Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O trio da burrice - Por Sérgio Figueira Sarkis

Capa do Livro: No Tempo do Hidrolitol

Eram três amigos inseparáveis: Coelho, Pepe e Tutu nomes fictícios. Unidos de longa data, viviam estarrecendo a sociedade com tiradas de "burrices hidráulicas", como gostava de definir Joubert Furtado.

Um deles, de passeio no Rio de Janeiro, estava em Copacabana, desfilando com um Chevrolet Bel Air conversível e, ao ver uma moça bonita, estaciona o carro e vai de encontro à mesma, para tentar ganhá-la.

Inicia a cantada dizendo ser um empresário residente nos Estados Unidos. A moça, descrente, não dá conversa. Ele, para provar que realmente morava na América, mostra a placa do seu conversível e, apontando a sigla ES, fala:

— Estados Sunidos.

O outro, ao ser testado numa prova de Geografia, não conseguia responder nada. O examinador, vendo que seria reprovado, para ajudá-lo, pediu que dissesse o nome de duas cidades dos Estados Unidos. O professor ficaria satisfeito e lhe daria nota 10. Pensando algum tempo respondeu:

— Nova Iorque.

O mestre pediu então a outra. Após uns cinco minutos respondeu:

— New York. Foi reprovado com distinção.

Mas, se cada um tinha suas falhas de inteligência, imagine os três reunidos. Foi o que aconteceu numa noite no Clube Vitória. A festa já corria solta e Tutu e Coelho estavam numa mesa, aguardando a chegada de Pepe. Ele tinha ido namorar com uma moça cujo pai era muito exigente e não aceitava interessados em sua filha que fossem boêmios.

Depois de algumas horas, chega Pepe, danado da vida porque havia passado aquele tempo todo discutindo com a namorada a necessidade dele se submeter às exigências do pai e abandonar todos os prazeres que o divertiam. Como não estava a fim de um namoro para casamento, disse aos amigos:

— Vou dar um tomé nesta menina.

 Este termo, à época, queria dizer terminar. Imediatamente, Coelho repicou:

— Pois é! O culpado disso foi Tomé de Souza, que descobriu o Brasil. Tutu, intervindo, corrigiu:

— É por isso que lhe chamam de burro. Não foi Tomé de Souza quem descobriu o Brasil. Foi Mem de Sá.

Pano rápido...

 

 

Fonte: No tempo do Hidrolitol – 2014
Autor: Sérgio Figueira Sarkis
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2019

Literatura e Crônicas

Lembranças Inapagáveis - Isaías Ramires

Lembranças Inapagáveis - Isaías Ramires

Outra lembrança muito forte que conservo daqueles saudosos tempos, é a da Semana Santa, com a procissão, na sexta-feira, do "Senhor Morto", com o encontro, nas proximidades da Igreja de Nossa Senhora do Rosário

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Regressos – Por Sônia Bonzi

Em outros lugares, tudo é morno, sob controle. Nenhum excesso ou vibração delirante.

Ver Artigo
Guananira, a ilha doce - Por Samuel Duarte

Apenas o seu vizinho Penedo, do outro lado da ria, continua o mesmo de sempre

Ver Artigo
O galo matou a onça – Por Hermógenes Lima Fonseca

No quarto crescente, dando para a lua cheia, é noite de ouvir estórias de véio Isidoro

Ver Artigo
Leitura e Ideologia - Por Francisco Aurélio Ribeiro

O homem é linguagem e o mundo, um livro

Ver Artigo
O travesti como personagem - Literatura do Espírito Santo, uma marginalidade periférica

Algumas obras literárias escritas no Espírito Santo, nos últimos quinze anos, retratam a figura do travesti, em diferentes momentos

Ver Artigo