Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Urubu ao molho pardo - Por Elmo Elton

Imagem Ilustrativa

Cândido Marola era preto e forte. Ganhava seu dinheirinho no trapiche de Vitória. Endiabrava-se, ficava mesmo temível, quando bebia. "Seria capaz de brigar com dez homens, de uma só vez, vencendo-os".

Contam (dele se contam muitas estórias) que, certo dia, foi fazer a mudança de um padre. O clérigo tinha uma batina velha, rota, já sem serventia, e o negro a pediu para fazer umas roupinhas para os "pienzinhos". À tarde, apareceu no Mercado da Capixaba com a batina embrulhada. Começou a bebericar, até que, lá para as tantas, já meio cheio, resolveu vestir-se de padre, o que provocou, em seu redor, o ajuntamento de muitos curiosos, daí sendo preso. E foi então aquele vexame (todos queriam a bênção do padre preto) ver-se Marola, vestido numa batina sem mangas, com os braços musculosos de fora, bamboleando na frente do policial e a molecada atrás...

Doutra feita, porque tivesse fama de bom cozinheiro, resolveu fornecer comida, a "preços módicos", a trabalhadores do trapiche. Cozinhava, ali mesmo, ao ar livre, em fogareiro improvisado, até que, um dia, prometeu aos "fregueses" prato especial. Na hora do almoço, a panela no fogo, servia a todos a anunciada iguaria:

- Mas que galinha dura é essa, Cândido?

- Não me aborreçam, fregueses, que já cansei de ouvir diárias reclamações, a galinha é de primeira, veio de longe, lá da criação de Nossa Senhora.

É claro que ninguém conseguiu comer daquela carne dura e preta, e, quando sentiram que, ao invés de galinha, lhes fora servido "urubu ao molho pardo", o "almoço" redundou em um quase linchamento no negro ardiloso. Marola, a partir desse dia, acabou com a "pensão", mas continuou cozinhando, no mesmo local, sua carne seca com pirão de farinha, sem que nunca mais prometesse "pratos especiais" a quem quer que fosse. Comia sozinho, depois tirava uma soneca, sendo que, à noite, sempre alcoolizado, vagabundava pelos botequins da Vila Rubim, narrando as acontecências do dia. Uma de suas manias era forjar intimidades com pessoas de destaque da cidade, abraçando-as, com alvoroço, em cada encontro de rua, criando, assim, repetidos "casos" com aqueles que lhe negavam maior atenção.

Era natural de Conceição da Barra (ES), onde brigou com autoridades e meganhas, surrando-os. Faleceu, já idoso, na década de 60. (Informação de Hermógenes Lima Fonseca.)

 

Fonte: Velhos Templos e Tipos Populares de Vitória - 2014
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter Aguiar Filho, fevereiro/2019

Literatura e Crônicas

30 anos sem Newton Braga - Por: Miguel Depes Tallon

30 anos sem Newton Braga - Por: Miguel Depes Tallon

Newton Braga, nascido no dia 11 de agosto de 1911 na fazenda do Frade, em Cachoeiro de Itapemirim, seu poema Namorados é um dos mais belos de toda Literatura Nacional 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Guananira, a ilha doce - Por Samuel Duarte

Apenas o seu vizinho Penedo, do outro lado da ria, continua o mesmo de sempre

Ver Artigo
Cidade Sol - Vera Maria da Penha

A menina vence o último degrau da escadinha de cimento, sem molhar os pés

Ver Artigo
Colégio Estadual – 90 anos

A escola era risonha e franca, como a definiu festejado poeta

Ver Artigo
Eternidade - Jardim ou O Poema Moscoso - Por Gilbert Chaudanne

Onde os homens fluindo nos seus anos idos jogam o baralho do destino, baralho da vida-morte de que roleta russa

Ver Artigo
UFES - Por Matusalém Dias de Moura

UFES - nossa maior instituição produtora de cultura

Ver Artigo