Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Tipos Populares e Tipos Impopulares de Vitória

Otinho e Violão tipos populares de Vitória 1957

É bem verdade que até os tipos mais impopulares são populares. Mas não foi bem a isso que quis me referir. Quero dizer que há párias de suave educação diplomática , que conhecem todo mundo, que se entendem com todos e que com todos arranjam a vida; enquanto que outros há, também, que jamais querem se aproximar de um ser humano e que seu traço de união com a humanidade é uma mão estendida, à espera de um auxílio qualquer.

Há uma imensa coleção de tipos populares em Vitória, que qualquer um pode se aproximar, conversar, saber de suas mágoas e de seus problemas: Oto, Meio-Fio, Odilon, Boião (ou Canguru), Buck (ou Nero), Pau-de-Arara, Violão, Samuel, o agitador, e mais alguns outros que não me ocorrem no momento.

A sociedade noturna, que se espalha pelos raríssimos bares e cafés da cidade, não lhes é hostil. Ao contrário. Chama-os a suas mesas, dá-lhes café, cerveja, pão e dinheiro, ou então para divertir-se, ferra com eles terrível discussão (quase sempre política...). E a noite passa, o tempo passa, todo mundo vai para as suas casas, os tipos, porém, permanecem, esperando a madrugada, rondando os mercados, os olhos pesados de sono, o corpo vergando sob o cansaço até que a exaustão os venha jogar num canto de porta, ou os estire numa calçada ou banco de jardim.

 

 

Texto de Moreira Cacciari
Revista Vida Capichaba, janeiro de 1957
Foto: Pedro Fonseca
Pesquisa e Compilação: Walter de Aguiar Filho, mar/2011

Curiosidades

Linguajar do tropeiro – Por Ormando Moraes

Linguajar do tropeiro – Por Ormando Moraes

Por influência do mineiro, que colonizou grande parte do interior do Espírito Santo, a palavra mais usada por nossos tropeiros em todas as ocasiões, era a interjeição uai

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A guerra do sete dias – Por José Costa

Viajei num raio ao passado e desci no jornal 7 Dias, onde conheci o estoicismo, cada edição era uma história, um desafio, uma prova de obstáculos

Ver Artigo
Folha do Povo – Por José Carlos Fonseca

Falo da Vitória do final dos anos 40 e da década de 50

Ver Artigo
O Cine Cici do Seu Tinininho – Por Átyla de Freitas Lima

A casa onde funcionava o Cine Cici era um salão grande, coberto de zinco, na Rua 23 de Maio 

Ver Artigo
Cimento e Ferro – Por Paulo Vasconcellos

O edifício Gloria e a Casa de Saúde dizem da transição da arte moderna, ainda com influencias de Luiz XVI

Ver Artigo
Russo era o barão da monazita de Guarapari

Um só homem foi acusado de ter faturado milhões de dólares em Guarapari com a extração de areia monazítica praticamente de graça, durante quase 30 anos

Ver Artigo