Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Academia de Letras

Inauguração da Academia de Letras de VV

A Academia de Letras Humberto de Campos, situada na Prainha em Vila Velha, foi inaugurada pela 3ª vez, no dia 26/10/2006 às 19h, sob convênio com a PMVV que patrocinou a reforma para em contrapartida lá poder funcionar o Conselho Municipal de Educação.

A Academia foi inicialmente o Centro Acadêmico Humberto de Campos e depois o Centro Cultural Humberto de Campos. Em meados dos anos 50 transformou-se na Academia de Letras Humberto de Campos. Foi um ideal de jovens intelectuais da Prainha na época da guerra que conseguiram terreno doado pela Prefeitura. Foram apoiados por Capitão Jaime Duarte Nascimento.

Em sua sede, entre 1956 até 1966 foram realizados os Júris da Comarca. Ali atuaram o Capitão Isaías Ramires, Paulo Mares Guia, Antônio Pinto Rodrigues, Ailton de Almeida, Mário Ribeiro e muitos outros. Jair Vianna Santos e Vasco Alves de Oliveira Júnior também foram seus presidentes.

Por último Valsena Rodrigues e a atual Presidente Regina Pinto marcaram a presença feminina. É bom frisar que Humbeto de Campos, escritor maranhense, radicado no Rio, nunca veio ao Espírito Santo e a homenagem se deve a corrente de pensamento ideológica. A Academia tem possibilidade de ser agente de inserção da população no meio das comunicações atendendo demandas culturais.

A magnífica reforma deve-se a sensibilidade do Prefeito Max Filho dando continuidade a obra, pois seu avô Saturnino Rangel Mauro era um dos idealistas.

Atuais membros:

Maria Olga Setubal Bussolotti
Walter Aguiar
José Luis Schineider
Artelirio Bolsanelo
Valsena Rodrigues
Regina Pinto
Roberto B. Abreu
Mauro Mmachado
Humberto Del Maestro
Sonia Demoner
Jair Santos
Dijairo Gonçalves Lima
Paulo Martinelli
Vasco Alves de Oliveira Junior
Francisco Aurélio Ribeiro
Marlene Venturim
José Cupertino Leite de Almeida
Max de Freitas Mauro
Mauro Machado
Olavo Cabral
Taneco
Ana Bernardes Rocha
Clerio Jose Borges
João Manoel Pulchari

Entre os falecidos:

Talmon Fonseca, Ailton de Almeida, Vicente de Oliveira e Silva, de Paula, Julião, José Anchieta Setúbal, Ilza Ribeiro Moll, Mário Ribeiro e Levy Rocha.

Autor: Roberto Brochado de Abreu
Presidente da Casa da Memória e Membro da Academia.



GALERIA:

📷
📷


Variedades

Cacau - Por Rubem Braga (Parte III)

Cacau - Por Rubem Braga (Parte III)

 disse que os fazendeiros de cacau do Espírito Santo vivem quase sempre longe de suas fazendas e só as visitam uma vez ou outra, por ocasião da safra. É muito fácil controlar a produção, mesmo à distância, e cada fazenda tem seu administrador, geralmente um homem esperto e rude que veio da estrovenga

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Sítio da Família Batalha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Constituído de uma pequena gleba de terras de um pouco mais de três alqueires e meio (173.400,00 m²), fica localizado às margens do Rio da Costa

Ver Artigo
O Exército Brasileiro em solo Espiritossantense

A nova denominação de 3º Batalhão de Caçadores veio do Decreto nº 13.916, de 11 de dezembro de 1919, permanecendo com a mesma, até 24 de janeiro de 1949 

Ver Artigo
Praia do Ribeiro e Ilha da Baleia – Por Edward Athayde D’Alcântara

A ilha da Baleia no período do Brasil Império e Colônia foi considerada como ponto estratégico para defesa da Capitania

Ver Artigo
Capítulo III - A viagem a Capitania do ES pelo Príncipe Maximiliano de Weid-Neuwied

Maximiliano e sua comitiva partem rumo ao “desconhecido”, em de novembro de 1815

Ver Artigo
Técnicas de Confecção de Panelas de Barro

Todo o vasilhame destinado à queima é cuidadosamente coberto por pedaços de madeira, geralmente leves e bem secos. O fogo é ateado em uma das “cabeceiras da cama” dando início à queima

Ver Artigo