Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Os franceses atacam no Governo de Belchior de Azeredo

Estandarte de Santiago

Belchior de Azeredo teve de se haver logo com os franceses, que infestavam a costa. No decorrer de 1561, “duas naos mui grandes e bem artilhadas se poserão de fronte desta povoação,(42) cousa para causar assaz terror por serem os moradores poucos, as casas cobertas de palha e sem fortaleza”.(43)

Brancos e índios correram às armas. O padre Brás Lourenço fez de alferes, empunhando o estandarte de Santiago. Belchior comandou o improvisado exército, e com tanta habilidade se houve que conseguiu frustrar os planos de desembarque dos aventureiros. Nenhum balaço “fez dano aos da povoação nen a ella”, o que significa sorte excepcional, pois muitos tiros foram trocados durante as quatro horas de combate. Segundo o relato jesuítico, a peleja se decidiu graças a um tiro certeiro encaixado “ao lume d’agoa em huma das   naos” e ao inesperado aparecimento deum navio que transitava de São Vicente para o Reino. De tal maneira se desmoralizaram os franceses que, na retirada, foram perseguidos a frechadas pela escravaria embarcada em almadias.

Mal sucedidos na vila, tentaram carregar as embarcações com pau-brasil em um porto das proximidades. Por azar, os índios da região haviam sido alertados e lhes tomaram uma chalupa, aprisionando, para cativeiro, sete ou oito tripulantes.
(44).

Em 1562, novo corsário visitou a barra de Vitória, desaparecendo tão logo foi notada sua presença.(45)

Notícias sobre os primeiros artesãos – A catequese ia em progresso, prestigiada pela boa vontade do delegado d’el-rei. Alguns pupilos dos jesuítas, vindos da Bahia e aqui casados com índias da terra, emprestavam o concurso da sua habilidade à indústria de uma tecelagem incipiente. As esposas colaboravam, fiando e costurando. Eram ofícios mui prezados, pois raríssimos sabiam uma arte, mesmo rudimentar.(46)

 

NOTAS

(43) - Carta do Espírito Santo, de 1562, in Cartas, III, 465.

(44) - VALE, Cartas, III, 496-7; LEITE, HCJB, I, 218.

(45) - Carta do Espírito Santo, de dez de junho de 1562, in Cartas, III, 465-6.

(46) - Carta do Espírito Santo, de dez de junho de 1562, in Cartas, III, 468.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2017

Vasco Fernandes Coutinho

65 anos após o desembarque de Vasco Fernandes Coutinho

65 anos após o desembarque de Vasco Fernandes Coutinho

Muito progredira a capitania desde a chegada da Grorya à enseada do Espírito Santo. Vivo estivesse, o primeiro donatário poderia dizer, com justo orgulho, que não fora vão o sacrifício que se impusera para plantar a bandeira do seu rei nesta nesga do solo brasileiro

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Pobre Vasco! - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Enfim, passa da hora de reabilitar o nome de Vasco F. Coutinho e de lhe fazer justiça

Ver Artigo
Regresso do donatário Vasco Fernandes Coutinho

Talvez o regresso se tivesse verificado em 1547, na frota mencionada na carta de Fernando Álvares de Andrade, ou pouco depois

Ver Artigo
Vasco Fernandes Coutinho Filho e D. Luiza Grimaldi

Concluo, dos nobres que aportaram à Capitania do Espírito Santo, ser ela a de melhor e mais pura linhagem

Ver Artigo
O 2º Donatário Vasco Coutinho Filho – Auxílio a Estácio de Sá

Em princípios de 1564, quando Estácio de Sá passou pelo Espírito Santo em demanda do Rio de Janeiro, onde iria imortalizar o nome, Vasco Fernandes Coutinho (filho) já devia ter assumido o governo da capitania

Ver Artigo
Vasco da Glória - Francisco Aurélio Ribeiro

Frei Vicente do Salvador, em sua História do Brasil, de 1600 e pouco, afirmou que Vasco Fernandes Coutinho morreu pobre e abandonado

Ver Artigo