Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Oratório à Nossa Senhora da Penha - Por Walter de Aguiar Filho

Jaqueira no Morro do Moreno (2014), onde foi construído o Oratório à Nossa Senhora da Penha em 1914

Segundo me contou Francisco Mascarenhas de Barcellos, na época em que seu pai Clementino era o chefe do posto semafórico localizado no Morro do Moreno (nomeado pelo Governo Federal em 14 de novembro de 1914, aos 23 anos), o posto contava com uma luneta de longo alcance para identificação dos navios e também com bandeiras que eram hasteadas sinalizando a entrada de navios na baía de Vitória.

Mestre Clê, como também era conhecido Clementino, construiu no local uma cabana de apoio para descansar e guardar as bandeiras coloridas. A escritora Maria da Glória de Freitas Duarte, sobrinha de Mestre Clê, no livro Vila Velha de Outrora, conta que em noites de luar todos subiam o Morro para passar a noite com Clementino e que em noites frias o agasalho era as bandeiras coloridas.

Clementino era católico fervoroso, por isso logo depois que construiu sua cabana, ergueu um oratório à Nossa Senhora da Penha de frente para o Convento da Penha.

Francisco me contou que ao lado desse oratório, seu pai plantou algumas árvores frutíferas e dentre elas uma jaqueira que cresceu e se tornou uma frondosa árvore. Os anos se passaram e na década de 70, quando estive no topo do morro havia no local um enorme tronco rasteiro ao chão, já quase todo podre, com apenas um broto. Fiz questão de regar e cuidar para que essa árvore voltasse a desenvolver. Verifiquei que se tratava de uma jaqueira, que começava a crescer. Mais tarde, no ano 2000, quando já estava escrevendo o livro Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno, consultei Francisquinho e tive a informação do oratório e da jaqueira, e desde então, tais fatos fazem parte do meu livro, que por sinal, ainda precisa de patrocinadores para a impressão.

 

Autor: Walter de Aguiar Filho
Data: 05 de agosto de 2005
Nota do Site:  O livro foi patrocinado pela GAROTO em 2006 e a foto da jaqueira é de 2014 (Ano do centenário do Oratório à Nossa Senhara da Penha)



GALERIA:

📷
📷


Literatura e Crônicas

O anti-retrato de Dorian Gray

O anti-retrato de Dorian Gray

A doce Ilha do Mel, Vitória, faz 442 anos de idade. E me parece sempre a cada vez mais uma menina-moça predestinada a não envelhecer (Crônica - Escritos de Vitória publicada em 1993).

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano Novo - Ano Velho - Por Nelson Abel de Almeida

O ano que passou, o ano que está chegando ao seu fim já não desperta mais interesse; ele é água passada e água passada não toca moinho, lá diz o ditado

Ver Artigo
Ano Novo - Por Eugênio Sette

Papai Noel só me trouxe avisos bancários anunciando próximos vencimentos e o meu Dever está maior do que o meu Haver

Ver Artigo
Cronistas - Os 10 mais antigos de ES

4) Areobaldo Lelis Horta. Médico, jornalista e historiador. Escreveu: “Vitória de meu tempo” (Crônicas históricas). 1951

Ver Artigo
Cariocas X Capixabas - Por Sérgio Figueira Sarkis

Estava programado um jogo de futebol, no campo do Fluminense, entre as seleções dos Cariocas e a dos Capixabas

Ver Artigo
Vitória Cidade Presépio – Por Ester Abreu

Logo, nele pode existir povo, cidade e tudo o que haja mister para a realização do sonho do artista

Ver Artigo