Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vista do Jeanne DArc

Prefeitura e Secretaria de Obras de Vitória

Lembrança, quanta lembrança

Dos tempos em que já lá vão

Minha vida de criança

Minha bolha de sabão!

(Guilherme de Almeida)

Eta ferro! Já vai muito tempo! Era uma senhora vista! Descortinava-se a paisagem sul da cidade, podendo alcançar até Jardim América.

A catedral imponente, na cidade alta, figurava sozinha naquele cenário de indescritível beleza. Via-se o mar, os navios chegando, atracando, descarregando e indo embora, levando mercadorias para portos distantes, além de esperança de aventuras para os ilhéus que aqui embarcaram.

O Colégio do Carmo, cujas varandas de circulação das alunas ficavam de frente, nos dava a imagem da ordem e disciplina mantidas a pulso de ferro pelas irmãs de caridade. Brincalhões e jovens, entretanto, conseguíamos quebrar a sisudez delas criando brincadeiras que as faziam rir e esquecer, naqueles momentos, a rígida disciplina imposta.

Era grandioso... Ao final da tarde, o pôr-do-sol tomava todo o céu de nuances de cores que iam esmaecendo até se tornar noite. As lâmpadas se acendiam, dando a verdadeira impressão de um presépio sendo montado. Que Paisagem!

A Prefeitura Municipal, com suas palmeiras imperiais esvoaçando como pluma ao sabor dos ventos contrastava com o balé aéreo dos urubus ao final da tarde.

O morro de São Francisco, cujo mosteiro secular se impunha a toda vista, aparecia imponente, majestoso e muito belo. Paisagens dignas de um pintor.

Exatamente por não ter um magnífico dom artístico, muito bem desenvolvido pelo meu avô e mãe, que com perfeição retratavam nas telas dos quadros as paisagens que mais lhes tocavam, desenvolvi a capacidade de registrar tudo em minha memória. Dessa forma, exercito-me permanentemente, para que aquelas imagens não desapareçam com o progresso vertical da cidade, que escondeu e alterou todo o panorama bucólico e agradável, visto do oitavo andar do Edifício Jeanne D’Arc na Rua Sete.

 

ESCRITOS DE VITÓRIA — Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória-ES.

Prefeito Municipal: Paulo Hartung

Secretário Municipal de Cultura e Turismo: Jorge Alencar

Diretor do Departamento de Cultura: Rogerio Borges

Coordenadora do Projeto: Silvia Helena Selvátici

Conselho Editorial: Álvaro José Silva

José Valporto Tatagiba

Maria Helena Hees Alves

Renato Pacheco

Bibliotecárias

Lígia Maria Mello Nagato

Cybelle Maria Moreira Pinheiro

Elizete Terezinha Caser Rocha

Revisão: Reinaldo Santos Neves , Miguel Marvilla

Capa Pedra dos Olhos (Foto de Carlos Antolini)

Editoração Eletrônica: Edson Maltez Heringer  

Impressão: Gráfica Ita

 

Fonte: Escritos de Vitória 12 – Paisagem - Secretaria Municipal de Cultura e Turismo – PMV
Autor do texto: Sérgio Figueira Sarkis
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2019

Variedades

Acontecimentos da Época Monárquica no ES

Acontecimentos da Época Monárquica no ES

No regime monárquico, que durou sessenta e sete anos, nada menos de noventa e seis presidentes, entre efetivos e substitutos, governaram o Espírito Santo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Polícia pede paciência para o verão 1999 na Rodosol

Volume de tráfego deve aumentar muito e policiamento estará atento na Rodovia do Sol para evitar acidentes

Ver Artigo
Uma mensagem de Natal

A Mamãe Noel de Vila Velha me traz de volta o sentido de Natal, ao colocar uma roupa vermelha e um gorro vermelho e se transformar em puro encantamento

Ver Artigo
Os filhos do ócio

Um dos frutos dessa movimentação foi a irreverente banda Lordose pra Leão. Um grupo de estudantes do curso de Comunicação Social, que era habitué das pedrinhas ao lado do RU 

Ver Artigo
Ano de 1588 e 1589 - Por Basílio Daemon

A viúva, D. Luíza Grinalda, continuou a residir em sua fazenda na então Vila Velha, a qual era junto ao monte Moreno

Ver Artigo
Anos de 1575,1576,1577,1578,1580,1582 e 1584 - Por Basílio Daemon

O padre José de Anchieta, que estava nesta então capitania, e já promovia a fundação de outras casas religiosas, como a de Benevente, Reritiba, em 1569

Ver Artigo