Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cultura na Constituinte Estadual: hora decisiva

Ilustração: Painel – Informativo Cultural, maio-junho/1989

A Assembléia Legislativa do Espírito Santo vive grande movimentação. Ali se debatem propostas visando a elaboração da nova Constituição Estadual. No período 18 a 20 de abril último, a Comissão Temática III analisou reivindicações de entidades ligadas ao movimento cultural, além de propostas encaminhadas pelos próprios deputados. Esta mobilização procura reverter uma condição que caracteriza o Espírito Santo como Estado que dá pouca importância à cultura em sua legislação. As propostas das entidades ligadas à Comissão foram elaboradas pelo Conselho Estadual de Cultura, que congrega um número expressivo de representantes da sociedade civil e também órgãos da administração cultural, como o Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculo de Diversões do Espírito Santo (Sated) e o Departamento Estadual de Cultura (DEC). O texto do relator da Comissão Temática III, deputado Ângelo Moschen, acatou a maioria das propostas. Sua aprovação em sessão plenária pela Constituinte Estadual representará um significativo avanço para a cultura e o desenvolvimento social do Espírito Santo, como é consenso no meio artístico e intelectual do Estado.

EXPOSIÇÃO

Os convidados presentes às Audiências Públicas expuseram, resumidamente, suas respectivas áreas e as reivindicações delas procedentes. "Daí vieram contribuições de fundamental importância na formulação do anteprojeto da Nova Constituição Estadual", conforme entende o deputado Paulo Hartung, para quem, "esse debate foi interessante na medida em que o Marien Calixte, presidente do Conselho Estadual de Cultura, trouxe uma proposta quase totalmente acatada pelo relator. Nela se prevê, por exemplo, a obrigatoriedade da inclusão, no currículo escolar, do ensino das artes cênicas, musicais, visuais, plásticas e literárias".

Na opinião do escritor Renato Pacheco, as propostas enviadas à Constituinte estão de acordo com o previsto num texto elaborado pela comissão especialmente designada pela mesa da Assembléia, no ano passado, a qual presidiu. Segundo Pacheco, que foi presidente da extinta Fundação Cultural do Espírito Santo no início dos anos 80, "a idéia mais ampla é a de que a cultura deve ser tratada de forma sistêmica, articulada", envolvendo bibliotecas, museus e arquivos, teatros e até emissoras de televisão. "De minha parte só posso aplaudir as propostas encaminhadas e esperar que os constituintes coloquem na Carta os pressupostos que levantamos anteriormente", concluiu Pacheco.

TEMORES

O relator da Comissão Temática III, deputado Ângelo Moschen, acredita que "apesar de significativo, o texto final, no que se refere à cultura, com seus oito artigos, corre o risco de não ter aceito muitos dos seus itens (talvez a maioria), a não ser que haja algum tipo de manifestação popular". Como exemplo, Moschen cita o artigo 42 ("cabe ao Estado promover o aperfeiçoamento e a reciclagem dos profissionais de cultura"), que, em sua opinião, dificilmente passará na sessão plenária.

"Comparando as propostas apresentadas aqui no Estado com as do Rio de Janeiro, acho que a nossa está bem explícita, refletindo realmente um avanço para a cultura capixaba. Infelizmente, a Assembléia do Espírito Santo está repleta de deputados conservadores que limitariam o item cultura em apenas um ou dois artigos. Mas acho que a nossa batalha é justamente essa: detalhar da melhor maneira tudo que se refere à cultura, para que no futuro não haja equívocos", esclareceu Moschen.

A questão do detalhamento realmente preocupa alguns deputados. Salvador Bonomo, por exemplo, acha que "o importante, realmente, é o conteúdo, não a quantidade". Para ele, "a concisão do texto é fundamental e muita coisa pode ser dita em apenas um ou dois artigos, dependendo da sua redação". Bonomo, que é líder do governo na Assembléia, lembra que no Brasil, "há mais de 100 mil leis, estando na hora de se acabar com a mentalidade de criar leis descartáveis, e se fazer as coisas para durar: uma legislação para ser respeitada, aplicada e cumprida".

Como presidente da Comissão Constitucional, o deputado Bonomo após uma leitura dos relatórios das três comissões, disse que a etapa agora é "analisar as questões que podem ir para a Constituição ou não, ver o que é pertinente e que não entra em choque com a União ou até mesmo que pode ser objeto de lei ordinária, depois de promulgada a Nova Constituição".

RECUOS

Após analisar o texto do anteprojeto do relator da Comissão Temática III, a presidente do Sated-ES, Beth Caser, lamentou a exclusão de "dois artigos fundamentais", elaborados em conjunto com o CEC. "Um deles diz respeito à TV Educativa, prevendo a destinação de um percentual mínimo de 70 por cento da sua programação diária às produções culturais e artísticas do Espírito Santo, o que representaria uma ampliação do mercado de trabalho dos artistas e técnicos capixabas, evitando a sua migração para o eixo Rio-São Paulo e enfraquecendo o desenvolvimento da atividade no Estado".

O caminho agora é para obter 1000 assinaturas necessárias para a apresentação de uma emenda popular. "O direito à regionalização é um fato que está sendo reivindicado pelos movimentos artísticos em todos os Estados. Nosso objetivo é que as televisões estaduais abram espaço para a produção regional", disse Beth Caser.

Outro artigo desprezado pela Comissão refere-se à destinação de recursos financeiros nunca inferiores a 3% do orçamento do Estado para o órgão público de cultura. "Realmente não dá para entender o descaso das autoridades quanto a verba destinada à cultura. Os políticos, em geral, estão mais preocupados com o desenvolvimento industrial, econômico e se esquecem que a cultura é a base de tudo. Torço para que o Paraná, que conseguiu manter os 3% para a cultura no texto do relator, mantenha o item em plenário, reafirmando a liderança daquele Estado na priorização das questões culturais. Pelo menos assim o assunto será tratado com mais respeito e não excluído no texto, como aconteceu aqui", desabafou Beth Caser.

 

Fonte: Painel – Informativo Cultural, maio-junho/1989, Departamento Estadual de Cultura – Ano III – nº 05
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2016

Curiosidades

Curiosidades Espírito-santenses - Por Eurípides Queiroz do Valle - I

Curiosidades Espírito-santenses - Por Eurípides Queiroz do Valle - I

Uma ampla estrada completa o circuito da ilha, ligando entre si, os arrabaldes extremos de Maruipe e Santo Antônio, numa extensão aproximada de 14 quilômetros

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Viajantes Estrangeiros ao ES – Barão de Humboldt

Basilio Daemon refere-se à possível passagem do Barão de Humboldt, no ano de 1800, pelo Espírito Santo

Ver Artigo
Tropeiros percorrem em 20 dias 650 quilômetros de história

Ao longo de 20 dias, um grupo de 13 capixabas está revivendo parte da história do Brasil Colônia ao refazer os passos de Dom Pedro pelo interior do Estado

Ver Artigo
Pedra da Onça - Por Seu Dedê

Localizada à margem esquerda do canal da Costa, braço sul. De frente ao Shopping Praia da Costa 

Ver Artigo
Ponga de Bonde – Por Edward Athayde D’Alcântara

Existe uma diferença entre carona e ponga

Ver Artigo
Praia da Sereia - A origem do nome

A origem do seu nome remonta aos primeiros anos do século XX, quando chegaram a Vila Velha, vindos do Rio de Janeiro, alguns construtores para construir o Terceiro Batalhão de Caçadores

Ver Artigo