Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Praia do Ribeiro e Ilha da Baleia – Por Edward Athayde D’Alcântara

Ilha da Baleia e a Ponta do Tagano

A Praia do Ribeiro deve o seu nome a um pequeno regato (ribeiro) que corria a céu aberto até a praia e hoje está sob o calçamento. A Praia é formada pela pequena enseada situada entre o Morro do Moreno e o de Santa Luzia. Bem protegida das ondas e do vento, é o abrigo de diversos barcos de pesca. Essa praia deve ser preservada porque faz parte da história da colonização do solo espírito-santense e foi o sítio escolhido para residência dos nossos primeiros donatários. Hoje bastante poluída, sem balneabilidade, recebe dejetos de diferentes procedências.

Parte do Sítio foi loteada em 1929, com o nome de Maria Grinalda e mais tarde o Governo do Estado a desapropriou para a construção do Preventório Gustavo Capanema, que depois passou a ser conhecido como Preventório Alzira Bley.

Atualmente, em parte da área estão: a residência de verão do Governador, o Centro de Reabilitação da Praia da Costa e, na Pedra da Caiçara, o Clube Libanês.

A entrada ao sítio era franca, não havia proibição. Seguindo pela Praia da Sereia, logo à frente havia uma das nascentes do Morro do Moreno, que desaguava numa lagoa à beira-mar e servia de divisa natural do Sítio.

Atravessando a lagoa e subindo a Pedra das Caiçaras, havia o caminho de acesso às praias, ao Farol e à Ilha da Baleia.

Na Ilha da Baleia existe um poço de água potável, e naquele tempo era um excelente lugar para se passar um domingo com a família. Além da água, o local era ideal para pesca e tirada de mariscos.

Também conhecida como Ilha da Praticagem ou dos Práticos, a ilha foi utilizada durante muitos anos pela Capitania dos Portos, como abrigo e ponto de apoio aos práticos que nela aguardavam ordens para conduzir o navio que chegava, desde a barra até o porto de Vitória.

No período do Brasil Império e Colônia foi considerada como ponto estratégico para defesa da Capitania, e por isso, é também de grande valor histórico.

Quando as relações de Portugal com a Espanha aqui na América estiveram ameaçadas, o presidente da Capitania do Espírito Santo, Silvestre Cirne da Veiga, em carta datada de 28/09/1735 escreveu ao Rei de Portugal sugerindo que: “para defender a entrada desta barra, a natureza a fez de sorte que me parece que com duas fortalezas ficará em termos de defensa...uma delas, e, a mais importante me parece se deve fazer em um ilhote que chamam de Baleia, que fica junto da entrada da barra, o qual ilhote tem de comprido oitenta e cinco braças... a comunicação da terra firme para o ilhote, com a circunstância que podem entrar e sair soldados sem serem notados dos navios por onde a artilharia do inimigo não pode fazer dano... Este tal ilhote tem dois morros separados um do outro, no meio fica uma baixa muito funda e nela um poço de pedra que a natureza obrou, bastante fundo com água doce que se supõe é nativa”... A outra fortaleza me parece se deve fazer na Ponta do Tagano que fica perto do Ilhote da Baleia com que se declara no Mapa esta tal ponta é tudo um rochedo que principia do mesmo mar por onde se pode fazer esta fortaleza; desta ponta se descortina a vila de Vitória com distância de mais légua e de lá se vê a fortaleza de S. João e descobre o Ilhote que pode varejar a artilharia por cima dele; nenhuma das fortalezas descobre a vila de vitória exceto a que fica pegada a dita vila; por onde me parece que a dita ponta é própria para uma fortaleza por ter as circunstancias que ensina o governador de praças e juntamente todo o navio que entra pela barra, vem buscando esta ponta e se não pode encostar para a parte da Ilha do Boi que lhe fica defronte por derem baixos”.

 

Nota do Site: 

Procurando fazer uma analogia do texto com a foto atual do Google, chega-se a seguinte conclusão:

Observe que nas pedras submersas era onde se pretendia construir a primeira fortaleza, o canal de navegação fica muito próximo tornando a sua localização estratégica. O acesso a fortaleza seria feito pela Ilha da Baleia.

Já a segunda fortaleza, seria localizada a esquerda da foto, na Ponta do Tagano, no Morro do Moreno. Ali seria também um local estratégico para se construir uma outra fortaleza que desse proteção a um ataque ao porto.

Nada chegou a ser construído na época.

 

 

Fonte: Memória do Menino...e de sua Velha Vila, 2014
Autor: Edward Athayde D’Alcântara
Produção: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2020

Variedades

Roteiro Cinematográfico - Prefácio de Orlando Bomfim

Roteiro Cinematográfico - Prefácio de Orlando Bomfim

Nesse meio tempo, nosso amigo Jovany, morando quietinho aqui no Espírito Santo, já era roteirista conhecido, E conhecido até fora do Brasil

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Cabula - Prática Cultural Religiosa Africana

A Cabula foi objeto de estudo pelo Bispo D. João Batista Nery, com o propósito de combatê-la

Ver Artigo
A Proclamação da República e o Espírito Santo

A despeito de não ter havido a participação popular, a Proclamação da República não se explica pelo ato de Deodoro da Fonseca

Ver Artigo
Vista do Jeanne DArc

A Prefeitura Municipal, com suas palmeiras imperiais esvoaçando como pluma ao sabor dos ventos contrastava com o balé aéreo dos urubus ao final da tarde

Ver Artigo
Política do cotidiano - Por João Gualberto M. Vasconcellos

As pessoas buscam explicações, ou será casualidade que o livro "Complexo da Cinderela" que discute o príncipe encantado como eixo da vida feminina, ser hoje um dos mais vendidos no país?

Ver Artigo
Acontecimentos da Época Monárquica no ES

No regime monárquico, que durou sessenta e sete anos, nada menos de noventa e seis presidentes, entre efetivos e substitutos, governaram o Espírito Santo

Ver Artigo