Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Visão de Pedro Palácios

Nossa Senhora das Alegrias

AS "LENDAS CAPIXABAS" DE DORALICE DE OLIVEIRA NEVES

 Os filhos da Terra das Palmeiras viviam, como os nossos pais bíblicos, num verdadeiro Éden, sem precisar tirar do trabalho o pão de cada dia.

Com a chegada do estrangeiro, veio também a ambição e seu séquito de maldade. Os pobres índios, escravizados, eram obrigados a trabalhar, para enriquecer os ambiciosos conquistadores. Suas esposas e filhas eram roubadas. Debalde, lutavam para expulsar os invasores. As armas dos estrangeiros eram mais fortes que suas setas.

Mas os lamentos daquela gente chegaram até às regiões celestes. Vieram os Missionários, afrontando os mares incertos, para trazer à nova Pátria os ensinamentos do “Crucificado”. Um deles, jovem ainda, desembarcou na Capitania de Vasco Coutinho para missão sagrada.

Sempre, nas horas em que morre o dia, o moço frade sentava-se na praia, e aí permanecia, distraído, olhando para o morro que domina o mar. Um dia, quando se deixava ficar a contemplar a colina, adormeceu. Em sonho, apareceu-lhe a Virgem da Terra da Cruz e disse-lhe:

- “Todos os dias, venho ao alto deste monte para abençoar a Terra em que vive essa gente simples, sem a mácula do primeiro pecado. O espírito do mal ainda não penetrou na Terra das Palmeiras. Agora, porém, vieram os brancos. A Ambição domina-os e os fará esquecer os ensinamentos de Cristo. Para que o Espírito de Deus não se afaste dos filhos da nova raça, levanta em cima do monte a minha casa e ensina aos filhos da nova Terra o Evangelho de Jesus”

Quando Pedro Palácios acordou, chamou os colonos e os silvícolas, e transmitiu as palavras da Senhora do Céu.

No dia seguinte, caía a tarde sobre a terra; o frade acompanhado dos colonos e dos índios, subiu ao monte. Lá chegando, deslumbrados, viram a Divina Soberana. Sua presença mostrava aos fiéis onde queria sua casa.

Mas a voz acariciadora da Indolência aconselhou o contrário: “façam a Casa da Senhora em baixo, no sopé do monte, bem perto domar, para não precisarem subir esta ladeira tão alta”.

Apesar dos rogos do frade, a Santa foi trazida, à tarde, para a planície. No outro dia, porém, a imagem desapareceu e foram encontrá-la no alto do monte.

Os colonos tentaram trazê-la para baixo, e, novamente, foram revê-la no alto da Penha.

Prevaleceu a vontade Divina. Pedro Palácios realizou seu sonho, construindo o Templo no alto do morro.

De lá, as bênçãos divinas caem em jorros sobre a Terra da Cobra Feroz...”

 

FONTE: ESTUDOS DE CULTURA ESPIRITO-SANTENSE – VITORIA, 2002
AUTOR: Getúlio Marcos Pereira Neves é neto da  Professora Doralice de Oliveira Neves.
DEDICATÓRIA DO LIVRO: “Dedico estes escritos (textos e capa) à minha Avó, Doralice de Oliveira Neves que não chegou a ver seus livros publicados”.

 

 

Folclore e Lendas Capixabas

Frade e Freira – Por Maria Stella de Novaes

Frade e Freira – Por Maria Stella de Novaes

Frade e Freira é o conjunto de dois rochedos, que se defrontam, num mesmo alcantil, como se fossem esculturas planejadas, para a representação das figuras de um monge e uma devota, esta envolta num manto, em atitude contrita

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo
Os Santos Populares – Por Aerobaldo Lellis Horta

Santo Antônio, São João e São Pedro foram sempre considerados santos populares

Ver Artigo