Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Congo em Jacaraípe - por Rubem Braga

Festa da Comunidade de São Pedro de Jacaraípe

São cantigas de escravos? Parecem ser de escravos soldados que daqui, de São Pedro de Jacaraípe, doce praia do Espírito Santo, eram mandados para o rio Doce ou o Paraguai. A música desse congo é triste mas viva, e paramos o carro na estrada para ouvir.

“Catarina minha nêga

Teu senhor quer te vender

Para mandar pro rio Doce

Para eu nunca mais te ver”.

Catarina é a amada, e é também a fiandeira.

“Catarina minha nêga

Me fiai esse algodão

Que esses rapazes de agora

Só prometem mas não dão”.

O estribilho é muitas vezes repetido:

“Ora fia o fuso;

Oh Iaiá stou fiando”

Há uma comparação lírico-militar:

“Atrás de suas passadas

Meus olhos chorando vão,

Como soldado na praça

Atrás de seu capitão”.

Agora não é mais Catarina, é ele quem vai para a morte:

“Não sei que será de mim

Quando eu for pra São Mateus;

Menina, comprai-me a baixa,

Quero ser cativo seu”.

O português não é perfeito, mas se entende, e às vezes é belo. Há um general de guerra que traz patente do Rei, mas de repente tudo isto é posto de lado porque aparece uma informação de última hora que d. Cidalina Santana nos transmite com sua voz lamuriosa:

“Vou lhe dar uma notícia

Que eu já tinha me esquecido;

Faz 1.500 anos

Que o menino era nascido;

Ele nasceu em Belém

Na era de 1.004,

Debaixo de uma pedra

Toda cercada de mato”.

Esta versão do Natal é um pouco estranha, mas não há dúvida de que “quatro” quase rima com “mato”.

Agora acontece um naufrágio em que morrem muitos inocentes – “na barra do Benevente foi uma nau para o fundo” – aparece novamente um general, o Brasil já venceu o Paraguai e “nós já podemos voltar”.

Batem as “barricas” e a caixa, ronca uma cuíca imensa, negra, feita de casca de um sói tronco de árvore, tine o “ferrinho”, tocam os “cassacos” seu reco-reco, aquela voz de mulher velha é plangente, uma canoa vem baixando o pano na entrada da barra, e meda uma tristeza vaga e boba, saudade da infância, lembrança de mulher que não ama, vontade de morrer do Paraguai...

 

 

Fonte: Crônicas do Espírito Santo. 1984
Autor: Rubem Braga
Obs.: Este livro foi doado à Casa da Memória de Vila Velha em abril de 1985 por Jonas Reis
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2011

 

 

LINK RELACIONADO:

Tributo a Jacaraípe

Curiosidades

Amores de Tropeiros – Por Ormando Moraes

Amores de Tropeiros – Por Ormando Moraes

Um desses amores nasceu lá pelos lados da região de Arataca. Um jovem tropeiro despertou o coração da filha de um abastado fazendeiro

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Lembranças, Presentes e Souvenires do ES - Os 10 mais curiosos (1971)

Biscoitos Alcobaça.  São produtos da Fábrica Alcobaça, de propriedade da firma “Rami­ro S.A. Indústria e Comércio”, instalada no Município de Espírito Santo (Vila Velha), com depósitos em Vitória

Ver Artigo
Características Naturais do Espírito-Santense - Por Eurípedes Queiroz do Valle

1) A saudação. Trata-se de uma exclamação de cunho amistoso, usada para saudar amigos e conhecidos. É representada por um “Ei!” pronunciado com uma en­tonação especial de voz

Ver Artigo
Histórico dos Tamancos e Uma Guerra - Por Ester Abreu Vieira de Oliveira

Em tempos passados, o povo andava descalço e o tamanco se impôs como meio de proteção na realização de trabalhos agrícolas

Ver Artigo
Marta Wolkartt: Deus no Céu e Dona Marta em Santa Teresa

No distrito de Vinte e Cinco de Julho, Santa Teresa, a alemã Marta Wolkartt fez história no século XIX ao atuar como um 'coronel de saias' 

Ver Artigo
Banho na Maré – Por Edward Athayde D’Alcântara

Hoje, o local seria do outro lado onde está o Shopping da Costa. Brincávamos de “boto e tainha”

Ver Artigo