Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano de 1850 – Por Basílio Daemon

Sede da Fazenda do Barão de Itapemirim, no município de Itapemirim, em 1860 - Foto: Victor Frond

1850. Por decreto de 29 de março, é removido da comarca do Serro para esta o juiz de direito bacharel Antônio Tomás de Godói, tendo prestado juramento e assumido o exercício a 30 de outubro do mesmo ano, ocupando também o lugar de chefe de Polícia que lhe era anexo.(573)

Idem. Toma pela segunda vez assento na Câmara dos Deputados, na 8ª legislatura de 1850 a 1852, como representante por esta província, o bacharel Luís Pedreira do Couto Ferraz, hoje visconde do Bom Retiro.

Idem. É instalada a 25 de julho deste ano a 1ª sessão da 8ª legislatura da Assembleia Legislativa Provincial, concernente aos anos de 1850 a 1851, sendo composta dos seguintes deputados provinciais: coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim, barão de Itapemirim, coronel Dionísio Álvaro Resendo, Luís da Silva Alves de Azambuja Suzano, capitão Venceslau da Costa Vidigal, Antônio das Neves Teixeira Pinto, capitão Francisco Rodrigues de Barcelos Freire, Manoel Goulart de Souza, José da Silva Vieira Rios, Bernardino de Sena, padre João Luís da Fraga Loureiro, Manoel Nunes Pereira, capitão João Crisóstomo de Carvalho, padre Manoel Antônio dos Santos Ribeiro, José Barbosa Meireles, José Pinto de Alvarenga Funcho, Manoel Caetano Simões, Bernardo Francisco da Rocha Tavares, Manoel Teixeira da Silva e Domingos Rodrigues Souto. Na sessão do primeiro ano da legislatura foi composta a mesa: presidente padre Manoel Antônio dos Santos Ribeiro, 1º secretário padre João Luís da Fraga Loureiro, 2º secretário capitão Francisco Rodrigues de Barcelos Freire.574 No segundo ano foi composta a mesa: presidente coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim, 1º secretário padre João Luís da Fraga Loureiro, 2º secretário capitão Francisco Rodrigues de Barcelos Freire.

Idem. Tendo o bacharel Antônio Tomás de Godói entrado a 30 de outubro deste mesmo ano no exercício de chefe de Polícia e reconhecendo estar a província infestada de criminosos, dá logo as mais enérgicas providências, a fim de acabar com os bandos de salteadores e assassinos que vagavam quase que em toda a província, mormente no então extenso município de Itapemirim, de que fazia parte a hoje vila de São Pedro do Cachoeiro, e onde se achavam acoitados o maior número de delinquentes. Para este fim foi coadjuvado pelas autoridades locais, mormente pelo então delegado de polícia de Itapemirim, Dr. Rufino Rodrigues Lapa.

Idem. É levantada neste ano uma carta topográfica desta província pelo visconde Villiers de l’Isle d’Adam.(575) Este trabalho é eivado dos mais crassos erros e inexatidões, tendo naquela época sido apontados por diversos, entre eles pelo Dr. J. J. Rodrigues, em um escrito que apareceu a 15 de abril de 1851.

Idem. Falece na segunda-feira, 30 de dezembro deste ano, às 9 horas da noite, vítima de uma apoplexia, o cônego, arcipreste, vigário da vara e da freguesia de Nossa Senhora da Vitória, reverendo Francisco Antunes de Siqueira, que há doze anos a paroquiava, tendo poucos instantes antes de falecer entregado a escola paroquial a seu velho amigo padre-mestre João Luís da Fraga Loureiro. Seu enterro foi bastantemente concorrido por todas as autoridades civis e militares, tendo-se-lhe feito as honras até recolher-se o seu cadáver ao sarcófago de sua família. Fora muito estimado por sua lhaneza, caridade e pontualidade nos deveres de seu ministério. Era condecorado e fora deputado provincial.

 

573 “Entrando em exercício do cargo de juiz de direito da comarca da capital, e de chefe de Polícia, em 30 de outubro de 1850, abriu-se uma nova era para a província...” [Vasconcelos, Ensaio, p. 78]

574 Ofício de Assembleia Legislativa: Relação dos deputados que foram à mesa legislativa no presente mês. 25 de julho de 1850.

575 Visconde J. de Villiers de l’Isle d’Adam, Carta topográfica e administrativa da província do Espírito Santo, 1850.

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2018

 

História do ES

A primeira sesmaria do Espírito Santo

A primeira sesmaria do Espírito Santo

A doação de sesmarias funcionou como o terceiro elo no processo inicial da criação do sistema fundiário colonial, responsável pela instalação do latifúndio no Brasil

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O incêndio no Mercado da Vila Rubim

Vinte toneladas de fogos de artifício e barris de pólvora que estavam estocados em três andares da Casa Sempre Rica explodiram

Ver Artigo
O Ensino e a primeira biblioteca pública do ES

Criado em 1843, só a vinte e cinco de abril de 1854 foi instalado o Liceu da Vitória

Ver Artigo
Nas Vésperas da Independência – Por Mário Freire

A última barreira do Siri, próxima à foz do Itapemirim, havia sido o extremo norte da fazenda, doada aos padres em 1702

Ver Artigo
Após a Independência - Por Mário Freire

Dissolvendo a Constituinte em Novembro de 1823, Pedro I incumbiu o Conselho de Estado de organizar um projeto de Constituição

Ver Artigo
Pródromos da Independência Nacional

Domingos José Martins – Filho de Joaquim José Martins e de D. Joana Luisa de Santa Clara Martins, nasceu em Caxangá, hoje Itapemirim

Ver Artigo