Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vitória em 1936 - Por Renato Pacheco

Centro de Vitória

O chique era andar de bonde Circular à tarde. Em frente à Assembleia o bondinho virava os bancos e ia para o Parque Moscoso. Nos fundos da Casa Verde (Armarinhos, tecidos & miudezas) eu apanhava pequenos caranguejos que guardava numa caixa de fósforo. Íamos à Praia de Santa Helena, casa de uma tia, e quando voltávamos, à noite, na reta do Constantino, o bonde fingia ser um túnel de luz em meio à escuridão; dos mangues de Bento Ferrira voavam maruins e um chiclete ficou preso no bolso de meu capote.

Na Feira de IV Centenário da Colonização meu pai expunha Sal do Mossoró, e dava-o, ao visitante, em pequenos saquinhos carimbados. "Seu" Campos Pinha mostrava os últimos avanços dos anúncios de gpás neon e dizia entusiasmado: - "No Rio há uma garrafa de água Caxambu que enche um copo de luz e sonho!"

José Horta Aguirre era o melhor aluno de D. Izaltina Paolielo, e na escola do Filgueiras Dona Nenzinha dava reguadas nos relapsos. Argentina, minha tia, me ensinou a ler e escrever e eu ingressei no mundo maravilhoso da palavra impressa.

Navios davam notícias do mundo e as velhas casas da rua Duque de Caxias e General Osório abrigavam prostitutas. No Parque Moscoso moravam as famílias ricas. No Morro Moscoso moravam as famílias pobres. Na Pedra da Cotia havia fios de alta tensão e uma caveira na lata avisava:
- PERIGO!

"Seu" Antônio Jacob da Libanesa vendia tecidos. Comprávamos cadernos e lápis na Tipografia Gentil e remédios na Farmácia Popular. Os secos e molhados no armazém do "Seu" João Pinheiro, que pegou fogo. As cervejas Teotônia e o vinho Único vinham do Bar e Café Estrela. As bananas e a fezinha no bicho eram feitas na QUitanda de "Seu" Alípio.

No Carnaval fantasiaram-se de Conquistadores de Corações e fiquei furioso quando me passaram rouge e batom. A enchente trouxe, da Fonte Grande, penicos e troncos de bananeiras e um gato morto. Rogério, meu irmão, conhecia todo o Morro e todas as jaqueiras e um dia desceu da casa da Nana com a língua pendurada. Comíamos Torta Capixaba, na Semana Santa, e Muxá nas tardes de domingo.

Meu pai me levava às regatas e torcia para o Álvares Cabral. Secretamente éramos saldanhistas. Natal, as invejas recíprocas se espalhavam pela Rua Sete, e os brinquedos alemães de pilha - carrinhos, orquestras, e até um palhaço que virava cambalhotas - ganhavam a liça. Minha mãe fazia borados matizados que encantavam a vizinhança e relembrava o pai dela. Dr. José Horácio Costa, magistrado, abolicionista e republicano, que morreu tão cedo. Vitória sem ônibus e com poucos carros, respirávamos a brisa pura do mar e não sabíamos.

À noite, os cães ladravam para os lados da piedade e em minhas insônias de menino tremia de medo, e tremo ainda na saudade maior daquela pequenina Vitória de 1936, eu menino de 8 anos.

 

Autor: Renato Pacheco. Nascido em Vitória, 1928. Magistrado e professor aposentado. Autor, entre outros livros, de A oferta e o Altar e Cantos de Fernão Ferreiro.
Livro: Escritos de Vitória. 1 - Crônicas, 1993
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2014 

Literatura e Crônicas

Quinca Cigano - A GAZETA, Bienal Rubem Braga

Quinca Cigano - A GAZETA, Bienal Rubem Braga

Em uma de suas mais conhecidas crônicas, Quinca Cigano, 1951, Rubem Braga fala dos pios de Cachoeiro. A fábrica fundada em 1903 por Maurílio Coelho ainda funciona no mesmo casarão, às margens de um braço encachoeirado do Rio Itapemirim

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Paradise Bar Island Blues

Pois este é o êxtase: os milagres de ver, de ouvir, de tatear, de cheirar, de gustar de você, excelência, leitora vil, avessa do zero até onde é o mil! 

Ver Artigo
O Marrocos

Acabo de saber - mas que castigo, que acaba de fechar meu velho bar!

Ver Artigo
Bares, doces bares amargos da juventude - Por Milson Henriques

O Britz Bar  ficou famoso por estar localizado perto das redações de todos os jornais e logicamente freqüentado pelos jornalistas que viam o sol nascer em suas cadeiras

Ver Artigo
O Bar do David - Por Miguel Depes Tallon

Ao longo dos anos, o Bar do David foi se especializando em frutos do mar e peixe, com o melhor caranguejo 

Ver Artigo
Bares? Eu hein, nem pensar! - Por Marilena Vellozo Soneghet Bergmann

Para as colegiais de recatadas saias (quatro dedos abaixo dos joelhos), os bares eram um lugar cheio de proibições e ambivalências. Tinham algo de sombra e mistério, sedução e... fumaça

Ver Artigo