Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Clima Tempo Vila Velha
23°C

Rua Marcelino Duarte – Por Elmo Elton

Galeria do Ed. Palácio do Café e loja Elmo, localizadas a frente da Rua Marcelino Duarte, anos 70

Começa onde antes funcionou o Eden-Parque. sendo mais conhecida como rua do Teatro Glória, estendendo-se até a Barão de Itapemirim, sendo cortada ao meio pela avenida Jerônimo Monteiro. Das casas comerciais de que dispunha esta artéria citam-se a Casa Madame Prado, de modas, o Café Avenida, a Casa Busato, de móveis, também o Clube de Regatas Álvares Cabral, todos dando frente para a Praça Costa Pereira, tendo existido, em dependência térrea do Teatro Glória, o Café Glória, sempre muito procurado, embora sem cadeiras para os freqüentadores, novidade na época.

A artéria surgiu com a abertura da Avenida Capixaba, em decorrência da demolição dos prédios que formavam a Rua Pereira Pinto. (Pereira Pinto tem seu nome batizando outra artéria da cidade, nos terrenos da antiga Chácara do Moniz.)

O patrono, Marcelino Pinto Ribeiro Duarte, foi, na opinião de Afonso Cláudio. "o primeiro e mais notável dos poetas espírito-santenses, no decurso da primeira metade do século XIX". Nasceu na vila da Serra (ES), a 18 de junho de 1788, falecendo em Niterói (RJ), a 7 de junho de 1860.

Ordenou-se padre, sem ter nenhuma vocação para o exercício religioso, conforme bem o comprovam as suas atitudes, ao longo da vida. Deixou o Espírito Santo, por questões políticas, já que inimigo ferrenho do governador Francisco Alberto Rubim, a quem satirizou, difamando-o sempre. O Imperador Pedro II agraciou-o com o grau de cavaleiro das Ordens de Cristo e da Rosa e, quando de seu falecimento, a municipalidade de Niterói deu-lhe o nome a uma das ruas dessa cidade. Patrono da cadeira n° 1 da Academia Espírito-santense de Letras.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2017

Bairros e Ruas

Rua Dois de Dezembro (ex-rua do Beco) – Por Elmo Elton

Rua Dois de Dezembro (ex-rua do Beco) – Por Elmo Elton

Tinha começo em frente à Loja Maçônica Ordem e Progresso, onde se construíra um chafariz, e terminava no largo da Matriz, quase paralela à José Marcelino

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Escadaria Maria Ortiz

Ao tentar alcançar a parte alta da vila, subindo estreita rampa, conhecida como ladeira do Pelourinho, os corsários foram surpreendidos pela jovem Maria Ortiz

Ver Artigo
Bairro Glória – Por Edward Athayde D’Alcântara

O Bairro Glória era conhecido como “A Fábrica” por ter ali recebido a transferência da fábrica de bombons Garoto

Ver Artigo
Rua Nestor Gomes (ex-ladeira do Chafariz)

No governo de Florentino Avidos, a área foi urbanizada, pondo-se abaixo todos os casarões antigos ali existentes 

Ver Artigo
IBES 70 ANOS

O Ibes já foi um projeto mais ambicioso, em número de unidades projetadas, prevendo espaços para equipamentos comunitários, o primeiro desse estilo no Estado

Ver Artigo
Escadaria Bárbara Lindenberg – Por Elmo Elton

Ficou conhecida como ladeira das Colunas, sendo que, após a visita de Dom Pedro II ao Espírito Santo, em 1860, passou a denominar-se ladeira do Imperador

Ver Artigo