Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Zé Pretinho

Praia do Canto - anos 60, região do triângulo das bermudas

Fica ali, exatamente na esquina da Aleixo Neto com a José Teixeira. Do lado de Santa Lúcia. Não tem placa que o identifique. Mas há quarenta anos toda a redondeza cohece o Zé Pretinho. Ele, o proprietário e seu estabelecimento, com quem divide o nome.

O Zé Pretinho, negro, carapinha branca, tem sempre um olhar severo e uma voz dura, irritadiça, de poucos amigos. Pura impressão. Não há quem não goste dele e da sua conversa. E ele fala com graça e saudosismo das muitas décadas que ele viu passar, sempre espiando e conversando ali detrás do balcão de madeira, com vigias de vidro fino e barato a devassar os mais interessantes produtos para consumidores pouco exigentes. São pequenos canivetes, cachimbos de barro, pedras de isqueiro, baralho de mico preto, coisas que já não se encontram mais por aí. Vende também bombinhas de festas juninas. E gaba-se de ser um dos poucos legalmente autorizados a fazer este tipo de comércio.

Mas, afinal, o Zé Pretinho é então uma venda, como já não existem mais? Exatamente. E como toda venda respeitável, tem um bar. Numa parte do balcão, meio ali perto de um rolo de fumo, pode-se beber em pé a especialidade da casa. E com certeza, única na cidade: uma batidinha de coco. Da pontinha da orelha. Do balcão dá pra ver os dois ou três grandes garrafões onde dormem, em infusão numa cachaça de primeira, pedaços de coco. Embaixo de cada vidro, uma torneirinha. E em cima do balcão a regra da casa: uma placa presa por um barbante decreta secamente: Pidiu pagou. Ruim o português, delícia a batidinha.

Mas esta não é a única imposição do Zé Pretinho. Existe outra mais severa, inegociável e não está escrita em lugar algum. É um mandamento que cada novo freguês fica sabendo pela boca dos outros, ou se estiver sozinho, do próprio dono: a casa não serve mais do que três doses da batida para cada um. Não adianta insistir. - Eu não gosto de gente bêbada! - sentencia Zé Pretinho.

Mas uma pequena tábua com um cortadinho queijo de Minas curado, você pode pedir quantas vezes quiser. Primeiro porque a legislação do estabelecimento permite. Segundo porque é uma delícia.

 

Fonte: Escritos de Vitória - 8 - Bares Botequins, etc. - 1995
Autor: Marcos Alencar
Compilação: Walter de Aguiar Filho

Matérias Especiais

A lenda do judeu pescador

A lenda do judeu pescador

O judeu, natural do Algarve, era católico, e atribuía a sua boa sorte à devoção de São Tiago e Santa Marta, cujas imagens mantinha num oratório

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

De vento em popa

Era uma atração; um programa pra lá de quente quando, nas manhãs de domingo aconteciam, na baia de Vitória, lá pelos anos 55... 60... as concorridas regatas a remo

Ver Artigo
Referências bibliográficas do livro

Já vi quem iniciasse a leitura de um livro pelas suas referências bibliográficas. Para os macróbios da historiografia será de grande valia

Ver Artigo
Massena e Fanzeres - Mestres da Arte no ES

Levino Fanzeres, pintor de renome nacional, visitava o boêmio Homero Massena em Vila Velha, que recebia também Hélios Selinger, o grande simbolista brasileiro

Ver Artigo
Segunda Viagem ao Interior do Brasil. Espírito Santo

Esse lugar (Lagoa Juparanã) será, certamente, então, um dos mais bellos do imperio do Brasil 

Ver Artigo
Edificações de Vitória

Preservando a memória do Centro, Vitória guarda também o Teatro Carlos Gomes, a sede do Palácio Anchieta, o Mercado da Capixaba, o Teatro Glória, o Arquivo Municipal, o Palácio Domingos Martins

Ver Artigo