Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cantigas de Roda

Livro Praça oito de Eugênio Sette, 2001

O bairro estava sossegado e a noite era calma e bela. Na ruinha mais estreita do que larga, começaram a aparecer crianças de idade variada. Conversam, brincam. Depois, dão-se as mãos e formam a roda. Vozes muitas se elevam nos ares calmos do bairro sossegado. Eram cantigas que atravessaram os tempos, velhas, mas sempre novas cantigas.

Ciranda, cirandinha

Vamos todos cirandar.

Vamos dar a meia volta,

Volta e meia vamos dar.

Cantaram, depois,

O anel que tu me deste

Era de vidro e se quebrou,

O amor que tu me tinhas

Era pouco e se acabou.

E veio Dona Maria, a quem pediram

Entre dentro desta roda

Diga um verso bem bonito

Diga adeus e vá-se embora.

E Maria Anita? Era a de olhos pretos que nem carvão. Alguém, nessa cantiguinha, fumava cachimbo e babava. Havia panela com feitiço e um bruto espirro.

O cravo estava doente,

 A rosa foi visitar.

O cravo teve um desmaio,

A rosa pôs-se a chorar.

Pequenas histórias em pequenas cantigas. Ainda há, para nosso bem, a criança, corpo e alma do folclore, cantando cantigas de todos os tempos. Neste mundo obscurecido, resta sempre um pouco de poesia capaz de suavizar as nossas horas de desespero e angústia. Mas, nessas cantiguinhas, nem tudo é sempre doçura, satisfação, leveza, porque há a miséria da pobre peregrina "que anda de porta em porta, / com sua perna torta / pedindo a caridade".

Minha mãe gostava de me cantar aos ouvidos o "Chô Pavão!" E, dentro da noite, eu tinha a impressão de que havia mesmo um pavão dormitando sobre o telhado de minha casa. Longes tempos, esses.

Cantigas outras e muitas tenho, eu ouvido, mas sem a graça, a ingenuidade das de roda. Comigo ficou, para sempre, a saudade imensa de uns olhos negros que nem carvão — os de Maria Anita... Na memória auditiva, permaneceu a musiquinha que um dia, eu ouvi num bairro calmo, cantada por vozes de meninas que se deram as mãos e formaram a roda...

 

Fonte: Praça Oito, ano 2001
Autor: Eugênio Sette
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro 2014

Curiosidades

Colégio Maria Ortiz

Colégio Maria Ortiz

O certo é que certa magnificência do centro do poder, já pelo peso maior da arquitetura eclética, já como referência sempre constante na imprensa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Viajantes Estrangeiros ao ES – Jean de Lèry

Dos mais antigos estrangeiros que aportaram à Capitania do Espírito Santo, podermos registrar o clérigo francês reformado Jean de Lèry

Ver Artigo
Viagem ao Espírito Santo e Rio Doce - Levy Rocha

Quando Carlos Madeira foi premiado num concurso literário, em Vitória, com a sua tradução de Saint-Hilaire

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Barão de Humboldt

Basilio Daemon refere-se à possível passagem do Barão de Humboldt, no ano de 1800, pelo Espírito Santo

Ver Artigo
Tropeiros percorrem em 20 dias 650 quilômetros de história

Ao longo de 20 dias, um grupo de 13 capixabas está revivendo parte da história do Brasil Colônia ao refazer os passos de Dom Pedro pelo interior do Estado

Ver Artigo
Pedra da Onça - Por Seu Dedê

Localizada à margem esquerda do canal da Costa, braço sul. De frente ao Shopping Praia da Costa 

Ver Artigo