Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cinema de Aracruz - Parte I

Capa do Livro: Faça-se Aracruz

No início do ano de 1964, como vários outros jovens aracruzenses, Jovino Moro acompanhava, de queixo caído, algumas projeções cinematográficas no clube conhecido como  “Esmeril” (um grande galpão na esquina das Ruas Ananias Neto e Padre Luiz Parenzi, hoje acupado pelo Bradesco, Lojas Giacomin e outras) e no salão do Esporte Clube Sauassu. Não deu outra: Jovino se aproximou por aquela maravilha que se chamavam de “Sétima Arte”!

A coisa mexeu também com o gerente do então Ruralbank (Banco do Estado do Espírito Santo, hoje Banestes), Tranqüilo Dias Sampaio, que começou a falar em montar um cinema na cidade. Jovino se associou a ele.

Instalado na Igreja Católica (Avenida Venâncio Flores, onde hoje está o Banco do Brasil), exibindo filmes de 16 milímetros, o cinema recebeu o nome de “Cine Leila”, em homenagem a filha do gerente. Estreou em 21/08/1964, com o filme “A vida por um desejo”.

O Cine Leila funcionou ali algum tempo. Até o Ruralbank transferir Tranqüilo de Aracruz, quando então foi obrigado a fechar, porque Jovino não tinha condições de mantê-lo sizinho. Mas o “veneno” tinha tocado o coração dele, deixando-o apaixonado para sempre!

Assim que pôde, Jovino comprou a parte de Tranqüilo na sociedade e “deu um jeito” de o cinema voltar a funcionar, com o nome de “Cine Esperança”. “Eu tinha esperança de construir um cinema melhor, à altura de Aracruz”, explicava ele. O sonho era pelo menos na bitola de 35 milímetros.

 

Fonte: Faça-se Aracruz!, nº 2 - setembro/1997
Organizador: Maurilen de Paulo Cruz
Fonte de Pesquisa: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2012

 

Links Relacionados:

 
Cinema de Aracruz - Parte II

 


Variedades

Morro da Ucharia

Morro da Ucharia

Aquele morrinho, localizado em área do Exército, que se avista da Terceira Ponte com a Bandeira Nacional no seu cume, é conhecido por Ucharia

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Sítio da Família Batalha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Constituído de uma pequena gleba de terras de um pouco mais de três alqueires e meio (173.400,00 m²), fica localizado às margens do Rio da Costa

Ver Artigo
O Exército Brasileiro em solo Espiritossantense

A nova denominação de 3º Batalhão de Caçadores veio do Decreto nº 13.916, de 11 de dezembro de 1919, permanecendo com a mesma, até 24 de janeiro de 1949 

Ver Artigo
Praia do Ribeiro e Ilha da Baleia – Por Edward Athayde D’Alcântara

A ilha da Baleia no período do Brasil Império e Colônia foi considerada como ponto estratégico para defesa da Capitania

Ver Artigo
Capítulo III - A viagem a Capitania do ES pelo Príncipe Maximiliano de Weid-Neuwied

Maximiliano e sua comitiva partem rumo ao “desconhecido”, em de novembro de 1815

Ver Artigo
Técnicas de Confecção de Panelas de Barro

Todo o vasilhame destinado à queima é cuidadosamente coberto por pedaços de madeira, geralmente leves e bem secos. O fogo é ateado em uma das “cabeceiras da cama” dando início à queima

Ver Artigo