Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Itapoã

Praia de Itapõa

Apenas quatro casas rodeadas de muito verde e árvores frutíferas. Assim era Itapoã, em 1965. Só mato, capoeira pura. Existiam também mais três casas em construção.

Na época, o bairro era um sítio, batizado com o nome de Apicum do Poço, com criação de gado e cavalo. Onde hoje é um valão, corria um córrego tão limpo que era possível as crianças tomarem banho e pescar peixes.

As ruas eram de areia e, para ir à praia, costumava-se passar por trilhas cheias de pitangueira, cajueiro, goiabeira e outras árvores frutíferas.

Como não havia água encanada, era preciso comprá-la em barris, que os moradores despejavam na caixa d'água no alto de suas casas.

Foi na década de 70 que surgiram os primeiros conjuntos habitacionais. O primeiro a ser erguido foi o Jerônimo Monteiro, que tinha 15 casas, que se tornaram moradias de funcionários públicos. Mais tarde, foram construídos o Conjunto Militar e Eldorado. Por volta de 1975, no Conjunto Itapoã, surgiram os primeiros prédios.

Com o aumento do número de moradores, a população de Itapoã foi se organizando e fazendo reivindicações. As casas ganharam luz elétrica, o transporte urbano melhorou e o comércio começou a crescer.

O bairro, que era quase todo brejo, foi sendo aterrado para a construção de mais moradias. Na década de 80, a região já estava tomada por casas populares.

Nos últimos anos, grandes empreendimentos imobiliários vêm mudando a cara do bairro. Muitas casas foram demolidas para dar lugar aos condomínio de luxo que tomaram conta de toda a orla.

 

Fonte: Jornal A Tribuna (Publicado nos anos 2000)



GALERIA:

📷
📷


Bairros e Ruas

Praia da Costa - década de 1950

Praia da Costa - década de 1950

Na foto pode-se observar o antigo Rio da Costa bastante caudaloso que vai serpenteando o Convento da Penha antes de ser retificado, quando ocorreu a grande enchente na década de 1960

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Centro de Vitória

Palco de batalhas ferrenhas contra corsários invasores, espaço para peladas de futebol da garotada, de footings de sábados e domingos, praças, ladeiras e ruas antigas curtas e apertadas, espremidas contra os morros — assim é o Centro de Vitória

Ver Artigo
Cercadinho – Por Edward Athayde D’Alcântara

Ao arredor, encosta do Morro Jaburuna (morro da caixa d’água), ficava o Cercadinho

Ver Artigo
Avenida Jerônimo Monteiro (ex-rua da Alfândega)

Atualmente, é a principal artéria central de Vitória. Chamou-se, antes, Rua da Alfândega, sendo que, em 1872, passou a denominar-se Rua Conde D'Eu

Ver Artigo
Poema-passeio com Elmo Elton - Por Adilson Vilaça

“Logradouros antigos de Vitória” sempre me impressionou. Mais de década depois, eu faria a segunda edição desta obra pela Coleção José Costa, dedicada à memória e história da cidade, e que foi por mim criada na década de 90

Ver Artigo
Escadaria Maria Ortiz

Ao tentar alcançar a parte alta da vila, subindo estreita rampa, conhecida como ladeira do Pelourinho, os corsários foram surpreendidos pela jovem Maria Ortiz

Ver Artigo