Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Duarte de Lemos, homem providencial

Vasco Fernandes Coutinho x Duarte Lemos

Foi nessa conjuntura que lhe caiu nos braços um homem providencial – Duarte de Lemos. Mais tarde, este urdirá intriga, parece que sem fundamento, para desbancá-lo das graças reais, mas é impossível negar o mérito do seu auxílio naquele momento cruciante em que a capitania madrugava.

Fidalgo da casa real,(22) Duarte de Lemos vivera na Bahia, onde, ao que parece, se incompatibilizara com Francisco Pereira Coutinho – donatário daquela colônia – em cuja comitiva viera para o Brasil.(23) Aventureiro ambicioso, no conceito de quantos o estudaram, possuía recursos, sabia mandar e era dotado de espírito prático. Os motivos que o trouxeram ao Espírito Santo são ignorados.

Atraído por alguma proposta vantajosa, ou vislumbrando na situação precária de Vasco Coutinho uma oportunidade de se tornar, pelo menos, seu sócio e igual na capitania, Duarte de Lemos rumou para o Espírito Santo com seus “criados e outras pessoas que por seu respeito vieram com ele”.(24)

 

NOTAS

(22) - Carta de confirmação da doação da Ilha de Santo Antônio. – Arquivo da Torre do Tombo, Chancelaria de D. João III, liv. 6, 512 (apud MALHEIRO, Regimen Feudal, 265).

– “Duarte de Lemos figura entre os autores de versos do Cancioneiro, de Garcia de Resende” (CALMON, Hist. Brasil, I, 192, nota).

(23) - LAMEGO, Terra Goitacá, V, 371.

– RODOLFO GARCIA informa: “Duarte de Lemos, fidalgo da casa real, que na Ásia obrara grandes feitos, acompanhou ao Brasil Vasco Fernandes Coutinho, donatário da Capitania do Espírito Santo” (Explicação, in DH, XXXVII, p. XXVIII).

(24) - Da escritura de doação, transcrita na carta régia de oito de janeiro de 1549, in HCP, III, 266.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

História do ES

O Homem e a Tempestade – Por Mário Gurgel

O Homem e a Tempestade – Por Mário Gurgel

Apenas a tempestade não respeita ninguém. Não tem protegidos, não aceita cartões nem pedidos, não estabelece critérios de tratamento de acordo com a posição social de cada homem

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Carta a um amigo

Aristeu Borges de Aguiar comenta rapidamente a situação em Portugal, e, como que vaticinando, diz “o Mundo anda meio atrapalhado, parecendo que caminha para grandes transformações". 

Ver Artigo
Com a República, pontes, estradas, indústria e comércio

No Espírito Santo, como nas demais províncias do Império, o movimento republicano foi pequeno. Em 23 de maio de 1887, foi fundado o primeiro clube republicano do Espírito Santo

Ver Artigo
Viagens à Capitania do ES - Por Bruno César Nascimento

Expedições às terras capixabas feitas pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em “Viagem ao Brasil” (1820), e pelo botânico e naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por aqui em 1818

Ver Artigo
Textos de História Militar do Espírito Santo

Este é o propósito deste livro. Trata-se, o nome já o diz, de uma coletânea de textos, textos estes da mais diversa natureza: poema épico, ensaios históricos, crônicas, correspondência oficial e particular

Ver Artigo
A Importância da Mulher na História do Estado

Exaltemos as mulheres de Regência! Diz o noticiário do naufrágio do "Imperial Marinheiro", em 1887

Ver Artigo