Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Lançamento da Pedra Fundamental do Siribeira Clube

Comodoro Heliomar na Inauguração da nova sede do Siribeira Clube de Guarapari

Ata da solenidade do lançamento da pedra fundamental e início da construção da sede social do “Siribeira Clube”.

Aos dez (10 dias do mês de junho do ano de mil novecentos e cinquenta e um (1951), às dez, horas, nesta cidade de Guarapari, município do Estado do Espírito Santo, presentes o senhor doutor Hermes Curri Carneiro, Secretário da Agricultura, do Estado, por si e como representante do Exmº Sr. Governador do Estado, Jones Santos Neves, o doutor Meroveu Pereira Cardoso, Juiz de Direito da Comarca, o  senhor Epaminondas Oswaldo de Almeida, Presidente da Câmara Municipal, membros da Diretoria do “Siribeira Clube” e grande número de sócios e pessoas gratas, realizou-se a solenidade do início da construção da sede definitiva do mencionado Clube, fundado, nesta cidade, em 18 de fevereiro de mil novecentos e quarenta e sete (1947), com finalidade náutica social e esportiva.

A referida sede se erguerá em terreno próprio, de marinhas, cedido pelo Governo da União e localizado na península Siribeira, assim chamada por possuir árvore secular, desse nome e onde também foi buscar a dita organização social e esportiva nome de batismo.

A solenidade foi aberta com a palavra do Comodoro do Clube, Heliomar Carneiro da Cunha que, historiando a vida da sociedade desde a sua fundação, chegou ao ato do Lançamento da pedra fundamental da sede social para congratular-se com o senhor Prefeito Municipal pelo valor que a obra representará na vida turística e social da cidade e com os senhores associados pela valiosa e decidida colaboração que prestaram para a realidade de uma iniciativa que a todos pertence.

Do que se passou foi lavrada a presente ata que, assinada por mim, Alceu Serrano Vieira, na qualidade de secretário ad-hoc e por todas as pessoas presentes, será depositada com moedas correntes e jornais do dia, em urna própria, no alicerce do prédio como se faz, de hábito, ao ser lançada a pedra fundamental de construções destinadas a relevo e projeção nos destinos sociais e esportivos de um povo.

 

Fonte: Informativo Siribeira, nº 4 - Ano III,  1º Trimestre 1985
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2012 

 

 

 

 

 

 

 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Proclamação da República e o Espírito Santo

A despeito de não ter havido a participação popular, a Proclamação da República não se explica pelo ato de Deodoro da Fonseca

Ver Artigo
Sítio da Família Batalha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Constituído de uma pequena gleba de terras de um pouco mais de três alqueires e meio (173.400,00 m²), fica localizado às margens do Rio da Costa

Ver Artigo
O Exército Brasileiro em solo Espiritossantense

A nova denominação de 3º Batalhão de Caçadores veio do Decreto nº 13.916, de 11 de dezembro de 1919, permanecendo com a mesma, até 24 de janeiro de 1949 

Ver Artigo
Praia do Ribeiro e Ilha da Baleia – Por Edward Athayde D’Alcântara

A ilha da Baleia no período do Brasil Império e Colônia foi considerada como ponto estratégico para defesa da Capitania

Ver Artigo
Capítulo III - A viagem a Capitania do ES pelo Príncipe Maximiliano de Weid-Neuwied

Maximiliano e sua comitiva partem rumo ao “desconhecido”, em de novembro de 1815

Ver Artigo