Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vale do Mulembá

Barro sendo retirado para ser usado na fabricação da panela

Localização

O Vale do Mulembá fica no bairro Joana D’arc, em Vitória, entre a Pedreira Rio Doce e o loteamento São José. O acesso é pela Rodovia Serafim Derenzi.

Formato

O vale possui formato em “U” alongado nas duas pontas, com largura variável de 100 a 180 metros e comprimento de cerca de 700 metros. Está cercado de elevações com cota máxima de 132 metros a sul e 120 metros na direção da Pedreira Rio Doce.

Vegetação

A vegetação do Mulembá é escassa, partes alagadas e várias depressões, de onde são extraídas argila para a fabricação de panelas de barro.

Argila

É uma argila caulinítica, de granulação fina, de cor variável do amarelo-ocre ao cinza-azulado. Ela contém feldspato, mica, matéria orgânica, sais de ferro, sílica livre e outras impurezas.

Qualidade da argila

Já foram identificados três tipos de argila no Vale do Mulembá. A mais resistente é ideal para a produção das panelas são as argilas plásticas, de cor amarelada e cinza, com matéria orgânica e pouca sílica livre.

Mistura

Para dar conta de tanta panela, as artesãs costumam misturar as argilas plásticas com argilas de menor qualidade.

Verdadeira panela

As panelas de barro do Vale do Mulembá produzidas pelas paneleiras de Goiabeiras têm cor preta fosca (pouco brilho) e o acabamento é simples porque a modelagem é feita á mão. Elas são mais resistentes ao fogo, (não racham) e conservam a temperatura dos alimentos por mais tempo.

 

Por: Manuella Siqueira
Fonte: Jornal A Gazeta (setembro/2005)


LINKS RELACIONADOS:

 Escolhendo panelas capixabas
 Panela de Barro
 Mangue Vermelho
 Aprenda a escolher um bom peixe 
 Caranguejo 
 Culinária Capixaba

Matérias Especiais

Frutas Exóticas

Frutas Exóticas

Quem aprecia sabores exóticos pode aguçar o paladar. Diversas frutas de nomes diferentes já frequentam as prateleiras e gôndolas dos supermercados e hortifrutis capixabas. Confira algumas!

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jerônimo Monteiro - Capítulo XVI

Fazia-se o desembarque de passageiros, em escaleres e lanchas pequenas que atracavam às escadas dos navios

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo II

Na foto ilustrativa, o casal Francisco de Sousa Monteiro e Henriqueta Rios de Sousa, pais de Jerônimo Monteiro (fim do séc. XIX). APEES — Coleção Maria Stella de Novaes

Ver Artigo
Saudações - Fernando Antonio de Oliveira

Carta endereçada ao escritor Walter de Aguiar Filho, autor do livro "Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno", pelas lembranças que nos traz sobre Vila Velha de outrora e pelo alerta sobre a identidade e cultura do canela-verde. Confira!

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VIII (FINAL)

Cristóvão Jaques foi o único que fez reconhecimentos e assentou padrões, conforme estão de acordo todos os cronistas e historiadores, estando por isso provado ser ele o primeiro que reconheceu a costa da província do ES

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VII

Com a chegada e desembarque, na província do Espírito Santo, do donatário Vasco Fernandes Coutinho, a 23 de maio de 1535, temos finalizado a notícia dos navegantes que tocaram ou não nas costas desta província

Ver Artigo