Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Nas trilhas do Mestre Álvaro

Ele está lá, imponente, e pode ser visto de qualquer lugar da Serra. É o Mestre Álvaro, o grande anfitrião do município. E como é bonito vê-lo ao entardecer, quando o sol se põe e forma atrás da montanha aquele vermelho-alaranjado. Imagine então, ver esse cenário do seu topo. Sim, é maravilhoso (mas só suba com um guia).

Aliás, para descobrir os segredos dessa montanha, nada melhor do que conversar com os antigos moradores da região, que contam que o monumento recebeu esse nome porque ali morava um mestre de carpintaria, de nome Álvaro, e quando alguém desejava algum serviço dele, dizia: "Vou no Morro do Mestre Álvaro".

Além disso, os nativos explicam que ele serve de orientação aos pescadores, que se sentem seguros de seguirem pelo mar enquanto conseguem ter ao alcance dos olhos o topo do Mestre, que chamam de "Mestre Alvo".

Uma lenda sobre o morro envolve duas tribos indígenas inimigas: temiminós e botocudos e um jovem casal pertencente a elas, o índio Guaraci e a índia Jaciara. Eles foram transformados por Tupã em duas montanhas, Mestre Álvaro e Mochuara, a última em Cariacica, por terem sido impedidos de viver sua história de amor. Conta-se que nas noites de São João um pássaro de fogo vai do Mestre Álvaro ao Mochuara para abençoar o amor eterno dos dois.

Lendas à parte, no entorno do Mestre ÁLvaro pode-se fazer um delicioso roteiro pelas propriedade rurais, que abrem suas porteiras à visitação, com direito a degustação de produtos caseiros. São três: Pitanga, Muriceba e Garanhus.

Fonte: A Gazeta (27/01/2010)

LINKS RELACIONADOS:

>> Imperador por um dia 
>> Heranças dos índios
>>
 
Índios selvagens e civilizados
>>
 
Influência indígena no ES
>> 
Por quê Morro do Moreno?



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

Crônica de Victória

Crônica de Victória

Gostei muito da matéria sobre "Victória". Quando vi a foto da Prefeitura de Vitória, lembrei-me de fatos de minha infância (tinha uns 5 anos por ai....).

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praça Costa Pereira ou Independência?

Certa vez, de passagem pela Capital, um estrangeiro queixava-se: - A língua capixaba é muito difícil: escreve Costa Pereira e pronuncia-se Independência!

Ver Artigo
Ofícios reservados do príncipe regente D. Pedro I, 1822

Tenha sempre em vista como requisito essencial e objeto em que interessa à causa pública deste reino o exame e conhecimento dos sentimentos dos pretendentes

Ver Artigo
Vale do Mulembá

O Vale do Mulembá fica no bairro Joana D’arc, em Vitória, entre a Pedreira Rio Doce e o loteamento São José. O acesso é pela Rodovia Serafim Derenzi

Ver Artigo
Escolhendo panelas capixabas

Algumas panelas de barro produzidas no Espírito Santo estão ficando grossas, com queima incompleta e perdendo a cor negra profunda, tão característica. Isto se deve a fatores que pretendemos apontar

Ver Artigo
Casa da Memória de Vila Velha - Sua História

Na Prainha, à beira mar, de frente para a Praça Tamandaré, havia um casarão geminado em ruínas, uma das últimas edificações do século XIX, datada de 1893, conforme inscrição em seu frontispício

Ver Artigo