Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Como limpar a Baía de Vitória

Ninguém vê, mas a bela baía capixaba tem 138 saídas de esgoto

Embora esteja investindo atualmente 53 milhões de dólares no Estado, a Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan) só terá condições de atacar o problema da poluição da baía de Vitória a partir de 1994, quando devem começar as obras correspondentes ao financiamento de 285 milhões de dólares, em fase de negociação junto ao Banco Mundial. A região metropolitana capixaba deve consumir aproximadamente 70% do empréstimo, sem contar as partes do Estado e dos municípios. Os recursos devem ser empregados em estações de tratamento e redes coletoras de esgotos na região central de Vitória e na Praia do Canto; na Praia da Costa e no Bairro de Paul, em Vila Velha; no Bairro de Fátima, na divisa entre Vitória e Serra; e no Bairro de Campo Grande, em Cariacica. Além da Grande Vitória, o superprojeto de saneamento ambiental do Governo vai implantar estações e redes de esgotos em 17 municípios da faixa litorânea, beneficiando diretamente cerca de 950 mil habitantes (36,5% da população do Estado). A expectativa dos técnicos da Cesan é de que o projeto de despoluição da baía de Vitória e do litoral entre em obras em 1994, prolongando-se por cinco ou seis anos. Como o trabalho envolve aspectos educacionais, estima-se que sejam necessários 10 anos até que esteja concluída a despoluição dos ecossistemas litorâneos do Espírito Santo, um nome pomposo que vem provocando dúvida e desagrado entre ambientalistas.

A lentidão do projeto deve-se às exigências feitas pelo Banco Mundial, que pediu recentemente a montagem de um modelo de gestão de recursos hídricos no Estado. Uma das variáveis que vai compor esse modelo é a regulamentação dos vários usos da baía de Vitória, cujas águas servem à pesca, ao esporte, ao transporte de cargas e passageiros, ao turismo e ao lançamento de esgoto e lixo. A gestão de recursos hídricos está em fase de normalização em âmbito federal.

As exigências do Banco Mundial estão mostrando à Cesan, aos técnicos e às autoridades do Espírito Santo que despoluir não significa apenas tratar os esgotos, mas um processo amplo que começa e termina na educação ambiental.

Muito esgoto para uma ilha só

As marés depuram a poluição, menos nos "pontos negros"

Engenheiro civil e economista com especialização em saneamento ambiental, Sérgio Neves Sant'Anna, um dos principais técnicos da Cesan, considera inadequada a expressão "despoluição da baía de Vitória". Embora ela tenha locais em que o oxigênio é igual a zero, na maior parte da baía as águas têm índice de 6,5 miligramas por litro d'água, enquanto em águas puras, como em Meaípe, o índice seria de 9 mg/1.

"As duas marés diárias são suficientes para purificar as águas da baía, que ainda não atingiram um ponto de saturação, mesmo considerando a descarga de esgotos equivalente a uma demanda biológica de oxigênio (DBO) de 40 toneladas por dia", afirma Sant'Anna, salientando que o problema é outro. Graças à soma de fatores como a urbanização das margens, a impermeabilização da superfície, a ocupação dos mangues e morros e o lançamento de lixo e esgotos nos córregos, a demanda de oxigênio é intensa em todas as margens da baía, sobrecarregadas por 138 bocas de esgotos, apenas na ilha de Vitória. Isso dá origem aos problemas negros, assim chamados porque nesses locais a água é escura e fétida. A eles se somam os pontos de despejo de lixo inorgânico, um problema colorido que contribui para assorear o fundo da baía e até espantar turistas.

A poluição da baía tem seus reflexos até sobre a população de beira de mangue que aprendeu a tirar alimento da água e agora começa a enfrentar dificuldades. Os consumidores já desconfiam do marisco da baía pois sabem que ele pode estar contaminando. Embora a baía não seja depósito de lixo tóxico, basta a poluição por coliformes fecais para fazer do marisco um perigo para a saúde pública. Um único sururu filtra de 3 a 4 litros d'água por dia, retendo coliformes.

O consórcio dá prioridade a região serrana

Também à espera de recursos, faz parte do programa de saneamento da baia de Vitória o trabalho desenvolvido em nove municípios pelo Consórcio de Gerenciamento das Bacias Hidrográficas dos rios Santa Maria da Vitória e Jucu, os dois mais importantes cursos d'água a banhar a região metropolitana do Espírito Santo.

Mantido graças à contribuição das prefeituras dos nove municípios, que dão 0,1% do seu Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), o Consórcio Santa Maria-Jucu está dando prioridade à parte serrana das bacias, onde se encontram 50% da população estadual e mais de dois terços do produto interno bruto do Estado. Embora o trabalho do consórcio tenha se concentrado inicialmente na realização de levantamentos e na formação da consciência ambiental nas comunidades, obras físicas já estão sendo feitas em Domingos Martins, Marechal Floriano, Santa Leopoldina e Santa Maria de Jetibá. O rio Santa Maria, o maior curso d'água a alimentar a baía de Vitória, é importante não pelo volume de água, mas pelos sedimentos que transporta, tanto que os fluxos de água doce no seu delta mudaram devido à formação de bancos de areia.

 

Fonte: Os Capixabas, A Gazeta 14/12/1992
Pesquisa e textos: Abmir Aljeus, Geraldo Hasse e Linda Kogure
Fotos: Valter Monteiro, Tadeu Bianconi e Arquivo AG
Concepção gráfica: Sebastião Vargas
Ilustração: Pater
Edição: Geraldo Hasse e Orlando Eller
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2016

Curiosidades

Material radioativo de Guarapari está armazenado em latas nos EUA

Material radioativo de Guarapari está armazenado em latas nos EUA

Foi na época de bastante movimento no porto de Guarapari que foram criados os hotéis Torium, Radium e Monazita

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Tropeiros percorrem em 20 dias 650 quilômetros de história

Ao longo de 20 dias, um grupo de 13 capixabas está revivendo parte da história do Brasil Colônia ao refazer os passos de Dom Pedro pelo interior do Estado

Ver Artigo
Pedra da Onça - Por Seu Dedê

Localizada à margem esquerda do canal da Costa, braço sul. De frente ao Shopping Praia da Costa 

Ver Artigo
Ponga de Bonde – Por Edward Athayde D’Alcântara

Existe uma diferença entre carona e ponga

Ver Artigo
Praia da Sereia - A origem do nome

A origem do seu nome remonta aos primeiros anos do século XX, quando chegaram a Vila Velha, vindos do Rio de Janeiro, alguns construtores para construir o Terceiro Batalhão de Caçadores

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Wied, Freyreiss e Sellow

Pouco antes de iniciarem excursão pelas províncias do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia, chegou à Corte, em meados de junho de 1815, Maximiliano Alexandre Philipp, Prinz von Wied-Neuwied

Ver Artigo