Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Escola de Aprendizes Marinheiros

Escola de Marinheiros instalada em 1862

No Forte, a Escola de Aprendizes marinheiros funcionou por duas vezes.

A primeira

Instalada em 1862 a escola era citada pelos presidentes da Província com o nome de “Companhia de Aprendizes Marinheiro”.

Em 1867, a companhia que previa um efetivo de duzentos alunos, contava no seu efetivo somente sessenta e cinco e era dirigida pelo capitão de fragata João Paulo da Costa Neto e outros oficiais. Na companhia, os meninos tinham um vasto campo onde se distraiam nas horas vagas.

O presidente da Província Francisco Luiz Bittencourt Sampaio informou no relatório apresentado à Assembléia Legislativa em 1868 que a Companhia de Aprendizes Marinheiros foi criada pelo decreto nº 2890 de 08/02/862 e que funcionava com 44 aprendizes com um déficit de 156, já que a capacidade era para 200, e que o comandante era o capitão de fragata João Paulo da Costa Neto.

Na presidência do Dr. Luiz Antonio em 1869, ainda existia a Companhia.

No governo de 1871 do presidente Francisco Ferreira Correa, foi confirmada a data da criação da Companhia de Aprendizes Marinheiros como sendo em 08/02/1862, ressalvando que, em julho daquele ano foram expedidos para a Corte com destino ao corpo de Imperiais Marinheiros, 59 aprendizes da companhia cedidos pelo Ministério da Guerra da Marinha.

A Companhia Aprendizes Marinheiros foi extinta pela Lei 2692 de 20/10/1877 e o comando foi assumido pelo Capitão do porto.

O forte São Francisco Xavier necessitava de reformas devido às infiltrações e o Capitão dos Portos solicitou que fosse posta em hasta pública.

A segunda

Instalada em 1909 e extinta em 1913.

 

Fonte: Edward Alcântara, membro da Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2012 

História do ES

O Homem e a Tempestade – Por Mário Gurgel

O Homem e a Tempestade – Por Mário Gurgel

Apenas a tempestade não respeita ninguém. Não tem protegidos, não aceita cartões nem pedidos, não estabelece critérios de tratamento de acordo com a posição social de cada homem

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Carta a um amigo

Aristeu Borges de Aguiar comenta rapidamente a situação em Portugal, e, como que vaticinando, diz “o Mundo anda meio atrapalhado, parecendo que caminha para grandes transformações". 

Ver Artigo
Com a República, pontes, estradas, indústria e comércio

No Espírito Santo, como nas demais províncias do Império, o movimento republicano foi pequeno. Em 23 de maio de 1887, foi fundado o primeiro clube republicano do Espírito Santo

Ver Artigo
Viagens à Capitania do ES - Por Bruno César Nascimento

Expedições às terras capixabas feitas pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em “Viagem ao Brasil” (1820), e pelo botânico e naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por aqui em 1818

Ver Artigo
Textos de História Militar do Espírito Santo

Este é o propósito deste livro. Trata-se, o nome já o diz, de uma coletânea de textos, textos estes da mais diversa natureza: poema épico, ensaios históricos, crônicas, correspondência oficial e particular

Ver Artigo
A Importância da Mulher na História do Estado

Exaltemos as mulheres de Regência! Diz o noticiário do naufrágio do "Imperial Marinheiro", em 1887

Ver Artigo