Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Clima Tempo Vila Velha
23°C

Rua São Francisco – Por Elmo Elton

Rampa de acesso para o Convento de São Francisco, 1906.

Na esquina desta rua, dando frente para o largo de Santa Luzia, se situava o Quarto-de-queijo, prédio de três andares, assim chamado em virtude de seu formato. Diziam os moradores antigos da cidade que no mesmo teria residido o donatário Vasco Fernandes Coutinho. A demolição do imóvel se verificou na década de 20, sendo a construção da "taipa real". Os imóveis desta artéria eram quase todos de dois andares, conforme atestam velhas fotografias, tendo ali funcionado, nas proximidades do cruzeiro, que se erguia no final da rua, isto é, ao pé do outeiro do Convento de São Francisco, colégio fundado e dirigido pelo professor Aristides Freire, nome de relevo na vida cultural de Vitória de antanho.

O referido cruzeiro, de pedra lavrada, artístico, medindo quase dois metros acima do pedestal, foi demolido em 1925, quando do alargamento da rua Coronel Monjardim.

Ainda na mesma artéria foi inaugurado, a 13 de maio de 1856, por iniciativa dos caramurus, como eram apelidados os devotos de São Benedito, com imagem naquele monastério, um chafariz, ocasião em que o padre João Luiz da Fraga Loureiro (1805-1878), poeta serrano, leu e publicou soneto alusivo ao acontecimento.

Demolidos os primitivos sobrados da rua, nela foram construídas casas de um andar, todas iguais, para servidores do Estado, sendo que as mesmas, já agora, vão dando lugar a modernos edifícios.

Esta artéria, aliás como as demais surgidas no final do século XVIII, tinha calçamento pé-de-moleque.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2017



GALERIA:

📷
📷


Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Centro de Vitória

Palco de batalhas ferrenhas contra corsários invasores, espaço para peladas de futebol da garotada, de footings de sábados e domingos, praças, ladeiras e ruas antigas curtas e apertadas, espremidas contra os morros — assim é o Centro de Vitória

Ver Artigo
Ruas de Vitória

Somente em 1908, sob o governo Jerônimo Monteiro, Vitória inicia sua fase de urbanização

Ver Artigo
Escadaria Maria Ortiz

Ao tentar alcançar a parte alta da vila, subindo estreita rampa, conhecida como ladeira do Pelourinho, os corsários foram surpreendidos pela jovem Maria Ortiz

Ver Artigo
Praça João Clímaco (ex-praça Afonso Brás) – Por Elmo Elton

Em 1910, Jerônimo Monteiro, quando o logradouro tinha o terreno inclinado, para aplainá-lo, construiu-se um muro de arrimo, coroado por balaustrada, fronteiro à atual Rua Nestor Gomes

Ver Artigo
Como nasceu a Vitória – Por Areobaldo Lellis

Circundada por montanhas desabitadas, os seus extremos eram ligados, a partir das Pedreiras, hoje Barão Monjardim

Ver Artigo