Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ponta da Fruta – Por Edward Athayde D’Alcântara

Aldeia de Pescadores da Ponta da Fruta, 1946

Em julho de 1816, Thomás Antônio da Vila Nova Portugal dava notícia que a duas léguas da Barra do Jucu ficava a Vila de Ponta da Fruta. Uma vila de pescadores, e a freguesia do Espírito Santo: Tem todo o termo 427 fogos, 1.672 habitantes; a vila tem 81 fogos, 6 engenhos de açúcar, e quatro engenhocas. (Capitania do ES – julho 1816)

Até os anos 40 era pequena e conhecida ainda como vila de pescadores e era considerada área rural do município. Em destaque a fazenda do doutor Dório Silva e o Morro da Lagoa, do Gil Bernardes.

Além do peixe pescado pelos residentes da vila, os pequenos agricultores traziam para Vila Velha, a fim de comercializar, rapadura, farinha de mandioca, aipim, e lenha para as padarias e residências do centro de Vila Velha.

Cortavam a lenha e empilhavam em forma de fogueira para secagem e quando pronta lotavam carros de bois ou caminhões. Geralmente acompanhavam sua mercadoria até Vila Velha e voltavam no dia seguinte, de carona, em algum carro, ou mesmo a pé.

Era um povo simples e trabalhador e às vezes, em Vila Velha, caminhavam os vinte ou mais quilômetros de volta à sua casa.

Seu desenvolvimento ocorreu na década de 40 com a chegada da luz elétrica no bairro e com a aprovação do loteamento da Praia do Sol executado pela empresa Emessa (*) (se não me engano era Empresa Espírito Santo S/A).

Com a construção da Rodovia do Sol, no Governo Élcio Álvares, houve crescimento acelerado, surgindo outros e outros loteamentos.

Hoje temos os importantes bairros de Interlagos, Itanhenga, Morada do Sol, Chácara do Kajo, Solar de Vênus, Parque do Gramado, Bairro Amaralina, Balneário Ponta da Fruta e Praia do Sol.

Suas praias, Ponta da Fruta, Praia da Baleia, Praia Grande ou D’Ulé são seus balneários mais importantes, podendo ser incluída a Lagoa do Jacuné como point daquele atual distrito.

A Igreja dos Navegantes é uma relíquia local. Situada no alto da Penha (pedra) da Ponta da Fruta, dali se descortina toda a costa marítima do município.

 

(*)Nota do Site: Emessa – Empreendimento Minas Espírito Santo S/A

Foto: Aldeia de Pescadores da Ponta da Fruta de 1946 que mostra em destaque a Capelinha de Nossa Senhora dos Navegantes, construída no ano de 1945 em razão de uma graça alcançada, por Augusto Italiano e ajudado pela comunidade local.

Na parte de baixo, no sopé do Morro aparecem as casas de Zé Brasilicio (pai de Zé Maria, o Tio Zé), Benedito Bernardo (Benedito Timbu), Sampaio, Dona Ruth, Seu Antenor Coutinho e outros.

De José Geraldo Da Silveira Novais para o Facebook no grupo - ‎Vila Velha, Histórias e Estórias.

 

Fonte: Memória do Menino...e de sua Velha Vila, 2014
Autor: Edward Athayde D’Alcântara
Produção: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2020

Bairros e Ruas

Centro de Vitória

Centro de Vitória

Palco de batalhas ferrenhas contra corsários invasores, espaço para peladas de futebol da garotada, de footings de sábados e domingos, praças, ladeiras e ruas antigas curtas e apertadas, espremidas contra os morros — assim é o Centro de Vitória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Bairro Glória – Por Edward Athayde D’Alcântara

O Bairro Glória era conhecido como “A Fábrica” por ter ali recebido a transferência da fábrica de bombons Garoto

Ver Artigo
Rua Nestor Gomes (ex-ladeira do Chafariz)

No governo de Florentino Avidos, a área foi urbanizada, pondo-se abaixo todos os casarões antigos ali existentes 

Ver Artigo
IBES 70 ANOS

O Ibes já foi um projeto mais ambicioso, em número de unidades projetadas, prevendo espaços para equipamentos comunitários, o primeiro desse estilo no Estado

Ver Artigo
Escadaria Maria Ortiz

Ao tentar alcançar a parte alta da vila, subindo estreita rampa, conhecida como ladeira do Pelourinho, os corsários foram surpreendidos pela jovem Maria Ortiz

Ver Artigo
Escadaria Bárbara Lindenberg – Por Elmo Elton

Ficou conhecida como ladeira das Colunas, sendo que, após a visita de Dom Pedro II ao Espírito Santo, em 1860, passou a denominar-se ladeira do Imperador

Ver Artigo