Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Urubu ao molho pardo - Por Elmo Elton

Imagem Ilustrativa

Cândido Marola era preto e forte. Ganhava seu dinheirinho no trapiche de Vitória. Endiabrava-se, ficava mesmo temível, quando bebia. "Seria capaz de brigar com dez homens, de uma só vez, vencendo-os".

Contam (dele se contam muitas estórias) que, certo dia, foi fazer a mudança de um padre. O clérigo tinha uma batina velha, rota, já sem serventia, e o negro a pediu para fazer umas roupinhas para os "pienzinhos". À tarde, apareceu no Mercado da Capixaba com a batina embrulhada. Começou a bebericar, até que, lá para as tantas, já meio cheio, resolveu vestir-se de padre, o que provocou, em seu redor, o ajuntamento de muitos curiosos, daí sendo preso. E foi então aquele vexame (todos queriam a bênção do padre preto) ver-se Marola, vestido numa batina sem mangas, com os braços musculosos de fora, bamboleando na frente do policial e a molecada atrás...

Doutra feita, porque tivesse fama de bom cozinheiro, resolveu fornecer comida, a "preços módicos", a trabalhadores do trapiche. Cozinhava, ali mesmo, ao ar livre, em fogareiro improvisado, até que, um dia, prometeu aos "fregueses" prato especial. Na hora do almoço, a panela no fogo, servia a todos a anunciada iguaria:

- Mas que galinha dura é essa, Cândido?

- Não me aborreçam, fregueses, que já cansei de ouvir diárias reclamações, a galinha é de primeira, veio de longe, lá da criação de Nossa Senhora.

É claro que ninguém conseguiu comer daquela carne dura e preta, e, quando sentiram que, ao invés de galinha, lhes fora servido "urubu ao molho pardo", o "almoço" redundou em um quase linchamento no negro ardiloso. Marola, a partir desse dia, acabou com a "pensão", mas continuou cozinhando, no mesmo local, sua carne seca com pirão de farinha, sem que nunca mais prometesse "pratos especiais" a quem quer que fosse. Comia sozinho, depois tirava uma soneca, sendo que, à noite, sempre alcoolizado, vagabundava pelos botequins da Vila Rubim, narrando as acontecências do dia. Uma de suas manias era forjar intimidades com pessoas de destaque da cidade, abraçando-as, com alvoroço, em cada encontro de rua, criando, assim, repetidos "casos" com aqueles que lhe negavam maior atenção.

Era natural de Conceição da Barra (ES), onde brigou com autoridades e meganhas, surrando-os. Faleceu, já idoso, na década de 60. (Informação de Hermógenes Lima Fonseca.)

 

Fonte: Velhos Templos e Tipos Populares de Vitória - 2014
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter Aguiar Filho, fevereiro/2019

Literatura e Crônicas

A Viagem Literária de Sílvio Barbieri - Por Anderson Andreata

A Viagem Literária de Sílvio Barbieri - Por Anderson Andreata

Poeta, músico e dramaturgo, Sílvio Barbieri é o portador da novidade, percorrendo escolas da Grande Vitória com o projeto Viagem literária

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Que fim levaram as tanajuras? - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Não só o índio que comia, era toda a população, como confirma o relato Auguste de Saint-Hilaire

Ver Artigo
General Osório Número 120 - Por Mário Gurgel

Oferta de uma criatura residente na Rua General Osório 120, para a festa de Natal dos menores da Casa do Menino

Ver Artigo
Moqueca Capixaba - Por Renata Bomfim

As bocas anseiam e marejam como velas errantes ao mar

Ver Artigo
Discurso de Posse como Presidente da AEL - Ester Abreu Vieira de Oliveira

Junto com esta Diretoria, e em estreita aliança com todos os Acadêmicos, pelo difícil e digno dever de conduzir, em 2021, a celebração do I Centenário da AEL

Ver Artigo
Urubu ao molho pardo - Por Elmo Elton

Porque tivesse fama de bom cozinheiro, resolveu fornecer comida, a "preços módicos", a trabalhadores do trapiche de Vitória

Ver Artigo