Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Tratado de Washington

Vale antes e hoje

O aumento vertiginoso das exportações de minério pelo Porto de Vitória, ao final da década de 30, foi patrocinado, basicamente, pelo esforço de guerra dos países aliados (Estados Unidos e Inglaterra) contra os países do eixo ( Alemanha, Itália e Japão) na 2ª Segunda Guerra.

No Brasil, o presidente Getúlio Vargas encampou uma cruzada pelo espírito nacionalista, e com seu esforço de inserir o Brasil no modo de produção industrial, lançou em 1941 a “grande siderúrgica”, criando a Companhia Siderúrgica Nacional.

 

Governo Nacionaliza Itabira ION Company

 

No ano seguinte, nacionalizou a empresa Itabira Iron One Company, administrada pelo empresário norte-americano Percival Farquhar, que controlava as maiores jazidas de minério de ferro no País, localizadas em Minas Gerais.

Antes disso, em 1940, a Companhia Brasileira de Mineração e Siderurgia (CBMS) iniciou o primeiro embarque de minério de ferro. O produto partia da região de Itabira, para o Cais Comercial do Porto de Vitória, com destino a Baltimore, nos Estados Unidos, no navio Modesta.

 

Atalaia

 

Paralelamente a isso, era construído o Cais de Atalaia, em Vila Velha, um terminal voltado especialmente para os embarques de minério e que poderia dar vazão à grande quantidade do produto que precisava ser exportada.

A CBMS foi extinta em 1942 e em seu lugar Vargas criou a Companhia Vale do Rio Doce (CVRD). O controle da ferrovia Vitória-Minas passou para a CVRD e, como se encontrava ultrapassada, os ingleses intermediaram um acordo entre o governo americano e o Brasil, denominado Tratado de Washington, pelo qual os ingleses reconheciam a transferência das minas ao governo brasileiro, no entanto, o destino do minério deveria ser feito à Inglaterra e aos Estados Unidos.

 

Fonte: A GAZETA 31/06/2006 – 100 Anos de Porto de Vitória
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agsoto/2011



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Loren Reno, educador

Loren Reno, educador

Loren Reno veio da outra América como missionário batista para a evangelização do Brasil. Aqui trabalhando, fez-se também educador emérito, e é nesta qualidade que iremos focalizá-lo.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo
Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

A vinte e seis de maio de 1920 começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções 

Ver Artigo
Antônio Athayde e a Colonização do ES

Discurso proferido pelo Dr. Antônio Francisco de Athayde, na noite de 23 de maio de 1935 em Sessão Solene do Instituto Histórico e Geográfico do ES

Ver Artigo