústrias (CST, etc), a partir da década de 1980, recebendo milhares de migrantes de outros Estados. Mas seu crescimento foi mais em função do êxodo rural e da migração oriunda de cidades do interior do próprio Estado. Recebeu mais capixabas, portanto, continua capixaba, ainda... e meio provinciano, como alguns afirmam.

Temos que admitir, finalmente, a poderosa influência da televisão, com a nacionalização do Rio e São Paulo, como um seriíssimo motivo para muitas mudanças no capixaba. Apesar de tudo o que foi exposto, fazendo um balanço geral, será que ainda não podemos dizer que o capixaba continua bastante capixaba? De tudo o que mais teria pesado para a formação do seu modo de ser e viver não teria sido o fato de ter, em 50 a 60%, sangue de imigrantes europeus em suas veias? Mais da metade de uma população de uma mesma origem não pesa? O sangue mineiro não é muito diferente. Dentre todos os elementos misturados, quem prevaleceu não importa, pois as diferenças unidas resultaram numa certa singularidade — o capixaba.

O capixaba tem dificuldade em traçar seu perfil psicossocial pelo fato, talvez, de tanto ter olhado para os outros que o rodeiam, muito mais numerosos, famosos, poderosos e bem sucedidos, que acabou deixando de olhar mais para si mesmo, de se valorizar e de se destacar, apesar de pouco numeroso. O capixaba existe; ainda existe; cada vez mais misturado, como sempre foi e será e sendo influenciado pelos vizinhos. Será absorvido um dia ou os "estrangeiros" serão absorvidos lentamente por ele, através do seu peculiar processo de se tornar capixaba?

 

Fonte: Os Capixabas, A Gazeta 14/12/1992
Autor: Miguel A. Kill
Pesquisa e textos: Abmir Aljeus, Geraldo Hasse e Linda Kogure
Fotos: Valter Monteiro, Tadeu Bianconi e Arquivo AG
Concepção gráfica: Sebastião Vargas
Ilustração: Pater
Edição: Geraldo Hasse e Orlando Eller
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2016

Personalidades Capixabas

Benedito Calixto

Benedito Calixto

Os grandes momentos da história do Convento da Penha foram perpetuados pela arte de Benedito Calixto, considerado um estudioso das tradições capixabas...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

João Punaro Bley

Foi o governante do Espírito Santo que por mais tempo exerceu o poder no Espírito Santo

Ver Artigo
Florentino Avidos

O povo tem qualquer coisa de feminino nas suas opiniões e no seu modo de apreciar uns tantos fatos da vida social. 

Ver Artigo
Arquitetos, Pintores e Artistas – Por Serafim Derenzi

A ausência de arquiteto foi lacuna marcante na reconstrução dos prédios. Poucas fachadas justificam sua presença nas paredes, que arrematam

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Os Primeiros Passos

Jerônimo Monteiro foi um predestinado. Surgiu no horizonte governamental na hora justa de sua maior dificuldade histórica 

Ver Artigo
Surge ao longe a estrela prometida – Jerônimo Monteiro

No Campinho, brejo e mangue, o quartel de Polícia mostrava-se imponente

Ver Artigo