Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

VITÓRIA 450 ANOS

Vitória - 460 anos Foto: Walter de Aguiar Filho, setembro/2011

Natureza privilegiada, clima agradável, povo hospedeiro, culinária de sabor diferenciado, eventos culturais e esportivos, além de muita história. Vitória oferece tudo isso e muito mais. O roteiro para quem quer dias prazerosos pode começar pelas praias. Camburi é a principal, com seis quilômetros de extensão. Concentra atividades culturais e esportivas, principalmente entre janeiro e março, quando é montada uma arena própria para sediar shows e campeonatos mundiais de beach soccer e vôlei de praia. Também é ponto de maior concentração de hotéis, quiosques, restaurantes e bares.

A Praia do Canto fica ao lado do "Iate Clube do Estado", que é ponto de convergência da maioria dos esportes náuticos praticados na Ilha. Logo ao lado esta a Curva da Jurema, com quiosques que são muito frequentados à noite também. Completam a lista, as praias das Ilhas do Frade e do Boi.

Quem quiser ter uma visão da Cidade a partir do mar, pode navegar pela baía em escunas. Os passeios partem do píer de Iemanjá, praia de Camburi, e do Cais do Avião, em Santo Antônio.

 A "Ilha do Mel" também oferece roteiros ímpares no chamado turismo ecológico, que associa espaços naturais e de lazer. São formações rochosas, nascentes, manguezais, vegetação de restinga e remanescentes da Mata Atlântica que deram origem a cinco parques, oito reservas ecológicas e a duas áreas de preservação ambiental, a região da Ilha do Frade e o Maciço Central.

O município tem como ponto mais elevado a Pedra dos Dois Olhos, com Altitude de 240 metros. A bacia que compõe a paisagem hidrográfica do município é a do rio Santa Maria da Vitória. O clima é tropical úmido, com máximo de 30 graus.

 A região em torno da Pedra dos Dois Olhos é uma das oito reservas ecológicas da Cidade. Isso inclui a reserva das Ilhas Oceânicas de Trindade e Arquipélago Martin Vaz, Restinga de Camburi, Morro do Itapenambi, Morro da Gamela, Mata Paludosa, Mata de Goiaberas e Reseva Ecológica São José.

Espaços naturais de lazer para muitas famílias, os parques estão dotados de infra-estrutura para atender aos moradores e aos visitantes, como a Pedra da Cebola, localizado entre os bairros Mata da Praia, Jardim da Penha e Bairro República. No local é possível fazer caminhadas ou cooper.

O Parque Municipal da Gruta da Onça, localizado na Esplanada Capixaba, em pleno Centro da Cidade, é um dos últimos remanescentes da Mata Atlântica da região. Além de caminhar por trilhas e entre a vegetação, é possível apreciar o visual da entrada da Baía de Vitória a partir de um mirante.

Em Maruípe, está localizado o Horto Municipal, com grande variedades de flores e árvores de espécies nativas, identificadas com os nomes populares e científicos. Ipês, quaresmeiras, angelins, perobas, aroeiras, palmeiras, jabuticabeiras, pitangueiras, sapotis, buritis, guapuruvus e parajús tornam as caminhadas mais agradáveis.

Embora não represente uma área natural, o Parque Moscoso - o mais antigo da cidade, inaugurado em 1912 - merece destaque especial, pela sua história, cultural e sentimental com a Cidade. Seu projeto de recuperação resgatou o estilo arquitetônico neoclássico, característico da época.

 Ainda dentro do circuito e áreas de lazer ao ar livre, figuram praças, como a dos Namorados, Desejos e da Ciência, na região da Praia do Canto. Ligada uma a outra, possuem pista de skate, bicicloss e patinação. Uma particularidade da Praça da Ciência: incentivar as crianças ao aprendizado das ciências através de brinquedos.

 

Fonte: Encarte Especial de A GAZETA de 09 de setembro de 2001
- Editora: Maria Helena Fabriz
Textos: Ana Laura Nahas, Elaine Silva, Ivana Esteves, Lúcia Gonçalves, Lúcia Garcia e Marcelo Pereira
Fontes Bibliográficas:
- Série de fascículos de A GAZETA, A Saga do Espírito Santo, com pesquisa e texto de Neida Lúcia e Sebastião Pimentel Franco, edição de José Irmo Goring.
- Biografia de uma Ilha (1965), de Serafim Derenzi.
- A Ilha da Nostalgia (1999), José Tatagiba.
- Vitória Cidade das Ilhas, com fotos de Cláudio Edinger, pesquisa de Renato Pacheco e Léa  Brígida, textos de Luiz Guilherme Santos Neves
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2011



GALERIA:

📷
📷


Parabéns, Vitória (desde 8 de setembro de 1551)

Vitória do Futuro - Por Arlindo Vilaschi Filho

Vitória do Futuro - Por Arlindo Vilaschi Filho

Pensar a cidade como mero obstáculo a ser transposto por obras de engenharia que desconhecem seu passado e seu papel no processo de construção cultural é no mínimo querer equalizar o urbano à mera somatória e circulação de veículos com construção civil

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Nossa Senhora da Penha – Vitória, 4º Centenário de fundação

Projetou-se um programa festivo de trinta dias, estendido portanto a todo o mês de Setembro de 1951

Ver Artigo
Outras versões da origem do nome Vitória

A origem do nome Vitória é assunto sobre o qual não são unânimes as opiniões dos historiadores. Na opinião de Basílio Daemon, citada por Luiz Serafim Derenzi, “houve uma batalha com os índios. Sobre estes foi conseguida a vitória e, por essa motivo, deu-se o nome de Vitória à nova sede do governo”.

Ver Artigo
A Vila de Vitória surge - Por Serafim Derenzi

As guerrilhas com os tapuias tornam-se cada vez mais assustadoras e mortíferas. Duarte de Lemos deixou a ilha praticamente abandonada

Ver Artigo
Inovação na Vida Urbana de Vitória no início do Século XX

Os Serviços de Melhoramentos introduziram certas normas técnicas, que marcaram diretrizes novas em Vitória

Ver Artigo
Vitória - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Extra-oficialmente, consagrou-se a canção “Cidade Sol”, de Pedro Caetano, como o hino afetivo ou emocional de Vitória e, a partir daí, não mais se referiram à nossa bela capital como “Cidade presépio” mas, sim como “Cidade sol”

Ver Artigo