Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Um bacharel morando em Vitória em 1700

Atuação do advogado criminalista no Tribunal do Juri

É interessante recordar que, naqueles dias longínquos, ainda no princípio do século XVIII, Vitória já contava, entre os seus moradores, um bacharel formado pela Universidade de Coimbra. Tratava-se de João Trancoso de Lira, em 1700 nomeado, pelo donatário, ouvidor da capitania.(18)

De 1703 é a provisão concedendo licença a D. João de Noronha “para advogar em todos os juízos da vila de Vitória”.(19)

Basílio Daemon, que fornece tais informações, refere-se também a um bando dispondo sobre indumentária das pretas e pardas,(20) venda de peixe(21) e porte de armas.(22) Outro bando proibia mandar para fora da capitania qualquer gênero de primeira necessidade.(23) Seria o reflexo da espantosa crise de alimentação provocada pela corrida às minas e que flagelou, particularmente, as zonas auríferas do atual Estado de Minas Gerais.

Neste capítulo dos pregões cabe citar, ainda, o que mandava pôr luminárias em regozijo pelo restabelecimento do soberano português,(24) e o que obrigava aos lavradores que tivessem mandiocais viessem todos os sábados trazer farinha à vila da Vitória.(25)

Em breve, a presença dos franceses no Rio de Janeiro viria provocar novos bandos, estes exigindo o comparecimento dos habitantes da capitania “às portas dos seus capitães para o fim de apresentarem aos mesmos as armas, pólvora, balas e dardos que tinham para defesa da mesma Capitania”;(26) “prevenindo os moradores e praças para estarem armados e prontos contra os inimigos do Estado que percorriam as costas do Brasil, assim como para que todos os moradores da vila [da Vitória] se apresentassem com suas armas e viessem consertar as trincheiras e estacadas”.(27)

Leis e providências comuns a quase toda a colônia, cabe o seu registro nestas páginas, a fim de que se saiba ter o Espírito Santo sofrido os mesmos incidentes que afetavam a vida das demais partes do Brasil.

Também aqui, por essa época, existiam mocambos de negros, que obrigaram a grandes esforços para destruí-los.(28)

A notícia vale como prova evidente de que já era considerável a escravatura africana no solo capixaba.

Como temos visto, a situação normal dos habitantes da capitania para com a Fazenda Real era sempre de atraso. Registramos, contudo, cada referência que encontramos sobre a matéria por nos parecer que o valor das dívidas fiscais fala eloqüentemente da condição dos contribuintes.

Em 1705, o donativo do dote de Inglaterra e o de paz de Holanda alcançaram 2:420$000.(29)

O prédio da matriz da Vila Velha exigia obras, mandadas executar pelo bispo do Rio de Janeiro, para o que pedira 200$000 de empréstimo.(30)

 

NOTAS

(18) - DAEMON, Prov. ES, 130.

(19) - DAEMON, Prov. ES, 135.

– Em 1732, Francisco Luís de Andrade, “morador na vila da Vitória”, onde “estava servindo de advogado dos auditórios da dita vila, sendo nomeado pelo capitão-mor dela Silvestre Cirne da Veiga”, obtinha provisão régia para continuar a exercer sua profissão (DH, LXXVII, 345).

(20) - “...qualquer mulher parda ou preta que trouxesse a maneira da saia aberta, mais de dois dedos abaixo do refego [textual, adverte BASÍLIO DAEMON) e também descomposta, pagaria quatro mil réis para as obras da fortaleza, além da pena de seis dias de cadeia; e sendo parda, porém cativa, pela primeira vez duas dúzias de açoites, pela segunda quatro dúzias e pagando o senhor dois mil réis para as ditas obras, e recalcitrando ainda, sendo forra seria degradada por seis meses para fora da vila” (Prov. ES, 133).

(21) - “...qualquer pessoa que, com direito que julgasse ter, fosse às canoas no meio do mar comprar peixe ou atravessá-lo, seria punida com dois mil réis para as obras e vinte dias de cadeia, e sendo soldado, trinta dias de tronco; e todas as canoas do alto, de rede ou tresmalhas, que venham à pedra vender peixe, debaixo da mesma pena e o peixe perdido que se achar será para os frades de São Francisco” (Prov. ES, 133).

(22) - “...ninguém que fosse puxasse pela espada ou a trouxesse nua de noite, nem os pardos cativos andassem na vila com espingardas e armas, que seriam castigados” (Prov. ES, 133).

(23) - DAEMON, Prov. ES, 136.

(24) - “...na sexta-feira dezessete, sábado dezoito e domingo dezenove [de julho de 1705], todos pusessem luminárias, sem exceção de hierarquia, sendo considerado muito leal quem cumprisse o estipulado, e quem o não fizesse condenado a trinta dias de prisão, e 20$000 para as obras da fortaleza” (DAEMON, Prov. ES, 137).

(25) - DAEMON, Prov. ES, 140-1.

(26) - DAEMON, Prov. ES, 142.

(27) - DAEMON, Prov. ES, 143.

(28) - DAEMON, Prov. ES, 143-4; DH, LXX, 68-70 e 75-7.

(29) - O governador geral deu três meses de prazo para o pagamento daquela importância, recomendando ao capitão-mor: “ordeno a Vossa Mercê que na parte que lhe tocar dê logo o calor que lhe fôr possível para que esta execução...” (DH, LXX, 66).

Em 1712, novamente encontramos carta reclamando a contribuição dos donativos (DH, LXX, 122-3).

(30) - “Consulta do Cons Ult sobre a informação do bispo do Rio de Janeiro de ter mandado reedificar a matriz da vila do Espírito Santo e de ter pedido de empréstimo 200$ para as respectivas obras, cujo pagamento solicitava. Lisboa, oito de janeiro de 1709” (ALMEIDA, Inventário, VI, 317).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, agosto/2017

História do ES

Principal transporte em terra, tropa deixa rastro de poesia

Principal transporte em terra, tropa deixa rastro de poesia

Com o crescimento da produção do café, aumentaram as necessidades de transportes, não havia outra alternativa se não o uso de animais de carga

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Discórdias na Capitania - Início Século XVIII – Ainda o caminho das minas

À Bahia chegaram delações contra o capitão-mor Francisco de Albuquerque Teles, obrigando o governador geral a dirigir-se ao provedor da Fazenda Manuel Correia de Lemos

Ver Artigo
Franceses no Rio de Janeiro no Início do Século XVIII

O grande acontecimento que abalou a colônia, em 1710, foi o assalto comandado por Duclerc contra o Rio de Janeiro

Ver Artigo
O Construtor do Relógio da Praça Oito

Quem passa pela Praça Oito, em Vitória, vê, ali, um relógio de grande porte, mas lhe não sabe a história nem, sequer, o nome daquele que o construiu

Ver Artigo
Um bacharel morando em Vitória em 1700

Ainda no princípio do século XVIII, Vitória já contava com um bacharel formado pela Universidade de Coimbra

Ver Artigo
Esmeraldas! Esmeraldas! – Governo de Antônio Luis Gonçalves da Câmara Coutinho

O acontecimento culminante do seu período governamental foi a descoberta de minas pelo capitão Antônio Luís de Espinha

Ver Artigo