Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vasco Fernandes Coutinho - Parte III (última)

Visando aproveitar os meios naturais de defesa, Vasco Coutinho transferiu a sede para a Ilha

Foi longa de quase sete anos a ausência do capitão.

Quando regressa, depara a capitania em decadência e semi-destruída pelas constantes arremetidas do gentio e pela incapacidade administrativa dos que a dirigiram naquele interregno.

Nem por isso esmoreceu. A persistência com que se atirava à luta e ao trabalho, à reconstrução muitas vezes recomeçada, é nele digna de louvores. Malograda a obra, poderia dela ter desistido como o fizeram outros donatários, contemporâneos de infortúnio. Vasco Fernandes não. Insistia. Empenhava-se com denodo em busca do tempo perdido.

Numa tentativa última de se pôr cobro às incursões dos selvagens, e visando aproveitar os meios naturais de defesa, transferiu a sede da governança para a Ilha de Duarte de Lemos, depois chamada Vila da Vitória.

Aos poucos, melhora a situação, possibilitando ao donatário ausentar-se novamente. Em 1550 e 1555 admite-se a hipótese de outra ida a Portugal.

Retornando ao E. Santo, os graves problemas dos indígenas rebelados contra os brancos. No correr dos anos seguintes, esta ameaça vai-se tornando de tal forma séria que um pedido de socorro ao Governo Geral na Bahia prontamente é atendido. Graças ao auxílio oficial, conjura-se o perigo representado pelos índios enfurecidos, em especial ao norte da capitania. Mas não muda a sorte do capitão donatário.

O insucesso instalara-se em terras de Coutinho, que perdia recursos e saúde. Nas viagens a Portugal, contraíra dívidas. Quanto à saúde, desgastaram-na as privações, os sacrifícios feitos, a vida áspera de conquistas e lutas. É preciso não esquecer que o donatário viera para o Brasil entrado em anos, tendo esbanjado no Oriente o vigor e os ímpetos da mocidade.

Em carta dirigida ao rei em 1555, o 2º Governador Geral, Duarte da Costa, a ele se refere como um velho empobrecido e cansado. Vasco Fernandes mesmo escreveria a Mem de Sá, em maio de 1558: “sou já mui velho cercado de doenças”. Confessando com humildade os seus pecados, sente a morte próxima, o que o deixa intranqüilo quanto ao destino que possa ter a capitania. Não esconde o desejo de encontrar quem a povoe “para que não esteja tão deserta”.

É admirável a dedicação deste homem a terra desbravada à custa do que possuíra de mais caro. No afã de colonizá-la se desgasta, conhece os revezes da sorte, vê-se vítima da calúnia urdida por Duarte de Lemos para indispô-lo com o rei. Nem a igreja lhe perdoa. Contra ele invectiva o bispo Pero Fernandes Sardinha, reprovando-lhe duramente a conduta e a fraqueza, pois contraíra o vício de “beber fumo”.

Se falhou como governador da terra recebida em doação, por lhe faltarem dotes administrativos e capacidade de comando, por ser crédulo em excesso e otimista em demasia, como homem honrou até a morte o compromisso firmado com el-rei.

Falece em 1561, deixando a capitania ao filho bastardo, de igual nome, nascido de Ana Vaz.

Não pôde a História fechar os olhos aos muitos erros que cometeu, Às ausências prolongadas do governo da capitania, às atitudes inconstantes que o caracterizaram. Mas, justiça se lhe faça, como lapidarmente quer José Teixeira de Oliveira: “justiça à dedicação, à generosidade, à bravura, solidariedade e espírito magnânimo do primeiro donatário”. Assim seja.

Autores consultados:

- José Teixeira de Oliveira, “História do Estado do Espírito Santo”, Rio de Janeiro, 1951.

- Pedro de Azevedo, “História da Colonização Portuguesa no Brasil”, capítulo V, “Os primeiros Donatários”, páginas 200 a 203, Litografia Nacional, Porto, 1924.

- Malheiro Dias, “História da Colonização Portuguesa no Brasil”, capítulo VI, “O Regime Feudal das Donatarias”, páginas 241 a 243, idem.

- Mario Aristides Freire, Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, nº 15, “Reabilitação histórica de Vasco Fernandes Coutinho”.

Vitória, 23 de maio de 1961.

 

Fonte: Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo. N 21, ano 1961
Autor: Luiz Guilherme Santos Neves
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril /2013 



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Arquitetura Moderna Capixaba

Arquitetura Moderna Capixaba

Conheça aqui algumas obras do arquiteto Élio Vianna, um dos pioneiros da arquitetura moderna no Espírito Santo.

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Vasco Fernandes Coutinho - Parte I

Vasco Fernandes Coutinho foi fidalgo da Casa Real portuguesa, segundo registro do próprio D. João III, na carta de doação e no foral da capitania que seria a do Espírito Santo

Ver Artigo
Vasco Fernandes Coutinho - Parte II

Afugentado o gentio com disparos de armas de fogo, lança-se o capitão às providências iniciais da implantação da donataria, estabelecida a princípio na atual cidade de Vila Velha

Ver Artigo