Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

O 2º Donatário Vasco Coutinho Filho – Auxílio a Estácio de Sá

Luisa Grinalda ou Grimalda, esposa de Vasco Fernandes Coutinho - Acervo: IHGVV - Casa da Memória

Em princípios de 1564, quando Estácio de Sá passou pelo Espírito Santo em demanda do Rio de Janeiro, onde iria imortalizar o nome, Vasco Fernandes Coutinho (filho) já devia ter assumido o governo da capitania. O fato de Belchior de Azeredo seguir com o sobrinho do governador geral parece indicar que ele não detinha mais a responsabilidade da administração capixaba.(1)

O novo donatário, ao que se presume, veio de Portugal para o senhorio que lhe coubera por herança.(2) Se, efetivamente, assumiu o posto em fins de 1563 ou início do ano seguinte, coube-lhe inaugurar a administração com uma atitude de relevo na vida do país. Aludimos ao auxílio prestado pelo Espírito Santo a Estácio de Sá na empresa que culminou na expulsão dos franceses da Guanabara e fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, depois capital do Brasil. A colaboração que a capitania de Vasco Coutinho dispensou a este episódio da consolidação da hegemonia portuguesa no Brasil se inscreve entre as mais belas e eloqüentes demonstrações de acuidade política e solidariedade fraternal do período colonial. Era o momento em que se definia o destino da futura nacionalidade – ou a terra continuava uma possessão de Portugal ou se entregava ao domínio dos franceses. Solicitada sua ajuda, o Espírito Santo deu quanto pôde – dois valorosos e heróicos soldados e legião imensa de bravos guerreiros. Belchior de Azeredo foi um dos baluartes da vitória das armas luso-brasileiras na Guanabara. Duas vezes, pelo menos, foi posta à prova sua bravura.(3)

Em ambas, demonstrou possuir fibra de autêntico soldado. O funcionário, homem de justiça, administrador, portou-se à altura dos grandes capitães que a colônia conheceu.

 

NOTAS

(1) - JOSÉ MARCELINO informa que “em 1564 [Belchior de Azeredo] já não era capitão-mor e somente provedor da Fazenda” (Ensaio, 19, nota 1). Misael Pena diz que Vasco Coutinho (filho) recebeu a capitania de Belchior de Azeredo em 1563 (História, 45). – Por sua vez, BRÁS DA COSTA RUBIM depõe: “Não consta o ano em que chegou [Vasco Coutinho (filho)], é provável que fosse em fins de 1563” (Memórias, 221).

(2) - Vasco Fernandes Coutinho (filho), certamente, não estava no Espírito Santo à época do falecimento do primeiro donatário. Presente fora, e seria absurda aquela passagem do mandado de Mem de Sá, datado de dezesseis de outubro de 1561, onde se dizia: “e a nenhuma pessoa entregareis [a capitania] [...] salvo se vier Vasco Fernandes Coutinho, filho do defunto”. DAEMON o presumia residente no Reino (Prov. ES, 80).

Era casado com D. Luísa Grinalda, filha de Pedro Álvares Correia, e D. Catarina Grinalda (LAMEGO, Terra Goitacá, V, 374) – Luísa Grinalda era natural de Portugal (DAEMON, op. cit., 80).

– Vale a oportunidade para uma referência a D. Ana Vaz, mãe de Vasco Fernandes Coutinho (filho). Não se tem notícia da sua presença no Brasil, embora, desde os primeiros tempos da capitania, fosse conhecida a ilha de Ana Vaz. Seria uma homenagem de Vasco Fernandes Coutinho (pai) à mulher que amara ilicitamente? Ou o topônimo indicava residência, local de lavouras pertencentes a Ana Vaz? Por excessiva que fosse a liberdade de costumes na colônia, o donatário jamais chegaria ao extremo de homenagear a concubina ausente, permanente ou transitória, dando seu nome a um acidente geográfico da capitania.

Mais razoável é que Ana Vaz tivesse vindo na expedição dos primeiros povoadores e Coutinho lhe tenha oferecido a ilha a que deu seu nome. Os companheiros consagraram a doação denominando-a ilha de Ana Vaz.

3 - Em fevereiro de 1564, quando a frota comandada por Estácio de Sá entrou na barra do Rio de Janeiro, Belchior de Azeredo e outros perseguiram e atacaram uma nau francesa, aprisionando-a (FELISBELO FREIRE, História, I, 30). A maior façanha do ex-secretário de Vasco Coutinho teve lugar a treze de julho de 1565, quando, após renhido combate, capturou duas canoas inimigas de vinte que vinham sobre a nascente povoação (FREIRE, op. cit., 36). O feito vem minuciosamente descrito na fé de ofício que Estácio de Sá passou a Belchior de Azeredo, documento que se pode ler nos Anais do Rio de Janeiro, de BALTAZAR DA SILVA LISBOA, I, p. 94 ss.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2017

Vasco Fernandes Coutinho

Empresa difícil, homens de fibra

Empresa difícil, homens de fibra

Vasco Coutinho em busca de recursos. Em Lisboa ficou hospedado em uma casa na Rua do Barão de  Alvito (1540)

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os Donatários - Por Amâncio Pereira

Coube a do Espírito Santo, descoberta em 1525, a Vasco Fernandes Coutinho, conforme a carta régia de 1.º de junho de 1534

Ver Artigo
Pobre Vasco! - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Enfim, passa da hora de reabilitar o nome de Vasco F. Coutinho e de lhe fazer justiça

Ver Artigo
Regresso do donatário Vasco Fernandes Coutinho

Talvez o regresso se tivesse verificado em 1547, na frota mencionada na carta de Fernando Álvares de Andrade, ou pouco depois

Ver Artigo
Vasco Fernandes Coutinho Filho e D. Luiza Grimaldi

Concluo, dos nobres que aportaram à Capitania do Espírito Santo, ser ela a de melhor e mais pura linhagem

Ver Artigo
O 2º Donatário Vasco Coutinho Filho – Auxílio a Estácio de Sá

Em princípios de 1564, quando Estácio de Sá passou pelo Espírito Santo em demanda do Rio de Janeiro, onde iria imortalizar o nome, Vasco Fernandes Coutinho (filho) já devia ter assumido o governo da capitania

Ver Artigo