Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Lançamento da Pedra Fundamental do Siribeira Clube

Comodoro Heliomar na Inauguração da nova sede do Siribeira Clube de Guarapari

Ata da solenidade do lançamento da pedra fundamental e início da construção da sede social do “Siribeira Clube”.

Aos dez (10 dias do mês de junho do ano de mil novecentos e cinquenta e um (1951), às dez, horas, nesta cidade de Guarapari, município do Estado do Espírito Santo, presentes o senhor doutor Hermes Curri Carneiro, Secretário da Agricultura, do Estado, por si e como representante do Exmº Sr. Governador do Estado, Jones Santos Neves, o doutor Meroveu Pereira Cardoso, Juiz de Direito da Comarca, o  senhor Epaminondas Oswaldo de Almeida, Presidente da Câmara Municipal, membros da Diretoria do “Siribeira Clube” e grande número de sócios e pessoas gratas, realizou-se a solenidade do início da construção da sede definitiva do mencionado Clube, fundado, nesta cidade, em 18 de fevereiro de mil novecentos e quarenta e sete (1947), com finalidade náutica social e esportiva.

A referida sede se erguerá em terreno próprio, de marinhas, cedido pelo Governo da União e localizado na península Siribeira, assim chamada por possuir árvore secular, desse nome e onde também foi buscar a dita organização social e esportiva nome de batismo.

A solenidade foi aberta com a palavra do Comodoro do Clube, Heliomar Carneiro da Cunha que, historiando a vida da sociedade desde a sua fundação, chegou ao ato do Lançamento da pedra fundamental da sede social para congratular-se com o senhor Prefeito Municipal pelo valor que a obra representará na vida turística e social da cidade e com os senhores associados pela valiosa e decidida colaboração que prestaram para a realidade de uma iniciativa que a todos pertence.

Do que se passou foi lavrada a presente ata que, assinada por mim, Alceu Serrano Vieira, na qualidade de secretário ad-hoc e por todas as pessoas presentes, será depositada com moedas correntes e jornais do dia, em urna própria, no alicerce do prédio como se faz, de hábito, ao ser lançada a pedra fundamental de construções destinadas a relevo e projeção nos destinos sociais e esportivos de um povo.

 

Fonte: Informativo Siribeira, nº 4 - Ano III,  1º Trimestre 1985
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2012 

 

 

 

 

 

 

 

Variedades

Riacho – Por Monsenhor Eurípedes Pedrinha, em 1891

Riacho – Por Monsenhor Eurípedes Pedrinha, em 1891

A vila, situada embora em sítio alagadiço, apresenta, todavia vário e agradável aspecto. A estas frondosas matas vestem terreno arenoso...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Cabula - Prática Cultural Religiosa Africana

A Cabula foi objeto de estudo pelo Bispo D. João Batista Nery, com o propósito de combatê-la

Ver Artigo
A Proclamação da República e o Espírito Santo

A despeito de não ter havido a participação popular, a Proclamação da República não se explica pelo ato de Deodoro da Fonseca

Ver Artigo
Vista do Jeanne DArc

A Prefeitura Municipal, com suas palmeiras imperiais esvoaçando como pluma ao sabor dos ventos contrastava com o balé aéreo dos urubus ao final da tarde

Ver Artigo
Política do cotidiano - Por João Gualberto M. Vasconcellos

As pessoas buscam explicações, ou será casualidade que o livro "Complexo da Cinderela" que discute o príncipe encantado como eixo da vida feminina, ser hoje um dos mais vendidos no país?

Ver Artigo
Acontecimentos da Época Monárquica no ES

No regime monárquico, que durou sessenta e sete anos, nada menos de noventa e seis presidentes, entre efetivos e substitutos, governaram o Espírito Santo

Ver Artigo